Seculo

 

Enquanto Luciano publica 'lives' no Facebook, Papo Furado jaz em caixão no Centro de Vitória


20/03/2017 às 16:35
Iniciado às 23h de sexta-feira (20) na Praça Ubaldo Ramalhete, o Cadeiraço na Ubaldo terminou com uma imagem fortíssima: o sambista Edson Papo Furado prostrado em um caixão conduzido por moradores e entusiastas do Centro de Vitória em um cortejo fúnebre pelas ruas do entorno. O Cadeiraço foi um protesto irônico contra o toque de recolher imposto pela Prefeitura de Vitória no Centro. O velório, seu ápice.
O prefeito de Vitória Luciano Rezende (PPS) vai entender a mensagem? Difícil. Passadas duas semanas da vigência Termo de Compromisso Ambiental, firmado apenas entre prefeitura e Ministério Público Estadual (MPES), impondo a bares e restaurantes da região o recolhimento de mesas e cadeiras após as 23h, Luciano não deu indício de recuo. 
 
A medida pode sacrificar um projeto que o próprio, em benefício da própria comunidade, inaugurou em 2015: a Rua Viva. Pelo contrário, Luciano piorou a coisa: resguardou a Rua Gama Rosa da sanha do termo, cujos bares são supostamente mais sofisticados que os da Rua Sete de Setembro, que concentram os moradores mais tradicionais. De resto, tem se dedicado mesmo a risonhas lives no Facebook. A realidade mandou lembranças.
 
Enquanto isso, um monumento cultural da cidade jazia em um caixão numa noite de sexta-feira. Ícone da escola de samba Unidos da Piedade, agremiação do Centro, Papo Furado é uma lenda viva do samba capixaba. Em que pese o tom lúgubre, o velório-protesto não foi hostil à prefeitura: preferiu expô-la ao riso e à zombaria. 
 
E o que é digno de riso no termo? Bem, para um prefeito que se reelegeu prometendo gerar emprego e renda e que se ufana de fazer uma “gestão compartilhada” da cidade, tudo. Em artigo nesse domingo (19) em A Gazeta, o economista Arlindo Villaschi lembra que o Centro elaborou por si um círculo virtuoso econômico amparado na produção cultural. O toque de recolher do #VitoriaSuaLinda pode interrompê-lo: já há notícias de demissões nos bares e de ruas, antes ocupadas, agora vazias.
 
E o vereador Vinicius Simões (PPS), cujo reduto eleitoral é no Centro, também entenderá o recado? Por ora, o presidente da Câmara e aliado do prefeito acha que os problemas da região se resumem às faixas de pedestre da Praça Costa Pereira. Vai vendo.

Fotos capa: Leonardo Sá/Porã e Facebook Vereador Roberto Martins

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado

A montagem da cena