Seculo

 

'Ficamos receosos que haja uso político para favorecer ou prejudicar alguém'


10/03/2017 às 13:09
José Rabelo e Rogério Medeiros
Imagens: Leonardo Sá/Porã
 
Na entrevista a seguir, o major Rogério Fernandes Lima, presidente da Associação dos Policiais Militares do Espírito Santo (Assomes), analisa as principais consequencias do Projeto de Lei Complementar (PLC), aprovado nessa quarta-feira (8) na Assembleia, que altera as regras de promoção da Polícia Militar.
 
Para o major, a proposta deveria ser discutida com as associações e com a categoria. Como pontos controversos do PLC, o presidente da Assomes destacou os critérios de promoção. “Ficamos receosos que haja uso político para favorecer ou prejudicar alguém. Não estamos dizendo em momento algum que isso irá acontecer. Mas que há temor, há.”
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Por trás das cortinas

Hartung não ataca mais Casagrande como antes. E vice-versa

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Sesc Glória abre inscrições para propostas de apresentações

Governo Temer mente: a Previdência não está quebrada, afirmam manifestantes no ES

Manobras perigosas

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos

Banalização