Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Problemas externos


18/03/2017 às 18:47

O governador Paulo Hartung (PMDB) tem criado um clima de instabilidade ao não sinalizar qual caminho vai tomar em 2018. A intenção seria a de observar os movimentos do mercado para na reta final escolher o melhor espaço para se encaixar e movimentar suas peças no tabuleiro eleitoral. Mas isso não é tão simples.

Com a mexida traumática do cenário nacional e a efervescência em torno do pós-Temer, os atores políticos do Estado devem ficar presos aos interesses dos projetos nacionais. A movimentação do PSDB no Espírito Santo, com base no desempenho do partido em 2016, intervindo nas municipais e traçando um planejamento estratégico para 2018 é um exemplo disso.

Não caberá às lideranças locais dos partidos buscar as melhores acomodações locais, sem qualquer relação com os interesses nacionais. O PSDB tem um objetivo claro para 2018 e com as incertezas colocadas no mercado, cada voto será importante e cada aliança será observada com muito cuidado.

O PT também vem se movimentando nacionalmente e localmente. A mudança no processo de eleição interno também mostra a preocupação com as composições. O partido pode ter Lula na disputa presidencial e para isso vai precisar de palanques fortes em todos os Estados. O partido precisa se reconstruir no Estado, não caberá mais privilegiar o interesse de um grupo dentro do partido em detrimento do projeto nacional. O PT não tem mais o Poder e por isso, precisa voltar a traçar estratégias em todos os estados.

O forte e estratégico PDT também está no jogo. O partido trabalha nacionalmente a candidatura do imprevisível Ciro Gomes. A derrota de Sérgio Vidigal no município da Serra pode enfraquecê-lo com a nacional na hora de fazer as costuras e as articulações devem vir de cima para baixo.

Até mesmo a Rede, do prefeito Audifax Barcelos, tem projeto nacional e vai se articular para garantir a Marina Silva o bom espaço que ela sempre teve no Espírito Santo, e isso pode não passar pelo palanque de Hartung. Passa sim pelo palanque de Renato Casagrande (PSB), que pode se fortalecer nisso, embora sua complicada relação com o PPS, deixe ainda mais obscuros os caminhos para 2018.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
No divã

PDT e PSDB, alvos de ingerência de Hartung, estão em turbulência interna. Que o diga Euclério e Majeski...

OPINIÃO
Renata Oliveira
No rastro
Quando o governador Paulo Hartung retornar de Paris, vai enfrentar um Sérgio Majeski ainda mais incômodo
Caetano Roque
Venceu o pragmatismo
Ao reeleger o grupo que se perpetua na direção, PT perde um pouco mais de sua ideologia
Geraldo Hasse
Seremos todos boias-frias?
A palavra reforma, sempre associada a avanços, está sendo aplicada a um retrocesso
JR Mignone
Sérgio Bermudes, sempre atual
''Existe uma crise no Judiciário, que vai da falta de juízes, da infraestrutura adequada, até a postulação e prestação precárias''
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna – parte II: early years na ilha
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A sombra
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Euclério Sampaio abre fogo contra presidente regional do PDT

Embate entre Majeski e Colnago ainda repercute na Assembleia

Violações no sistema socioeducativo do Estado são novamente denunciadas à OEA

Justiça condena ex-deputado federal e ex-prefeito de Marilândia

Colibris desaparecem na cidade e no Estado que os têm como símbolos