Seculo

 

Laboratório vai pesquisar violência contra a mulher no Espírito Santo


13/03/2017 às 16:58
O 11º Fórum de Políticas Públicas para a Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar, realizada na última sexta-feira (10), na Assembleia Legislativa, deixou um legado importante. A professora da Ufes e membro da Comissão Permanente de Direitos Humanos da universidade, Brunela Vincenzi, apresentou a proposta de criação de um laboratório para pesquisar a violência contra a mulher no Estado.
 
A iniciativa surgiu de um trabalho conjunto entre a Frente Parlamentar em Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar e a Ufes, em parceria com órgãos do Estado e municípios.
 
Segundo a proposta, o laboratório terá sede na Ufes e a participação dos professores e pesquisadores, com apoio de diversas entidades governamentais, como as Secretarias de Estado de Direitos Humanos (por meio da Subsecretaria da Mulher e da Gerência de Política de Promoção da Igualdade Racial), de Segurança Pública e de Saúde, além Conselhos Municipais da Mulher, Polícia Civil, e da própria frente parlamentar. 
 
A iniciativa foi aprovada pelos participantes do fórum, entre eles representantes de organizações do movimento social, dos governos federal, estadual, Justiça e Ministério Público. 
 
A vice-reitora da Ufes, Ethel Maciel, disse que a base de todo o combate à violência é a educação. Ela defendeu a ampliação das cotas para mulheres negras, mulheres trans e outros segmentos para o ingresso na Ufes. Ethel reafirmou, com base em informações da Organização das Nações Unidas (ONU), que não há nada mais violento que a miséria absoluta.
 
Cláudia Garcia, do Núcleo de Enfrentamento da Violência contra a Mulher (Nevid) do Ministério Público Estadual (MPE-ES), destacou que no ranking do feminicídio, entre as 100 cidades brasileiras, 11 estão no Estado, que ocupa ainda o quarto lugar no País no mapa da violência de gênero. 
 
Violência contra a mulher negra
 
A professora da Ufes, Marlene Martins Oliveira, apresentou o trabalho cultural com a comunidade quilombola de São Pedro, em Ibiraçu. Por meio de um vídeo, a professora descreveu a organização das mulheres e de toda a comunidade nos aspectos religioso, cultural, na organização do trabalho, moradia e saneamento básico. Marlene Oliveira ressaltou que naquela comunidade não há violência contra a mulher.
 
Priscila Gama, presidente do Instituto das Pretas, destacou a luta pelo empoderamento da mulher. Para ela, empoderar não é apenas dar poder, é ter liberdade e autonomia. Segundo Priscila, é preciso empoderar o meio social, pois uma mulher negra, dona de casa, com filhos, que apanha do marido não poderá ser empoderada, por mais consciência que tenha. Ela enfatizou que o povo negro do Brasil não é descendente de escravos, mas sim de um povo livre que foi escravizado.
(Com informações da Web Ales)

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia

Hartung, o suspense