Seculo

 

Mulheres de PMs fazem protesto em frente ao Palácio Anchieta


16/03/2017 às 15:38
 
Um grupo de mulheres e familiares de policiais militares realiza um protesto na tarde desta quinta-feira (16) em frente ao Palácio Anchieta, no Centro de Vitória. O ato ocorre no mesmo momento em que está acontecendo uma audiência de conciliação no Fórum de Vitória, proposta pelo Ministério Público Estadual (MPES), entre representantes do governo e dos PMs. As manifestantes não reconhecem a legitimidade da reunião e o protesto seria uma forma de expor a insatisfação pelo encaminhamento dado pelo governo Paulo Hartung ao impasse.

A reunião entre o governo e representantes dos militares foi um dos pontos do acordo preliminar que pôs fim à paralisação da PM no Espírito Santo, firmado no último dia 25 – quando a greve já durava 22 dias. Inicialmente, o Ministério Público do Trabalho (MPT) se colocou como mediador na tentativa de conciliação entre as partes. No entanto, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vetou a participação do MPT e decidiu que o MP estadual seria competente para mediar as negociações.

Na decisão pela realização da audiência de conciliação, o juiz da 3ª Vara da Fazenda Pública, Mário da Silva Nunes Neto, notificou representantes do governo e de associações militares, porém, condicionou a participação de familiares e amigos de PMs responsáveis pelos piquetes em frente aos quarteis a sua identificação. Esse fato foi visto com reservas pelo grupo de mulheres, que teme sofrer represálias. Elas alegam ainda que o movimento é horizontal, por isso, no molde proposto, a audiência não tem legitimidade como uma forma de mediação.  

O advogado da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Rafael Pimentel, que chegou a participar da mediação inicial feita pelo MPT, foi barrado de participar da audiência na Justiça comum. O magistrado teria alegado que a entidade não seria parte no processo, desta forma, o advogado só poderia participar caso fosse representante de alguma mulher ou do grupo – desde que suas integrantes fossem identificadas, algo que é rechaçado por elas.

Após o ato em frente à sede do Executivo estadual – que fica a poucos metros do Fórum –, o grupo realiza uma interdição parcial da Avenida Jerônimo Monteiro, no esquema “pare e siga”. O trânsito no local é lento. A Guarda Municipal está acompanhando o protesto.
 
(Mais informações em breve)

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Missão socialista

Assim como Casagrande, deputado Paulo Foletto mostra que tem sola de sapato para gastar até eleição de 2018

OPINIÃO
Editorial
Não tem almoço nem jantar grátis
Hartung convidou para o banquete palaciano apenas os fiéis que pagaram o jantar ao longo do semestre. Afinal, cada voto a favor do governo tem um valor
Piero Ruschi
Festa de fachada
Comemoração da Sambio evidencia que o Museu Mello Leitão segue precisando de verdadeiros amigos
Renata Oliveira
E agora, Rose?
A senadora sempre trilhou seu caminho político sozinha, mas disputar o governo do Estado é diferente
Geraldo Hasse
Sr. Rolando Boldrin, o Brasil de verdade
A biografia do apresentador de TV louva a autêntica cultura caipira, que vai do baião ao samba
Caetano Roque
Nada de festa
Enquanto não houver democracia interna nos sindicatos não há motivo para comemorar a perpetuações no poder
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

O presente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Temendo insatisfação da tropa, governo cancela evento para promoções de policiais militares

Não tem almoço nem jantar grátis

Disputa entre Temer e Maia por insatisfeitos do PSB afeta partido no Estado

Pesquisa vai avaliar a qualidade do acesso às informações nos órgãos do Judiciário

Missão socialista