Seculo

 

Hartung adota investida agressiva para manter controle da Amunes


20/03/2017 às 15:15
Chamou atenção dos meios políticos, o tom dado pelo governador Paulo Hartung (PMDB) à disputa pela presidência da Associação dos Municípios do Estado (Amunes), na entrevista publicada pelo jornal A Tribuna neste domingo (19). Isso porque a estratégia mais agressiva não combina com o perfil do governador, que sempre atuou mais nos bastidores, evitando confrontos diretos.
 
“Nós nunca aceitamos que a Amunes fosse trampolim de interesse político para projeto de A, B ou C. É a mesma postura que temos hoje, está claro?”, disse. Como a disputa está polarizada na entidade e a candidatura do prefeito de Linhares, Guerino Zanon (PMDB), é identificada como uma candidatura palaciana, o recado foi entendido no grupo do prefeito de Viana, Gilson Daniel (PV).
 
Segundo interlocutores, o governo teria convicção de que o lançamento da candidatura de Zanon causaria, automaticamente, o esvaziamento do palanque do prefeito de Viana, o que não aconteceu. 
 
Desde o registro das duas chapas, Hartung tem encontrado dificuldades em conseguir a maioria dos votos para a candidatura de Zanon. Pelas contas dos observadores, Gilson Daniel teria uma vantagem de oito votos sobre o peemedebista.
 
A chapa de Gilson Daniel vem sendo identificada como ligada ao grupo do ex-governador Renato Casagrande (PSB). Isso porque, em 2014, ele liderou um movimento de prefeitos de apoio à reeleição do socialista. Após a eleição de Hartung, o prefeito de Viana buscou aproximação com o governador Paulo Hartung. Mas ele não teria a confiança do peemedebista.
 
A preocupação palaciana, porém, está voltada para outra liderança com capilaridade histórica no interior, Rose de Freitas (PMDB). A senadora já sinalizou disponibilidade para a disputa ao governo em 2018 e tem um perfil municipalista, que sairia muito fortalecido caso seu candidato vença a disputa da entidade.
 
Ainda na entrevista, Hartung afirma a parceria com a Amunes desde 2003, quando chegou ao governo pela primeira vez. Hartung destacou que a entidade não tem perfil político, e seu papel tem sido de mediação entre os municípios e o Estado.
 
Isso aconteceu até aqui, porém, porque o governo não recebeu cobranças da Amunes, que funcionou como anteparo dos municípios. O cenário de unanimidade inibiu as entidades de buscarem confronto com o governo. Com a falta de apoio e a situação econômica calamitosa dos municípios, a tendência é a busca de fortalecimento da entidade como instrumento de articulação dos prefeitos. Com um aliado na entidade, o governador conseguiria manter o controle dessa classe.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado