Seculo

 

Com 'toque de recolher', Luciano mexe com o principal lazer dos moradores: os bares


26/03/2017 às 18:47
Amparado em um Termo de Compromisso Ambiental (TCA) tecido com o Ministério Público Estadual (MPES), o prefeito de Vitória Luciano Rezende (PPS) defende o recolhimento de mesas e cadeiras às 23h pelos bares da Rua Sete de Setembro no Centro de Vitória. Não se sabe o que o prefeito, que completou 55 anos de idade na última quarta-feira (22), fez de sua vida noturna em Vitória nos últimos 30 anos. Mas também não se sabe também se ele, médico e ex-atleta, é dado a tais espairecimentos. 
 
Neste ou naquele caso, não importa: Luciano Rezende deveria conhecer a cidade que administra. 
 
O TCA foi anunciado publicamente há pouco mais de duas semanas, mas, em verdade, vigora desde pelo menos o dia 23 de fevereiro, a quinta-feira pré-Carnaval, quando bares da Rua Sete foram notificados. Às 22h30 da sexta-feira (24), fiscais da Secretaria de Municipal de Meio Ambiente (Semman) já estavam a postos numa festivamente apinhada Rua Sete, monitorando o movimento, aguardando o mínimo o vacilo, que veio com o Choperia da Praça. 
 
O mais requisitado bar da ex-Rua Viva foi multado em plena sexta-feira de Carnaval, inaugurando o toque de recolher de Luciano Rezende, que, se começou virado do avesso - condenando uma festa de rua que há muito Vitória não tinha - prosseguiria virado do avesso - ameaçando o principal eixo do entretenimento da cidade. Como se sabe, em Vitorinha, cidade cuja programação cultural excepcionalmente cruza as raias do razoável, sai-se à noite basicamente para comer e beber.
 
Não à toa o prefeito estarreceu donos de bares em reunião semana passada. Embora tenha se colocado no lugar dos moradores que estrilam - com razão - do barulho, tenha pedido a colaboração deles para fiscalizar os excessos, passou a mensagem de que não entende a matemática da vida noturna da cidade que lidera. O que para muitos é simples - sem os bares, uma vez que recolhimento de mesas às 23h significa fechá-los, o Centro morre - para Luciano ainda parece um enigma, algo distante e insondável. 
 
O caso do Centro de Vitória não deveria nem ter ocorrido. Mas ocorreu. Se ocorreu, deveria ser o único. Não é. O Bar Biritas, em Jardim da Penha, também sentiu a mão tão pesada quanto estabanada da prefeitura ao testemunhar a apreensão de uma arquibancada que já integrava a paisagem local por fiscais da prefeitura e, assim, pôr a perder o Som de Fogueira, projeto musical gratuito promovido pelo bar realizado há dois anos.
 
Tanto no Centro quanto em Jardim da Penha a reclamação contra excessos são legítimas. Ilegítimo é uma prefeitura recrudescer problemas ao invés de resolvê-los. 
 
A mesma sanha vigilante chegou ao Projeto Choromingo, que acontece aos domingos de manhã em Jardim Camburi. Não tem bar no meio, mas o projeto, tanto quanto os casos de Jardim da Penha e do Centro, são rebentos da mesma madrasta: a, digamos, singeleza cultural de Vitorinha, a tentativa criar vida além das libações das mesas de bar.
 
Mas, fica a dúvida, tanto no Choromingo, quanto na Laminha, reduto boêmio de Jardim Camburi, a prefeitura não mostrou a mesma disposição que teve, por exemplo, no Centro. Ali, Luciano parece estar pisar em ovos. Por que esse respeito por Jardim Camburi? Curiosamente, os corredores da política capixaba registram que o vereador licenciado e agora supersecretário de Luciano, Fabrício Gandini (PPS), cujo reduto eleitoral é no bairro, é uma das poucas vozes que o prefeito ouve.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

PH é estopim da crise no PSDB

Crise no partido é prenúncio de que a era Hartung está encerrando seu ciclo no Espírito Santo

OPINIÃO
Editorial
Oásis
Os capixabas que ouvem o governador Hartung propagandear os atrativos do ES devem pensar que moram em outro Estado
Renata Oliveira
Paraísos artificiais
O que o governador Paulo Hartung e o prefeito Luciano Rezende têm em comum?
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Olha no mapa
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Oásis

'Eu quero uma direção independente, capaz de optar pela melhor estratégia no ano que vem’

Fórum de Fundão não conta com nenhum analista judiciário

Pó preto extrapola legislações municipal e estadual e ONG cobra providências

Estratégia do PSDB nacional pode desmontar ação de Ricardo Ferraço