Seculo

 

Mulheres de PMs fazem protesto em frente ao Palácio Anchieta


16/03/2017 às 15:38
 
Um grupo de mulheres e familiares de policiais militares realiza um protesto na tarde desta quinta-feira (16) em frente ao Palácio Anchieta, no Centro de Vitória. O ato ocorre no mesmo momento em que está acontecendo uma audiência de conciliação no Fórum de Vitória, proposta pelo Ministério Público Estadual (MPES), entre representantes do governo e dos PMs. As manifestantes não reconhecem a legitimidade da reunião e o protesto seria uma forma de expor a insatisfação pelo encaminhamento dado pelo governo Paulo Hartung ao impasse.

A reunião entre o governo e representantes dos militares foi um dos pontos do acordo preliminar que pôs fim à paralisação da PM no Espírito Santo, firmado no último dia 25 – quando a greve já durava 22 dias. Inicialmente, o Ministério Público do Trabalho (MPT) se colocou como mediador na tentativa de conciliação entre as partes. No entanto, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vetou a participação do MPT e decidiu que o MP estadual seria competente para mediar as negociações.

Na decisão pela realização da audiência de conciliação, o juiz da 3ª Vara da Fazenda Pública, Mário da Silva Nunes Neto, notificou representantes do governo e de associações militares, porém, condicionou a participação de familiares e amigos de PMs responsáveis pelos piquetes em frente aos quarteis a sua identificação. Esse fato foi visto com reservas pelo grupo de mulheres, que teme sofrer represálias. Elas alegam ainda que o movimento é horizontal, por isso, no molde proposto, a audiência não tem legitimidade como uma forma de mediação.  

O advogado da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Rafael Pimentel, que chegou a participar da mediação inicial feita pelo MPT, foi barrado de participar da audiência na Justiça comum. O magistrado teria alegado que a entidade não seria parte no processo, desta forma, o advogado só poderia participar caso fosse representante de alguma mulher ou do grupo – desde que suas integrantes fossem identificadas, algo que é rechaçado por elas.

Após o ato em frente à sede do Executivo estadual – que fica a poucos metros do Fórum –, o grupo realiza uma interdição parcial da Avenida Jerônimo Monteiro, no esquema “pare e siga”. O trânsito no local é lento. A Guarda Municipal está acompanhando o protesto.
 
(Mais informações em breve)

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Renata Oliveira
Dados x discurso
Como pode o Estado ser um exemplo para o País em gestão, se não tem potencial de mercado e solidez fiscal?
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Uma das questões que mais se discute no partido é a necessidade de se diferenciar do PT'

Ricardo Ferraço circula pelo sul do Estado ao lado de César Colnago

CPI dos Guinchos volta a mirar rotativo de Guarapari

Ex-prefeito de Alegre é absolvido em ação de improbidade

Prefeitura de Vila Velha dá início ao processo de eleição direta nas escolas