Seculo

 

USP vai examinar presença de metais na população atingida pelo crime da Samarco-Vale-BHP


17/03/2017 às 17:27
Uma equipe da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto ficará por dez dias no litoral norte do Espírito Santo realizando coletas de sangue, urina e cabelos para uma “Avaliação da exposição a metais em moradores residentes em áreas atingidas pelo rompimento da barragem de rejeitos de minério de ferro em Mariana (MG)”.
 
As coletas começaram nesta sexta-feira (17) em Regência, distrito de Linhares, e se encerram no dia 26 em Campo Grande, distrito de São Mateus, também no norte do Estado. Além do material humano, serão coletadas amostras de água de beber e de torneira e de alimentos consumidos pela população, para investigar as possíveis fontes de exposição aos metais.
 
Os participantes voluntários também respondem a um questionário sobre seus hábitos do dia a dia. A expectativa é de receber a adesão de pelo menos 150 voluntários nas quatro comunidades: Regência, Areal e Povoação, em Linhares, e Campo Grande, em São Mateus.
 
Os resultados da pesquisa – que tem como médico responsável Fernando Hajenius Aché de Freitas –, serão apresentados entre setembro e novembro deste ano, pessoalmente para os participantes e também na forma de palestras/reuniões em grupo. O objetivo é auxiliar em medidas que possam minimizar a exposição dos moradores da região aos metais encontrados no ambiente.
 
Omissão
 
O sociólogo e ativista Hauley Valim, um dos responsáveis pela vinda da equipe da USP à região, diz que, confirmada a presença de metais na população, será preciso “repensar a nossa relação com o ambiente e o alimento”. E os resultados também podem servir de ferramenta, jurídica até, na reivindicação de tratamento médico diferenciado para a população atingida.
 
Hauley lembra que o último laudo sobre a contaminação do pescado saiu há mais de um ano e ninguém sabe dizer se a contaminação está crescente, decrescente ou estável. Os órgãos de saúde pública, por sua vez, não produziram nenhum estudo ou atendimento especial à população atingida, nem em esfera municipal, estadual ou federal. Feridas na pele, diarréias e outros problemas de saúde que surgiram ou aumentaram após a chegada da lama da Samarco-Vale-BHP na região, continuam sem atenção, tratamento e resposta por parte do Estado e das empresas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Choque

Como diz o ditado, dois bicudos não se beijam. É isso mesmo, Fabrício Gandini?

OPINIÃO
Editorial
Política de encarceramento
Não adianta construir novos presídios. É preciso investir em políticas públicas que sejam capazes de prevenir a criminalidade
Renata Oliveira
Fica, gente!
Hartung tem se esforçado para manter ao seu lado os três grandes partidos do Estado: PT, PSDB e PDT
Ivana Medeiros Zon
Mude de vida
Pensar na influência do comportamento e dos hábitos individuais, incluindo os de consumo, vai muito além do que podemos imaginar.
Nerter Samora
Um novo Ministério Público
Renovação no quadro de procuradores de Justiça é oportunidade para novos grupos politicos
JR Mignone
A volta da reza
Em 2013 escrevi sobre o ''Poder da Reza''. Hoje volto com ela, pois rezar, orar, falar com Deus, meditar, seja como for, nunca é demais
Caetano Roque
Briga desleal
Com a mídia na mão, o capital consegue fazer com que o cidadão acredite nas mentiras que eles querem
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Choque

Ferraço afirma que contrato de antecipação de royalties foi 'malfeito'

Presos do semiaberto vão trabalhar em obras e serviços públicos da Prefeitura de Colatina

Dúvida sobre relator do Caso Alexandre pode adiar julgamento de recurso no TJES

Da Vitória faz discurso apaziguador, mas mantém posição independente na Assembleia