Seculo

 

Sem definição da Justiça Eleitoral, duas cidades seguem sendo governadas por interinos


19/03/2017 às 18:54

No dia 10 de abril, os prefeitos eleitos em outubro completam 100 dias de mandato, mas os municípios de Muqui e em Fundão or presidentes seguem sendo governados interinamente pelos  presidentes das Câmaras Municipais. Sem definição da Justiça Eleitoral, os municípios aguardam para saber se terão que voltar às urnas ou poderão empossar os eleitos. As lideranças políticas de cada uma das cidades se movimentam de forma diferente.

Em Fundão, Anderson Pedroni (PSD), que recebeu mais de 80% dos votos do município em outubro último, pode conseguir reverter a situação que o deixou impugnado na disputa do ano passado. Ele conseguiu anular a sessão da Câmara que rejeitou suas contas referentes a 2011, quando Pedroni assumira interinamente a prefeitura.

Pedroni teve a candidatura impugnada com base na lei ficha limpa. Com a anulação da decisão da Câmara da época, agora vai apresentar suas justificativas para um novo julgamento.  Como tem maioria no Legislativo municipal, a probabilidade de ter as contas aprovadas é grande. Paralelamente já pediu a suspensão do recurso que corre no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em Muqui, a situação é diferente. O candidato eleito, o ex-prefeito Frei Paulão (PSB), aguarda a decisão sobre um agravo regimental no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Frei Paulão teve 43% dos votos do município, mas teve a candidatura impugnada por rejeição das contas referentes a 2008, quando era prefeito do município.

Mas a classe política não acredita mais em vitória do socialista na Justiça Eleitoral e já vem se movimentando para uma nova eleição na cidade. Renato Prúcoli (PTB), que foi vice-prefeito na gestão passada, e assumiu o restante do mandato após a morte do ex-prefeito Aluizio Filgueiras (PSDB), é um dos nomes mais cotados para a nova disputa.

Outro nome cotado no município é o do ex-prefeito Nicolau Esperidião (PDT). O grupo dele havia indicado o vice na chapa de Frei Paulão e pode receber o apoio do prefeito impugnado. Isso se o PSB lançar um de seus três vereadores ao cargo: Zé Marcos, Cacalo ou Rita Maroni.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Choque

Como diz o ditado, dois bicudos não se beijam. É isso mesmo, Fabrício Gandini?

OPINIÃO
Editorial
Política de encarceramento
Não adianta construir novos presídios. É preciso investir em políticas públicas que sejam capazes de prevenir a criminalidade
Renata Oliveira
Fica, gente!
Hartung tem se esforçado para manter ao seu lado os três grandes partidos do Estado: PT, PSDB e PDT
Ivana Medeiros Zon
Mude de vida
Pensar na influência do comportamento e dos hábitos individuais, incluindo os de consumo, vai muito além do que podemos imaginar.
Nerter Samora
Um novo Ministério Público
Renovação no quadro de procuradores de Justiça é oportunidade para novos grupos politicos
JR Mignone
A volta da reza
Em 2013 escrevi sobre o ''Poder da Reza''. Hoje volto com ela, pois rezar, orar, falar com Deus, meditar, seja como for, nunca é demais
Caetano Roque
Briga desleal
Com a mídia na mão, o capital consegue fazer com que o cidadão acredite nas mentiras que eles querem
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

pelas beiras!
Flânerie

Manuela Neves

Carmélia, um pouco mais dela
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Deputado vai propor CPI para apurar crime da Samarco
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre sustos e suspresas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Choque

Ferraço afirma que contrato de antecipação de royalties foi 'malfeito'

Presos do semiaberto vão trabalhar em obras e serviços públicos da Prefeitura de Colatina

Dúvida sobre relator do Caso Alexandre pode adiar julgamento de recurso no TJES

Da Vitória faz discurso apaziguador, mas mantém posição independente na Assembleia