Seculo

 

USP vai examinar presença de metais na população atingida pelo crime da Samarco-Vale-BHP


17/03/2017 às 17:27
Uma equipe da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto ficará por dez dias no litoral norte do Espírito Santo realizando coletas de sangue, urina e cabelos para uma “Avaliação da exposição a metais em moradores residentes em áreas atingidas pelo rompimento da barragem de rejeitos de minério de ferro em Mariana (MG)”.
 
As coletas começaram nesta sexta-feira (17) em Regência, distrito de Linhares, e se encerram no dia 26 em Campo Grande, distrito de São Mateus, também no norte do Estado. Além do material humano, serão coletadas amostras de água de beber e de torneira e de alimentos consumidos pela população, para investigar as possíveis fontes de exposição aos metais.
 
Os participantes voluntários também respondem a um questionário sobre seus hábitos do dia a dia. A expectativa é de receber a adesão de pelo menos 150 voluntários nas quatro comunidades: Regência, Areal e Povoação, em Linhares, e Campo Grande, em São Mateus.
 
Os resultados da pesquisa – que tem como médico responsável Fernando Hajenius Aché de Freitas –, serão apresentados entre setembro e novembro deste ano, pessoalmente para os participantes e também na forma de palestras/reuniões em grupo. O objetivo é auxiliar em medidas que possam minimizar a exposição dos moradores da região aos metais encontrados no ambiente.
 
Omissão
 
O sociólogo e ativista Hauley Valim, um dos responsáveis pela vinda da equipe da USP à região, diz que, confirmada a presença de metais na população, será preciso “repensar a nossa relação com o ambiente e o alimento”. E os resultados também podem servir de ferramenta, jurídica até, na reivindicação de tratamento médico diferenciado para a população atingida.
 
Hauley lembra que o último laudo sobre a contaminação do pescado saiu há mais de um ano e ninguém sabe dizer se a contaminação está crescente, decrescente ou estável. Os órgãos de saúde pública, por sua vez, não produziram nenhum estudo ou atendimento especial à população atingida, nem em esfera municipal, estadual ou federal. Feridas na pele, diarréias e outros problemas de saúde que surgiram ou aumentaram após a chegada da lama da Samarco-Vale-BHP na região, continuam sem atenção, tratamento e resposta por parte do Estado e das empresas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Tapa na cara'

Na semana do Dia do Professor, os homenageados da Assembleia: Hartung, Haroldo Rocha e a vitrine Escola Viva. É mole ou quer mais?

OPINIÃO
Editorial
Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio
Hartung tem feito publicidade nacional para mostrar que o ES é o novo paraíso para investidores. Esconde, porém, os problemas internos, que não são poucos
Renata Oliveira
Hartung fica?
O tempo passa e nada de Hartung deixar o PMDB. Já tem gente apostando que ele não sai do partido
JR Mignone
Meio a meio
Seria esta a solução para ter uma programação de rádio com a participação de emissora de fora?
Geraldo Hasse
Está começando o ano 2018
Tudo indica que o único evento positivo do próximo ano será a Copa do Mundo
Caetano Roque
Sindicalismo unilateral
O processo de debate no movimento sindical deve ser participativo, mas não é isso que vem acontecendo no país
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Tapa na cara'

Está começando o ano 2018

Ricardo Ferraço tenta construir imagem de ficha limpa e prega tolerância zero à corrupção

Mais veneno para o Espírito Santo

Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio