Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Justiça vai examinar qualidade de quentinhas servidas em presídios capixabas


20/03/2017 às 15:52
A Justiça vai avaliar a qualidade da alimentação fornecida pela Viesa aos presos no Espírito Santo. A decisão é da juíza Heloísa Cariello, da 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual, que também deferiu a produção de provas quanto à qualidade dos serviços prestados pela empresa. O Estado e a Viesa são alvos de uma ação civil pública movida pela Ordem dos Advogados do Brasil no Espírito Santo (OAB-ES) e o Ministério Público Estadual (MPES) por supostas irregularidades no contrato emergencial, firmado no governo passado.

Neste processo (0042745-70.2013.8.08.0024), os autores da denúncia acusam a empresa de fornecer refeições estragadas para presos recolhidos no sistema prisional capixaba. A ação teve como base o relatório da Vigilância Sanitária que concluiu a falta de condições sanitárias que garantiriam a qualidade e segurança dos alimentos preparados em duas unidades da Viesa, localizadas nos bairros Jardim Tropical e Novo Horizonte, no município da Serra.

Na época do ajuizamento do processo, no final de 2013, o juízo de 1º grau acolheu o pedido de liminar para suspender a execução do contrato da Viesa. Naquela oportunidade, o Tribunal de Justiça manteve a decisão após o pedido de reconsideração feito pelo Estado. Os sócios da empresa e o ex-secretário de Justiça, Ângelo Roncalli, chegaram a responder uma ação de improbidade pelo suposto “escândalo das quentinhas”, mas acabaram sendo absolvidos da acusação de fraude em licitação.

Já a ação civil pública trata da qualidade da alimentação fornecida pela empresa. A Vigilância Sanitária apontou em seu relatório que no setor de armazenamento dos alimentos secos foram constatadas fezes de roedores nos cantos de depósito e entre os paletes usados como suportes para acondicionar os produtos; foram identificados, também, produtos com as embalagens plásticas avariadas sendo algumas provocadas por roedores, latas de alimentos em conserva amassadas e oxidadas, o local apresentava-se desorganizado com objetos pessoais, peças de uniformes jogadas em cima dos produtos alimentícios, rotinas de higienização deficientes, prateleiras apresentando ferrugem e presença de infiltração.

Também foram encontrados problemas graves nas câmaras de resfriamento e congelamento de alimentos, assim como na área externa e de açougue. Já na área de salada, a tábua de corte aprestava fungos, havia presença de moscas, ausência de água nos lavatórios, excesso de umidade, paredes com sujidade acumulada (restos de processos de produção de dias anteriores) e infiltrações nas paredes.

Mas apesar da constatação das irregularidades, a Vigilância Sanitária à época não optou pela interdição sob o argumento de que seria inviável a contratação de outro serviço para atender imediatamente a prestação de serviço, sendo que a interdição seria um risco de caos no sistema prisional, podendo causar danos irreparáveis. A intervenção no serviço só veio após a ação da OAB e do Ministério Público.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ensaiado

Mudança de planos de Ricardo Ferraço na condução da Reforma Trabalhista atende à estratégia de Temer e da classe empresarial. Falou de empresário, é com ele mesmo!

OPINIÃO
Editorial
Defesa burocrática
Secretário Júlio Pompeu fez um discurso burocrático para defender o governo Hartung na Corte Interamericana de Direitos Humanos
Renata Oliveira
O universo conspira
A onda de falta de sorte do governador, iniciada em fevereiro, insiste em não passar
Caetano Roque
Venceu o pragmatismo
Ao reeleger o grupo que se perpetua na direção, PT perde um pouco mais de sua ideologia
Geraldo Hasse
Seremos todos boias-frias?
A palavra reforma, sempre associada a avanços, está sendo aplicada a um retrocesso
JR Mignone
Sérgio Bermudes, sempre atual
''Existe uma crise no Judiciário, que vai da falta de juízes, da infraestrutura adequada, até a postulação e prestação precárias''
Caetano Roque
A hora do Judiciário
O Supremo tem que mostrar a que veio e a serviço de quem está
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna – parte II: early years na ilha
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A sombra
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

CNMP pode acabar com pagamento de ‘horas-extras’ a promotores no Espírito Santo

Disputa pelo poder em Itapemirim reacende tensão entre prefeito e vice

Defesa burocrática

Ensaiado

Esgoto na Praia de Santa Helena não se resolve com teste de balneabilidade