Seculo

 

No caminho certo


15/03/2017 às 17:21
Uma longa caminhada começa pelo primeiro passo. Foi assim que começou a presidência do desembargador Annibal de Rezende Lima. Naquela ocasião, no final de 2015, o Tribunal de Justiça enfrentava uma grave crise fiscal, causado pelo rompimento de todos os limites de gastos com pessoal pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Outro desafio era a greve de servidores do Judiciário, que passava de dois meses até aquele momento.
 
Portanto, o cenário era o pior possível e muitos davam como certo o fracasso da nova gestão diante dos problemas herdados da administração anterior, do desembargador Sérgio Bizzotto – muito embora seja necessário reconhecer que as primeiras medidas de “ajuste fiscal” partiram do ex-presidente.
 
Pouco mais de um ano depois, a atual situação é bem diferente e revela o êxito da nova administração. Ao lado do vice-presidente da Corte, desembargador Fábio Clem, o chefe da Justiça estadual buscou a solução dos problemas. Mas nem sempre trilhou o caminho mais fácil. Primeiro, teve que sentar com os servidores sem ter muito com o que negociar. Conseguiu, através do diálogo, por fim à greve que já durava cinco meses.
 
Em seguida, o problema mais grave: colocar o tribunal novamente dentro dos limites da responsabilidade fiscal. Para isso, teve que colocar em prática duras ações, como a suspensão de gratificações, corte de servidores e até o congelamento dos salários – que incluiu até os magistrados, até então imunes às medidas de ajuste. Todo o esforço causou desgastes e indisposições com categorias, mas se revelou a estratégia mais acertada.
 
Isso porque no último mês de fevereiro, dois meses antes do prazo derradeiro, o Tribunal de Justiça voltou à margem legal de gastos com pessoal – chegando a 5,98% da Receita Corrente Líquida (RCL), sendo que o limite máximo era de 6%. Caso não ocorra nenhum acidente de percurso, o relatório de gestão fiscal do primeiro quadrimestre de 2017 pode confirmar o sucesso das ações da gestão Annibal.
 
Até o momento, todos os sinais são favoráveis: as despesas com pessoal no Judiciário estão controladas, enquanto a arrecadação do Estado está crescendo – e pode aumentar ainda mais devido ao início de um novo Refis [programa de refinanciamento de dívidas tributárias, recentemente aprovado na Assembleia].
 
O sucesso do ajuste fiscal de Annibal, através de seus próprios esforços, também deve dissipar qualquer desconfiança de eventuais manobras para obtenção desse resultado. Vale lembrar que o Tribunal de Contas (TCE) instituiu no ano passado um termo de ajustamento de gestão (TAG), que tem por objetivo prorrogar o prazo para cumprimento de obrigações fiscais. Na época de sua aprovação, o instrumento foi classificado como uma forma encontrada para o Judiciário burlar as obrigações previstas na LRF.
 
Antes disso, o próprio Judiciário capixaba teve sua fatia de colaboração na desconfiança ao conceder uma liminar favorável à Associação dos Magistrados do Espírito Santo, que autorizava uma mudança na forma de cálculo, garantindo uma verdadeira “pedalada fiscal”. Mesmo com a confirmação da decisão pelo próprio TJES, o presidente Annibal nunca se valeu da sentença como uma espécie de “muleta”. Pelo contrário, sempre adotou a forma de cálculo exigida pelas cortes de Contas.
 
Em seu discurso de posse, no dia 17 de dezembro de 2015, o presidente Annibal alertava que o País vivia sua mais grave crise política/econômica e de que o próximo biênio do Poder Judiciário estadual talvez fosse o “mais difícil e mais doloroso de todos os tempos”. Sobre a crise nacional, ela persiste e não dá sinais de trégua, porém, o tribunal caminha para deixar seus dias mais difíceis para trás.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia

Hartung, o suspense