Seculo

 

Deputado acusa empresas de energia de 'roubarem o consumidor'


15/03/2017 às 08:58
Na sessão da Assembleia Legislativa dessa terça-feira (14), véspera do Dia do Consumidor, o deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) acusou as concessionárias de energia elétrica que atuam no Estado de “roubarem o consumidor capixaba” com a cobrança indevida de ICMS sobre partes da conta que não correspondem ao consumo.
 
Segundo o deputado, o ICMS é o imposto sobre consumo e numa conta de energia apenas 33% do valor refere-se ao consumo. “É sobre esse valor que é devido o imposto, mas as empresas de energia elétrica, a EDP Escelsa e a Luz e Força Santa Maria (que atua no noroeste do Estado) cobram um valor de ICMS que é maior do que o próprio valor consumido. Isso é um absurdo e não entendo porque essas empresas não são processadas por roubarem o consumidor”, disse Enivaldo.
 
O deputado exibiu uma conta de R$ 125 de um consumidor, dos quais apenas R$ 39,00 referiam-se ao consumo, mas o valor do ICMS é de mais de R$ 40. “O problema é que a conta é separada em consumo, transmissão, distribuição e encargos setoriais, além do ICMS. O consumidor deve o ICMS somente sobre o consumo, mas as elétricas somam todos os itens e cobram sobre o valor total”, explicou.
 
Em vários Estados brasileiros advogados estão recorrendo e obtendo decisões favoráveis aos seus clientes por conta dessas cobranças, que seriam indevidas. O deputado disse que sua assessoria jurídica está preparando uma ação para proteger os consumidores capixabas do golpe. “Vamos recorrer para ressarcimento das cobranças indevidas pelo menos dos últimos cinco anos para todos os consumidores de energia do Espírito Santo”, garantiu.
 
Consumidores de todo o país podem acionar a Justiça para reaver de 7% a 12% dos valores pagos na conta de luz, dos últimos cinco anos, devido a esse cálculo indevido do Imposto sobre circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).
 
De acordo com a imprensa nacional, advogados especialistas em Direito Tributário têm obtido vitórias em vários tribunais para derrubar a cobrança de ICMS sobre as Tarifas de Uso do Sistema de Transmissão (TUST) e de Distribuição (TUSD).
 
Segundo esses advogados, os processos são baseados na determinação legal de que o ICMS só pode incidir sobre o que de fato é consumido. Esse entendimento foi confirmado, inclusive, em decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Choque

Como diz o ditado, dois bicudos não se beijam. É isso mesmo, Fabrício Gandini?

OPINIÃO
Editorial
Política de encarceramento
Não adianta construir novos presídios. É preciso investir em políticas públicas que sejam capazes de prevenir a criminalidade
Renata Oliveira
Fica, gente!
Hartung tem se esforçado para manter ao seu lado os três grandes partidos do Estado: PT, PSDB e PDT
Ivana Medeiros Zon
Mude de vida
Pensar na influência do comportamento e dos hábitos individuais, incluindo os de consumo, vai muito além do que podemos imaginar.
Nerter Samora
Um novo Ministério Público
Renovação no quadro de procuradores de Justiça é oportunidade para novos grupos politicos
JR Mignone
A volta da reza
Em 2013 escrevi sobre o ''Poder da Reza''. Hoje volto com ela, pois rezar, orar, falar com Deus, meditar, seja como for, nunca é demais
Caetano Roque
Briga desleal
Com a mídia na mão, o capital consegue fazer com que o cidadão acredite nas mentiras que eles querem
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Choque

Ferraço afirma que contrato de antecipação de royalties foi 'malfeito'

Presos do semiaberto vão trabalhar em obras e serviços públicos da Prefeitura de Colatina

Dúvida sobre relator do Caso Alexandre pode adiar julgamento de recurso no TJES

Da Vitória faz discurso apaziguador, mas mantém posição independente na Assembleia