Seculo

 

Sindibancários lança campanha contra privatização do Banestes


14/03/2017 às 23:14
“Esse banco é da nossa conta”. Esse é o tema da campanha lançada nesta terça-feira (14), no Centro de Vitória, em defesa do Banestes público e estadual. Os bancários lançaram ao céu balões com as cores da bandeira do Espírito Santo (rosa e azul) para marcar a mobilização em todo o Estado contra a privatização do banco. “É preciso a união de todos para garantir a continuidade do Banestes público e estadual”, disse Jonas Freire, coordenador-geral do Sindibancários-ES. 
 
Freire afirmou que o sindicato irá visitar todas as agências do Banestes no Estado e conversar com todos os trabalhadores sobre a ameaça de venda do banco. “O Banestes tem mais de 80 anos de história e é o banco com maior credibilidade financeira do Espírito Santo. E quem constrói essa credibilidade somos nós, trabalhadores”, disse Freire.
 
Como acionista majoritário do Banestes, o governo do Estado fica com 92,37% dos dividendos distribuídos aos acionistas. Em 2016, esse valor chegou a R$ 53,25 milhões, como destacou o bancário Ricardo Gobbi, funcionário do Banestes há 33 anos, que participou do ato. “Antes de ser empregado do banco, sou cidadão capixaba e defendo o Banestes, pois ele é um instrumento fundamental para a política econômica e de desenvolvimento do Espírito Santo”. Ele lembrou que os recursos do banco proporcionam a injeção de recursos na agricultura familiar e em outros segmentos da economia, favorecendo o desenvolvimento do Estado. 
 
O lançamento da campanha em defesa do Banestes público e estadual contou com a participação de representantes de entidades sindicais e de outras organizações dos trabalhadores. “O Banestes e a Cesan são duas empresas coirmãs e, como tais, desempenham um importante papel no Espírito Santo, prestando serviços estratégicos e essenciais para a população capixaba. É inadmissível que o governo do Estado possa querer privatizar tanto o Banestes, um banco que tem uma função social importante para o povo do Espírito Santo, quanto a Cesan, que presta um serviço público essencial. A luta dos bancários do Banestes é a luta dos trabalhadores do saneamento”, destacou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente do Espírito Santo (Sindaema), Fábio Giori.
 
Lino de Souza, diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal do Espírito Santo (Sintufes), também declarou apoio à campanha. “Temos que nos unir para defender o Banestes que é patrimônio do povo. Não podemos deixar que nossa riquezas sejam vendidas para os interesses dos governos que visam apenas o lucro. Por isso estamos nessa luta e vamos, juntos, enfrentar o desmonte do patrimônio público promovido pelos atuais governos”.
 
Para a dirigente da Intersindical e do Sindibancários, Rita Lima, a ameaça de privatização do Banestes faz parte de um projeto maior de entrega das empresas públicas brasileiras ao setor privado. “Já estamos com a campanha nacional ‘Se é público é para todos’ em defesa das empresas públicas, pois lutar pela presença do Estado em setores estratégicos é defender o Brasil. 
 
Venda já foi cogitada
 
No começo de 2009, no penúltimo ano do segundo mandato do governador Paulo Hartung, foram iniciadas as negociações para a venda do Banestes para o Banco do Brasil, proposta suspensa em junho daquele ano, após ampla mobilização do Comitê em Defesa do Banestes. 
 
O preço do banco foi estimado na ocasião em aproximadamente R$ 1, 1 bilhão. De 2009 a 2016, a soma do lucro líquido do Banestes representou R$ 1,019 bilhão. Considerando o valor nominal, ou seja, sem a inflação do período, se a venda tivesse sido concretizada em 2009, num prazo de oito anos, o comprador teria recuperado praticamente todo o valor pago pelo Banestes e ainda teria um banco rentável e em crescimento como seu patrimônio. 
 
Com mais de 800 postos de atendimento, o Banestes é o único banco presente nos 78 municípios capixabas, sendo 19 deles atendidos apenas pelo banco estatal. O Banestes tem atualmente 2,5 mil funcionários. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada

Diretoria do Heimaba não comparece em reunião do Conselho para explicar óbitos