Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Com 'toque de recolher', Luciano mexe com o principal lazer dos moradores: os bares


26/03/2017 às 18:47
Amparado em um Termo de Compromisso Ambiental (TCA) tecido com o Ministério Público Estadual (MPES), o prefeito de Vitória Luciano Rezende (PPS) defende o recolhimento de mesas e cadeiras às 23h pelos bares da Rua Sete de Setembro no Centro de Vitória. Não se sabe o que o prefeito, que completou 55 anos de idade na última quarta-feira (22), fez de sua vida noturna em Vitória nos últimos 30 anos. Mas também não se sabe também se ele, médico e ex-atleta, é dado a tais espairecimentos. 
 
Neste ou naquele caso, não importa: Luciano Rezende deveria conhecer a cidade que administra. 
 
O TCA foi anunciado publicamente há pouco mais de duas semanas, mas, em verdade, vigora desde pelo menos o dia 23 de fevereiro, a quinta-feira pré-Carnaval, quando bares da Rua Sete foram notificados. Às 22h30 da sexta-feira (24), fiscais da Secretaria de Municipal de Meio Ambiente (Semman) já estavam a postos numa festivamente apinhada Rua Sete, monitorando o movimento, aguardando o mínimo o vacilo, que veio com o Choperia da Praça. 
 
O mais requisitado bar da ex-Rua Viva foi multado em plena sexta-feira de Carnaval, inaugurando o toque de recolher de Luciano Rezende, que, se começou virado do avesso - condenando uma festa de rua que há muito Vitória não tinha - prosseguiria virado do avesso - ameaçando o principal eixo do entretenimento da cidade. Como se sabe, em Vitorinha, cidade cuja programação cultural excepcionalmente cruza as raias do razoável, sai-se à noite basicamente para comer e beber.
 
Não à toa o prefeito estarreceu donos de bares em reunião semana passada. Embora tenha se colocado no lugar dos moradores que estrilam - com razão - do barulho, tenha pedido a colaboração deles para fiscalizar os excessos, passou a mensagem de que não entende a matemática da vida noturna da cidade que lidera. O que para muitos é simples - sem os bares, uma vez que recolhimento de mesas às 23h significa fechá-los, o Centro morre - para Luciano ainda parece um enigma, algo distante e insondável. 
 
O caso do Centro de Vitória não deveria nem ter ocorrido. Mas ocorreu. Se ocorreu, deveria ser o único. Não é. O Bar Biritas, em Jardim da Penha, também sentiu a mão tão pesada quanto estabanada da prefeitura ao testemunhar a apreensão de uma arquibancada que já integrava a paisagem local por fiscais da prefeitura e, assim, pôr a perder o Som de Fogueira, projeto musical gratuito promovido pelo bar realizado há dois anos.
 
Tanto no Centro quanto em Jardim da Penha a reclamação contra excessos são legítimas. Ilegítimo é uma prefeitura recrudescer problemas ao invés de resolvê-los. 
 
A mesma sanha vigilante chegou ao Projeto Choromingo, que acontece aos domingos de manhã em Jardim Camburi. Não tem bar no meio, mas o projeto, tanto quanto os casos de Jardim da Penha e do Centro, são rebentos da mesma madrasta: a, digamos, singeleza cultural de Vitorinha, a tentativa criar vida além das libações das mesas de bar.
 
Mas, fica a dúvida, tanto no Choromingo, quanto na Laminha, reduto boêmio de Jardim Camburi, a prefeitura não mostrou a mesma disposição que teve, por exemplo, no Centro. Ali, Luciano parece estar pisar em ovos. Por que esse respeito por Jardim Camburi? Curiosamente, os corredores da política capixaba registram que o vereador licenciado e agora supersecretário de Luciano, Fabrício Gandini (PPS), cujo reduto eleitoral é no bairro, é uma das poucas vozes que o prefeito ouve.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Descompasso

Hartung priorizou tanto lotear a gestão com quadros políticos, que os embates ocorrem na contramão de sua própria estratégia. Rodney Miranda que o diga...

OPINIÃO
Editorial
Esgoto veio à tona
Manietada pelo governo, CPI para investigar Cesan se torna obrigatória após denúncias envolvendo a companhia
Piero Ruschi
O desmanche do Museu Mello Leitão
Um ato de desrespeito à população que foi camuflado e conta com o apoio da própria diretoria e sua associação de amigos
Renata Oliveira
Vai liberar?
Rodrigo Janot pode criar um precedente muito ruim para a política brasileira ao anistiar quem recebeu o “caixa dois do bem”
Caetano Roque
Desmonte em curso
Enquanto o movimento sindical dorme , o capital segue a passos largos a retirada de direitas
Nerter Samora
#SomosTodosBaianinho
Causa espécie um encontro às portas fechadas entre o governo e parte do empresariado capixaba logo após a “delação do fim do mundo”
Geraldo Hasse
O despudor do poder
O marqueteiro-mór pagou multa de R$ 30 milhões à Justiça, deu depoimento e saiu rindo
JR Mignone
Inquietudes políticas
O ''Fica, temer'' de Gaspari e a pesquisa que confirma a memória curta do eleitor
Caetano Roque
Greve na rua
É hora de o trabalhador dar a resposta as ações antidemocrática do governo golpista
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

CPI da Odebrecht quer investigar contratos de empreiteiras com setor público

Descompasso

Sindicato quer que Nestlé preste esclarecimentos sobre possível venda da marca Serenata de Amor

Empresa de informática nega irregularidades em contratos com a Sesa

Assembleia barra projeto que acaba com exclusividade da Cesan na região metropolitana