Seculo

 

Problemas externos


18/03/2017 às 18:47

O governador Paulo Hartung (PMDB) tem criado um clima de instabilidade ao não sinalizar qual caminho vai tomar em 2018. A intenção seria a de observar os movimentos do mercado para na reta final escolher o melhor espaço para se encaixar e movimentar suas peças no tabuleiro eleitoral. Mas isso não é tão simples.

Com a mexida traumática do cenário nacional e a efervescência em torno do pós-Temer, os atores políticos do Estado devem ficar presos aos interesses dos projetos nacionais. A movimentação do PSDB no Espírito Santo, com base no desempenho do partido em 2016, intervindo nas municipais e traçando um planejamento estratégico para 2018 é um exemplo disso.

Não caberá às lideranças locais dos partidos buscar as melhores acomodações locais, sem qualquer relação com os interesses nacionais. O PSDB tem um objetivo claro para 2018 e com as incertezas colocadas no mercado, cada voto será importante e cada aliança será observada com muito cuidado.

O PT também vem se movimentando nacionalmente e localmente. A mudança no processo de eleição interno também mostra a preocupação com as composições. O partido pode ter Lula na disputa presidencial e para isso vai precisar de palanques fortes em todos os Estados. O partido precisa se reconstruir no Estado, não caberá mais privilegiar o interesse de um grupo dentro do partido em detrimento do projeto nacional. O PT não tem mais o Poder e por isso, precisa voltar a traçar estratégias em todos os estados.

O forte e estratégico PDT também está no jogo. O partido trabalha nacionalmente a candidatura do imprevisível Ciro Gomes. A derrota de Sérgio Vidigal no município da Serra pode enfraquecê-lo com a nacional na hora de fazer as costuras e as articulações devem vir de cima para baixo.

Até mesmo a Rede, do prefeito Audifax Barcelos, tem projeto nacional e vai se articular para garantir a Marina Silva o bom espaço que ela sempre teve no Espírito Santo, e isso pode não passar pelo palanque de Hartung. Passa sim pelo palanque de Renato Casagrande (PSB), que pode se fortalecer nisso, embora sua complicada relação com o PPS, deixe ainda mais obscuros os caminhos para 2018.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia

Hartung, o suspense