Seculo

 

Aposentados-voluntários vão reforçar quadros da Polícia Civil


15/03/2017 às 13:31
Os deputados estaduais aprovaram, na manhã desta quarta-feira (15), o Projeto de Lei Complementar (PLC) 5/2017, que institui o Serviço Voluntário de Interesse Policial (SVIP). A proposta do Executivo permite aos policiais civis aposentados voltarem a desempenhar atividades administrativas na Polícia Civil.
 
Com os quadros defasados e sem previsão de novos concursos para repor os efetivos, o PLC funcionará como um paliativo. O projeto teve o apoio do Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo (Sindipol) porque soluciona dos problemas de uma só uma só vez: repõe os efetivos, sobretudo em funções administrativas, liberando os policiais para as ruas; ao mesmo tempo em que oferece a oportunidade de ganhos extras para os policiais aposentados, que procuram alternativas para completar a aposentadoria.
 
O projeto permite aos policiais civis aposentados retornarem ao trabalho para a realização de tarefas técnico-administrativas, como atendimento ao público, lavratura de boletins de ocorrências, preenchimento de formulários e condução de veículos. Embora classifique a função como voluntária, o aposentado recebe uma ajuda de custo mensal de R$ 2,5 mil, vale-transporte, custeio de uniforme, férias remuneradas e abono natalino. A ajuda de custo não será base de cálculo para nenhuma vantagem, não será incorporada aos proventos e não sofrerá incidência de contribuições previdenciárias.
 
Embora o PLC tenha sido festejado pela maioria, alguns parlamentares, mesmo após votarem a favor do projeto, demonstraram preocupação com a medida. Eles temem que o governo do Estado se acomode com a solução paliativa e não promova tão cedo novos concursos públicos.
 
“É uma matéria importante para os policiais civis e alvo de discussão na Comissão de Segurança há dois anos. Ela permite aos policiais retornarem a atividade e receberem uma ajuda. Alguns vão dizer que o governo tem de fazer concurso, mas nós não vamos deixar de lutar por concurso”, disse Euclério Sampaio (PDT), policial civil aposentado, ao defender a matéria.
 
Sérgio Majeski (PSDB), que votou a favor do PLC, advertiu que o projeto pode reduz as oportunidades de trabalho para os mais jovens. Apesar das ponderações de Euclério, Majeski também se disse preocupado da medida paliativa incentivar a não realização de novos concursos.
 
“Os jovens são os que mais dificuldade têm (de entrar no mercado de trabalho). Se o índice de desemprego geral é de 12%, para eles é de 18, 19%. Isso pode ter sido pedido da polícia, mas inibe a oferta de trabalho para os mais jovens e acomoda o governo a abrir novos concursos. Ele deveria ser pensado sobre outras óticas”, argumentou o tucano.
 
A matéria foi aprovada por 22 votos. Após a aprovação, Majeski justificou seu voto, desta vez a favor do projeto do governo. Ele que é sempre criticado pelos governistas por questionar os projetos do governo, explicou que não faz “oposição rasteira”. Desde o primeiro dia de mandato, o tucano tem dito que seu compromisso é com o eleitor. 
 
Ainda sobre o projeto, Majeski sugeriu a elaboração de uma emenda posterior que limitasse a quantidade de policiais que voltariam ao trabalho. “Deveria ser uns 10%, porque isso pode acomodar o governo e daqui a pouco 50% estarão nesse regime. Ele não pode fazer DT com a polícia, senão faria também. A gente entende a questão emergencial, mas deveria ter um limite”, alertou Majeski. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Fazendo escola

Temer em Brasília, Hartung e Luciano Rezende no Espírito Santo: retaliações a quem anda “fora da linha” nunca estiveram tão na moda como agora

OPINIÃO
Editorial
Em causa própria
Promotor Marcelo Zenkner usa cargo público para promover projeto pessoal
Piero Ruschi
Festa de fachada
Comemoração da Sambio evidencia que o Museu Mello Leitão segue precisando de verdadeiros amigos
Renata Oliveira
Pela emoção
Magno Malta sempre tem uma carta na manga para a disputa eleitoral. Mas desta vez o cenário é diferente
JR Mignone
O repórter e a polícia
A vítima não foi repórter, foi a professora
Caetano Roque
Inversão de papéis
O movimento sindical foi dar uma de direita e agora perdeu o caminho da rua
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

O tempo entre as vírgulas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Promotor com trabalho atrasado está prestes a ser premiado para passar um ano nos Estados Unidos

Grupo de Luciano tenta sufocar oposição com corte de cargos

Fazendo escola

PP classifica como 'desproporcional' críticas de vereador contra Hartung

Hartung e Casagrande seguem disputando espaço no interior