Seculo

 

Avanço neoliberal no ES


14/03/2017 às 10:30
A coluna está preocupada com  anestesia geral que foi dada no movimento sindical, que não consegue fazer mais nada. Todos sabem que parte da imprensa tem se mobilizado para blindar o governador Paulo Hartung (PMDB), mas não se vê uma investida do movimento para desmascarar toda essa pressão que vem do Palácio Anchieta.
 
Desde que assumiu o governo, para o seu terceiro mandato, o governador vem impondo ao funcionalismo do Espírito Santo uma política de arrocho salarial com a desculpa de que encontrou os cofres vazios e que precisa fazer cortes para rearrumar a casa. Mas esse discurso é cansativo e hipócrita.
 
Quem abre mão de R$ 4 bilhões em renúncias fiscais, cria mais um Refis para anistiar juros e multas de empresários, abrindo mão dos impostos, não deve estar tão preocupado assim com o caixa. O governador afirma que para garantir a responsabilidade social precisa apertar no ajuste fiscal. Isso é irresponsabilidade do mesmo jeito. O Estado não é uma empresa para dar lucro, o Estado tem que priorizar os serviços à população e isso se consegue com a valorização do serviço público.
 
Mas se o governo impõe uma pressão sobre o funcionalismo, baseada na tática nazista de repetir a mesma mentira até que ela se torne verdade, cabe ao movimento sindical, não só aos sindicatos dos servidores públicos, mas a todo o movimento sindical entrar em campo para desmascarar a desproporcionalidade desse discurso de Hartung.
 
Isso porque, no início de fevereiro, a população sentiu os efeitos dessa desvalorização. Uma categoria, a dos Policiais Militares, por uma estratégia de movimento paredista, conseguiu afetar toda a organização social, para chamar a atenção da sociedade sobre as consequencias dos cortes de gastos em áreas tão sensíveis, como é o caso da segurança.
 
A coluna sentiu falta do envolvimento do movimento como um todo na defesa dos militares, afinal a luta deles, afetou a todos e a punição deles é um recado para o restante do funcionalismo. A estratégia de guerra do governo tem que ser enfrentada com a união das categorias trabalhistas e na busca de informação para a sociedade como um todo. Mas o que se viu foi muito pouco, ou quase nenhum, posicionamento do movimento sindical, o que garante a vitoria do governo no esmagamento do funcionalismo.
 
O que Hartung implanta no Espírito Santo, com consequências nefastas para a população é o que o presidente Michel Temer vem fazendo em nível nacional. Levando avante o processo neoliberal e servindo de exemplo também para os prefeitos. Até aqui não se viu vantagem alguma para o cidadão comum e reação nenhuma do movimento sindical, o que torna o futuro ainda mais devastador.
 
Acorda peão!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Mau negócio
Quando Casagrande e Hartung passam a polarizar o cenário, a política capixaba deixa de ser interessante para a Odebrencht
Geraldo Hasse
O despudor do poder
O marqueteiro-mór pagou multa de R$ 30 milhões à Justiça, deu depoimento e saiu rindo
Lídia Caldas
Por que engordamos?
Estamos ingerindo muito carboidrato de má qualidade. Fomos viciados pela indústria de alimentos em gordura saturada, açúcar e sal
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Imperdivel! Já em cartaz!
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Candidatura individual para a Mesa Diretora indica nova realidade na Assembleia

TJES fará nova sessão de escolha em concurso para cartórios de 2006

Vereadora protocola indicação para nova licitação de ônibus em Vitória

Justiça rejeita ação popular contra programa de rádio do prefeito de Marataízes

Polícia Militar antecipa reintegração de posse de área em Vitória