Seculo

 

Mitos e verdades sobre a água


23/03/2017 às 23:47
Por oportuno, uma vez que esta é a Semana da Água, devido às comemorações em 22 de março do Dia Mundial da Água, declarado pelas Nações Unidas, vamos falar sobre a água em nosso corpo e tratar alguns mitos e verdades sobre a água. Estão hidratados para nossa jornada?
Então, vamos lá. Primeiro, é muito importante compreender que a água não cobre apenas 2/3 da superfície terrestre, mas está presente na mesma proporção em, praticamente, todos os corpos vivos, e isso inclui nossos alimentos.  
Bem, somente para recordar, o corpo é um organismo formado por vários órgãos, com funções próprias, mas que trabalham em rede em favor do corpo. Sozinhos, os órgãos não representam nada. Eles têm vida inteligente, a chamada inteligência natural ou física.
Vou explicar isso: você não precisa dizer para seus rins, seu fígado, seus pulmões, seu coração, o que eles têm que fazer. Eles estão ali já posicionados para cumprir sua missão de manter o corpo em equilíbrio e perfeito funcionamento. Às vezes, somos nós que atrapalhamos com as nossas escolhas de estilo de vida e hábitos que desenvolvemos.
E do que são formados os órgãos? De tecidos. É legal imaginar que o “tecido social” imita o “tecido biológico”. E os tecidos são formados de células, que existem aos trilhões em nosso corpo. A maioria dos especialistas concorda que temos 10 trilhões de células compondo nosso organismo.
Você sabia que a água é o maior componente da estrutura da célula e dos fluidos do organismo? Pois é, a água tem funções indispensáveis ao corpo. É o solvente de vários solutos, gases e enzimas; é um meio para as reações celulares e para o transporte de nutrientes; é necessária para a função e estrutura correta do músculo.
Quando pensamos na água precisamos refletir que ela é essencial para o sistema cardiovascular e respiratório; faz parte dos processos químicos da digestão e absorção; transporta e excreta as toxinas do corpo; regula a temperatura corporal.
A água está presente em 70% da composição de nossos músculos. Eliminamos água permanentemente pela urina, fezes, suor e respiração. Por isso, necessitamos de hidratação adequada para fazer esse balanço hídrico.
Quando você não se hidrata adequadamente, para fazer a “troca de fluidos”, seu corpo começa um processo de armazenamento, a chamada “retenção de líquidos”, que tanto atazana a vida de algumas pessoas, especialmente, as mulheres, que, por diversos fatores, mas em especial o sociológico, acabam ingerindo menos água que um homem.
Sendo francos, se um homem sente sua bexiga cheia e está numa estrada, para ele é muito mais fácil parar o carro na beira da estrada e aliviar a pressão. Agora, imaginem a ginástica que isso representa para as mulheres. No dia a dia do trabalho e das cidades a cena se repete. Qualquer poste mais escondido é um espaço para o homem liberar o excesso de urina, mas e a mulher?
Então, agora estamos preparados para tratar alguns mitos e verdades sobre a água.
Mito: “Quatro litros de água é, garantidamente, o que todos os adultos precisam para estarem bem hidratados no dia”.
Fato: As pessoas têm necessidades específicas de consumo de água mas, em geral, recomenda-se tomar em torno de 2 litros de líquidos por dia, ou 35 mililitros por quilograma de peso corporal. Então, se você tem 100kg, deve ingerir 3,5 litros de água para se hidratar.
Mito: “Sede é o melhor indicador de desidratação”.
Fato: Seu mecanismo de sede não é tão rápido até que esteja ligeiramente desidratado. Monitorar a cor da sua urina pode ser o melhor indicador de  hidratação. Urina amarela clara e transparente demonstra hidratação adequada, enquanto urina amarela escura e concentrada indica que precisa beber mais água.
Mito: “Não é saudável beber muita água”.
Fato: Com exceção de alguns estados específicos de saúde, seu corpo somente usará a água que precisa e eliminará o resto. Sob condições normais, não há riscos associados por beber muita água. É recomendado que a água seja bebida devagar, ao invés de engolida de uma só vez, para evitar problemas gástricos.
Mito: “Beber muita água é exigir demais dos seus rins”.
Fato: A água é necessária para o bom funcionamento dos rins. Quando a água ingerida é insuficiente, os rins compensam essa deficiência expelindo mais urina concentrada, que podem causar a formação de pedras nos rins.
Mito: “Se você tem um problema de retenção de líquidos, beba menos água”.
Fato: Na verdade, o correto é o contrário. Beber uma quantidade adequada de água vai ajudar seu corpo a manter o balanço adequado de líquido e também jogar fora o excesso de sódio, que pode contribuir para a retenção de líquido.
Mito: “Bebidas esportivas são melhores que água durante a prática de exercícios”.
Fato: Em exercícios que duram menos que 60 minutos, a água é a bebida mais indicada. Reposição eletrolítica (bebidas esportivas) não é necessária durante curto período de exercícios. Você deve restabelecer o nível de líquido perdido nos exercícios ou você terá cansaço prematuro e diminuirá seu desempenho. Caso você se exercite por mais tempo e de forma intensa, provocando muito suor, os repositores hidroeletrolíticos são recomendados.
Mito: “Você precisa de mais água no verão do que no inverno”.
Fato: Desidratação costuma ser relacionada somente aos meses quentes de verão, mas manter seu corpo hidratado no inverno é tão importante quanto no verão. Durante atividades esportivas no inverno, não parece que você sua tanto. No entanto, seu corpo também está perdendo líquido. Beber água é uma necessidade para seu desempenho atlético não ser afetado.
Chamo atenção aqui também para regiões de clima seco. Por exemplo: numa cidade litorânea, onde a umidade do ar é maior, você sua mais. Agora, se mora numa cidade de clima seco, como Brasília, você quase não sua, nem quando faz atividade física ao ar livre, porque a “água” do corpo evapora rápido. Então, fique atento a isso. Não é porque não está suando que você não está desidratando.
Sucos doces, bebidas doces e café não são bebidas consideradas água. Você deve beber água e chás, que, na verdade, se constituem de água com ervas aromáticas.
Um dos fatores determinantes da hidratação adequada é a concentração de açúcares na bebida. Vou dar dois exemplos:
Exemplo 1: Bebidas com uma concentração de açúcares em torno de 15% (que é metade da concentração de açúcar de um refrigerante) determinam um esvaziamento gástrico lento, com demora para absorção intestinal da água, ou seja, causando uma hidratação inadequada. Logo, refrigerante é uma péssima bebida para sua hidratação. Além da alta concentração de açúcar, normalmente, têm alta concentração de sódio.
Exemplo 2: Já as bebidas sem açúcares ou com uma concentração de açúcares em torno de 6% (equivalente às bebidas reidratantes ou “soro”) provocam um esvaziamento gástrico rápido, a água chega ao intestino para a sua absorção, promovendo assim uma hidratação adequada.
Tem gente que pergunta se a água ajuda mesmo no processo de emagrecimento. A grande ajuda da água neste sentido é a chamada sensação de saciedade. Quando ingerimos líquidos e comemos frutas durante os intervalos das refeições, temos uma sensação de estar com o estômago cheio e não sentimos fome. No entanto, não devemos tomar líquidos em excesso durante as refeições.
Tomar vários copos de suco durante as refeições dilata o estômago. Isso, além de lhe fazer comer mais, também não é o ideal sob o ponto de vista estético.
E uma última dica: se você está com a pele ressecada, precisa beber muita água. Se sua pele é oleosa, precisa beber muita água. A boa hidratação reflete em sua pele, vistosa, mas não oleosa.
 

Lídia Caldas é nutricionista pela Faculdade Católica de Vitória, especialista em Nutrição Esportiva pela Universidade Gama Filho (RJ) e gestora de Unidade de Alimentação e Nutrição. Fale com a nutri: lidiarncaldas@gmail.com 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Caetano Roque
Pressão neles
O movimento sindical deve conscientizar o trabalhador sobre quem estará na disputa do próximo ano contra ele
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Precipitou-se

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento