Seculo

 

Novo secretário da Fazenda não convence deputados sobre renúncias fiscais


20/03/2017 às 16:32
O novo secretário da Fazenda, Bruno Funchal, enfrentou seu primeiro teste na tarde desta segunda-feira (20) ao prestar contas à Assembleia Legislativa sobre o resultado financeiro do Estado em 2016. E foi reprovado. Durante a sessão da Comissão de Finanças, o economista e professor universitário não respondeu aos questionamentos dos deputados, tampouco conseguiu defender a política de incentivos fiscais do governo Hartung. Sobraram interrogações entre os parlamentares sobre o real cenário fiscal do Espírito Santo.

As críticas mais contundentes partiram do deputado Euclério Sampaio (PDT), que fez menção a ação movida por um procurador do Estado, na condição de advogado, que denunciou o descumprimento do pagamento da revisão anual dos salários do funcionalismo, estopim da paralisação da Polícia Militar no mês passado. O pedetista lembrou a renúncia fiscal provocada pelos incentivos e citou as grandes empresas transnacionais que não precisariam de benefícios deste tipo.

Em sua fala, o secretário da Fazenda defendeu o que classificou como uma "política de desenvolvimento do governo. Não é para beneficiar um ou outro [negócio]. Seria simples dizer que não precisamos fazer uma política de desenvolvimento se não tivéssemos problemas de infraestrutura, porém, hoje existe um gargalo [no Estado]. É preciso de um mecanismo para atração de empresas. Se não fosse essa renúncia, várias empresas não estariam aqui”, disse Funchal.

O titular da Sefaz também afirmou que uma eliminação dos incentivos seria benéfica para São Paulo ou estados que têm melhor infraestrutura. Sendo logo interpelado novamente por Euclério: “Minhas perguntas não foram respondidas. Não sou contra zerar, mas o critério ao preterir a sociedade e o funcionalismo público”, pontuou o pedetista, que também pediu informações sobre os devedores do Estado – cuja montante, nem o perfil dos devedores era sabido por Funchal.

Os deputados José Esmeraldo (PMDB) e Sérgio Majeski (PSDB) também miraram os incentivos fiscais. O peemedebista atacou as grandes empresas que não teriam necessidade, segundo ele, de receber incentivos. “É difícil de me convencer o porquê da Vale ter tantos beneficiamentos”, afirmou José Esmeraldo, que chamou a mineradora de poluidora. Em resposta, Funchal alegou que não se pode “marginalizar o instituto do incentivo fiscal”.

Já o tucano Majeski criticou a falta de transparência sobre os ativos e passivos dos benefícios fiscais. Ele voltou a questionar o governo sobre a aplicação do índice constitucional de 25% do orçamento na educação. O Estado alega que investe 27% com base nos critérios do Tribunal de Contas (TCE), mas o deputado afirma que o índice real é de pouco mais de 22%, desconsiderando os gastos com aposentados e pensionistas.

Sobre essa divergência, Funchal acabou fazendo mea-culpa ao evitar cravar um posicionamento do governo. “De fato, há uma sugestão do TCE, mas enquanto não houver uma mudança vamos seguir essa recomendação. No momento em que o tribunal mudar, nós vamos ter que nos adequar”, admitiu. Majeski retrucou dizendo que o governo deveria cumprir a Constituição.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Tudo dominado'

Até agora, o terreno parece armado para permitir que César Colnago acumule a vice-governadoria com a presidência do PSDB no Estado. Só parece?

OPINIÃO
Editorial
Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio
Hartung tem feito publicidade nacional para mostrar que o ES é o novo paraíso para investidores. Esconde, porém, os problemas internos, que não são poucos
Piero Ruschi
Risco à natureza gera efeito bolha em turismo de Santa Teresa
Desenvolvimento tem sido norteado pelo crescimento do turismo e seu potencial. Mas ‘corre solto’, o que pode ter um preço alto demais
Renata Oliveira
Tem que saber separar
Governador troca ministro por conversa com jornalistas, só para evitar Rose de Freitas
Gustavo Bastos
Swinging London
Um dos pontos de convergência em que a arte em geral se movia
Caetano Roque
Sindicalismo unilateral
O processo de debate no movimento sindical deve ser participativo, mas não é isso que vem acontecendo no país
JR Mignone
Proliferação de rádios na internet
Fazer rádio todo mundo gosta e quer fazer, mas fazer rádio de bom gosto ainda é difícil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

MPES arquiva investigação sobre nomeação de advogada em Aracruz

Hartung se reúne com Rodrigo Maia em Brasília

Tem que saber separar

O Martín Fierro de Jorge Luis Borges

Tribunal de Contas volta a cobrar informações sobre venda da Cesan