Seculo

 

Ausência de mortes não torna o ES modelo de gestão prisional


18/03/2017 às 18:05
Nos primeiros dias deste ano, o País se chocou com as mortes ocorridas no sistema prisional, especialmente no Norte e Nordeste. O governador Paulo Hartung (PMDB), que leva a sério a máxima dos almanaques de gestão transformar crise em oportunidade, se apressou para emplacar a gestão dos presídios capixabas como modelo de excelência. 
 
Embalada pelo “fenômeno” Hartung como modelo nacional de ajuste fiscal, a imprensa rapidamente “comprou” a ideia. Reportagens enalteceram a experiência capixaba em gestão de presídios e o inacreditável aconteceu. 
 
O governador, que no seu segundo mandato teve sua imagem internacionalmente abalada devido a violações no sistema prisional, com direito a execuções, decapitações e esquartejamentos, conseguiu o improvável, tornou-se modelo de gestão em presídios, esmaecendo um pouco a imagem que ficara seis anos atrás gravada na sociedade de “senhor das masmorras”.
 
Mas o Comitê Estadual de Prevenção e Erradicação da Tortura do Estado (Cepet-ES) mostra que o Espírito Santo está longe de ser referência em gestão prisional. O Cepet, por meio de nota, esclareceu que a ausência de mortes nas unidades prisionais capixabas não é significa que as violações de direitos cessaram. 
 
“A não ocorrência de mortes não pode ser considerada parâmetro para o destaque do sistema prisional do Espírito Santo como modelo a ser seguido nacionalmente, afinal, trata-se de obrigação referida na custódia do Estado. Afinal, a integridade física é uma garantia constitucional e internacional básica de qualquer pessoa, esteja ela ou não em situação de encarceramento”, sustenta o Cepet.
 
O comitê reconhece que o Estado promoveu melhorias na estrutura física das unidades prisionais nos últimos anos. “A realidade do sistema prisional não é aquela constatada pelo Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) em 2009 e denunciada a organismos internacionais. Entretanto, esse avanço não se confunde com a implementação de uma política prisional que garante a dignidade da pessoa humana e as determinações do ordenamento jurídico prático”, diz outro trecho da nota.
 
O comitê tem relatado diversos episódios de violações no sistema prisional, como as recentes greves de fome ocorridas nas unidades prisionais da Grande Vitória. Os presos têm se queixado da não efetivação de direitos nas unidades prisionais. 
 
O Cepet também registra que o CNPCP, em visita realizada em 2016, constatou irregularidades como o baixo número de inspetores penitenciários, deficiência no fornecimento de equipamentos de trabalho, defasagem salarial da categoria, e a superlotação nas unidades, que também recai sobre os trabalhadores do sistema prisional. “No que tange aos sentenciados, observaram-se questões ligadas à superlotação, irregularidades quanto ao banho de sol, carência de atividades de trabalho e estudo, reclamações quanto aos poucos instrumentos disponíveis para manutenção dos vínculos afetivos e familiares, bem como de atendimentos de saúde”, documenta o Cepet.
O comitê também relata indícios de agressões, tortura e tratamento degradantes praticados por inspetores penitenciários contra presos, sendo eles responsavelmente levados a conhecimento das autoridades competentes. 
 
Na conclusão da nota sobre o sistema prisional, o Cepet destaca que a realidade ainda está muito aquém dos artigos previstos na Lei de Execução Penal (Lep). “Apontar a situação do sistema prisional capixaba como ‘modelo’ apenas reforça o quão falida é a política criminal de ressocialização de presos no Brasil”, finaliza a nota. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Choque

Como diz o ditado, dois bicudos não se beijam. É isso mesmo, Fabrício Gandini?

OPINIÃO
Editorial
Política de encarceramento
Não adianta construir novos presídios. É preciso investir em políticas públicas que sejam capazes de prevenir a criminalidade
Renata Oliveira
Fica, gente!
Hartung tem se esforçado para manter ao seu lado os três grandes partidos do Estado: PT, PSDB e PDT
Ivana Medeiros Zon
Mude de vida
Pensar na influência do comportamento e dos hábitos individuais, incluindo os de consumo, vai muito além do que podemos imaginar.
Nerter Samora
Um novo Ministério Público
Renovação no quadro de procuradores de Justiça é oportunidade para novos grupos politicos
JR Mignone
A volta da reza
Em 2013 escrevi sobre o ''Poder da Reza''. Hoje volto com ela, pois rezar, orar, falar com Deus, meditar, seja como for, nunca é demais
Caetano Roque
Briga desleal
Com a mídia na mão, o capital consegue fazer com que o cidadão acredite nas mentiras que eles querem
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Choque

Ferraço afirma que contrato de antecipação de royalties foi 'malfeito'

Presos do semiaberto vão trabalhar em obras e serviços públicos da Prefeitura de Colatina

Dúvida sobre relator do Caso Alexandre pode adiar julgamento de recurso no TJES

Da Vitória faz discurso apaziguador, mas mantém posição independente na Assembleia