Seculo

 

Contrato emergencial para recolhimento de lixo vira alvo de suspeitas em Aracruz


16/03/2017 às 16:10
A mudança na empresa responsável pelo serviço de recolhimento de lixo é alvo de suspeitas em Aracruz, na região litoral norte. Em três meses de gestão, o prefeito Jones Cavaglieri (SD) rescindiu, de forma unilateral, o acordo com a antiga prestadora do serviço (Corpus Saneamento e Obras Ltda.) e assinou um acordo emergencial com a empresa SA Serviços de Limpeza e Soluções Ambientais Eireli. Além da ausência de licitação, chama atenção o reajuste de mais de R$ 800 mil por mês no valor pago.

De acordo com dados do Portal da Transferência do município, o contrato anterior com a Corpus Saneamento (número 175/2016) tinha o valor mensal de R$ 1,64 milhão. Já o acordo com a SA Serviços, desconhecida no mercado, tem o valor de R$ 2,49 milhões por mês, conforme o resumo do contrato (009/2017), publicado no Diário Oficial da última quinta-feira (9). A contratação tem prazo de 180 dias, contados a partir da emissão da ordem de serviço – podendo ainda ser prorrogado pela prefeitura.

O extrato do termo de “rescisão amigável” do contrato com a Corpus Saneamento foi publicado no último dia 2. Consta que a justificativa para a medida foi o descumprimento das determinações contidas no Termo de Referência e do Contrato, no entendimento da atual gestão municipal. Já a empresa se manifestou “entendendo que está em conformidade com o plano de trabalho aprovado pela administração anterior e informou não ser possível adequar a prestação dos serviços ao entendimento da atual gestão, razão pela qual a mesma requereu alternativamente a rescisão amigável do contrato”.

Fontes próximas ao caso afirmam que a divergência está relacionada ao total de recursos empregados pela antiga empresa. A alegação era de que o contrato previa 146 funcionários, enquanto a empresa usava 80. Já o número de caminhões seria de oito, mas havia apenas quatro em uso, além da previsão de seis motocicletas que não estariam sendo utilizadas. Contudo, a empresa estaria prestando os serviços corretamente, tanto que hoje existem relatos de locais sem recolhimento de lixo após a mudança de empresa.

Em relação ao aumento nos gastos com o serviço, a explicação seria, de acordo com essas fontes, a diferença no total de recursos alocados pela nova empresa em relação à antiga contratada. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Apertem os cintos...

Senadora Rose de Freitas, a ‘mãe do aeroporto’, corre o risco de perder o melhor da festa para Paulo Hartung

OPINIÃO
Editorial
Disciplina X Autoritarismo
Hartung tem sido um péssimo exemplo para a tropa da PM no que diz respeito ao cumprimento das leis
Gustavo Bastos
Sobre um pesadelo
“Nos meus oito ou nove anos de idade, eu tinha obsessão pelos diferentes nomes dados ao tinhoso”
Roberto Junquilho
Gestão hi-tech
O prefeito de Vitória, como seguidor da modernidade, agora virou ator de peças publicitárias
Geraldo Hasse
Cuba, Congo e Bolívia
Em livro extraordinário, o jornalista Flávio Tavares exuma o cadáver do mito Che Guevara
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Prefeitura vende o Saldanha da Gama para a Fecomércio

Amaro Neto fica no Solidariedade e confirma disputa ao Senado

Comunidade vence Hartung: abertas matriculas no ensino médio noturno

Cuba, Congo e Bolívia

O último adeus do Adiós, Me Voy