Seculo

 

Problemas externos


18/03/2017 às 18:47

O governador Paulo Hartung (PMDB) tem criado um clima de instabilidade ao não sinalizar qual caminho vai tomar em 2018. A intenção seria a de observar os movimentos do mercado para na reta final escolher o melhor espaço para se encaixar e movimentar suas peças no tabuleiro eleitoral. Mas isso não é tão simples.

Com a mexida traumática do cenário nacional e a efervescência em torno do pós-Temer, os atores políticos do Estado devem ficar presos aos interesses dos projetos nacionais. A movimentação do PSDB no Espírito Santo, com base no desempenho do partido em 2016, intervindo nas municipais e traçando um planejamento estratégico para 2018 é um exemplo disso.

Não caberá às lideranças locais dos partidos buscar as melhores acomodações locais, sem qualquer relação com os interesses nacionais. O PSDB tem um objetivo claro para 2018 e com as incertezas colocadas no mercado, cada voto será importante e cada aliança será observada com muito cuidado.

O PT também vem se movimentando nacionalmente e localmente. A mudança no processo de eleição interno também mostra a preocupação com as composições. O partido pode ter Lula na disputa presidencial e para isso vai precisar de palanques fortes em todos os Estados. O partido precisa se reconstruir no Estado, não caberá mais privilegiar o interesse de um grupo dentro do partido em detrimento do projeto nacional. O PT não tem mais o Poder e por isso, precisa voltar a traçar estratégias em todos os estados.

O forte e estratégico PDT também está no jogo. O partido trabalha nacionalmente a candidatura do imprevisível Ciro Gomes. A derrota de Sérgio Vidigal no município da Serra pode enfraquecê-lo com a nacional na hora de fazer as costuras e as articulações devem vir de cima para baixo.

Até mesmo a Rede, do prefeito Audifax Barcelos, tem projeto nacional e vai se articular para garantir a Marina Silva o bom espaço que ela sempre teve no Espírito Santo, e isso pode não passar pelo palanque de Hartung. Passa sim pelo palanque de Renato Casagrande (PSB), que pode se fortalecer nisso, embora sua complicada relação com o PPS, deixe ainda mais obscuros os caminhos para 2018.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Equilibrista

Reestruturação de Luciano Rezende joga luz, mais uma vez, na delimitação de espaços de aliados da linha de frente, Gandini e Sérgio de Sá

OPINIÃO
Editorial
Morta-viva
Enfim, cumpre-se o destino óbvio no País das relações promíscuas: a Samarco/Vale-BHP tem as primeiras licenças ambientais para voltar a operar
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Roberto Junquilho
A política e os poker face
Transferência de atribuições de César Colnago deixa o terreno limpo para movimentações de 2018
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Destino e acaso

A política e os poker face

Deputados querem explicações do secretário de Meio Ambiente sobre licenças à ETE da Vale

Equilibrista

Governo reduz atribuições de Colnago e cria sistema de políticas sobre drogas