Seculo

 

Secretário de Transportes não garante, de novo, melhorias no Porta a Porta


04/04/2017 às 15:58
Em reunião com a Frente Parlamentar em Defesa da Acessibilidade da Câmara de Vitória, nessa segunda-feira (3), o secretário de Transportes, Trânsito e Infraestrutura Urbana de Vitória (Setran), Oberacy Emmerich Júnior, apresentou mais uma estratégia para protelar o cumprimento da decisão judicial de 2015 que obriga a prefeitura a fazer melhorias no Porta a Porta, serviço municipal de oferta de transporte para pessoas com deficiência.
 
Após, mais uma vez, afastar qualquer garantia de aumento de frota do programa, como cobram os usuários, o secretário propôs uma reunião com a Procuradoria Geral do Município (PGM), com participação de representantes do Movimento Organizado de Valorização da Acessibilidade (Mova) e da seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-ES). O Porta a Porta tem uma lista de espera de 340 pessoas. 
 
O secretário disse que depende de orientação da Procuradoria para tomar medidas em relação ao assunto. E citou um acordo que, em resposta à Justiça, a PGM está propondo para contornar o problema. Segundo o chefe da Setran, o município não tem amparo legal para exigir aumento de frota do Porta a Porta dos empresários, uma vez que, sustenta a PGM, o serviço não está previsto no contrato de concessão do sistema municipal de transporte. 
 
O documento a que se refere Emmerich Júnior foi remetido à Justiça em agosto de 2016. Nele, o secretário propõe a elaboração de critério de atendimento pelo Porta a Porta segundo a localização do usuário, priorizando aqueles que moram em locais não atendidos pela frota convencional acessível.
 
O presidente do Mova, José Olympio Rangel, rebate o argumento do secretário. “O Porta a Porta é amparado por lei. Como estão cobrando dinheiro, então, se ele não existe?”, diz. Uma reunião do Conselho Municipal de Transporte e Trânsito (Comuttran), em 2010, estabeleceu que a partir dali R$ 0,05 da passagem do sistema municipal seriam destinados para a renovação da frota do programa. 
 
Foi proposta ainda a efetivação do funcionamento de cinco veículos, sendo um posto em reserva. O secretário também propôs que o município passe a agendar o atendimento dos táxis acessíveis, cuja frota é de 11 veículos.
 
Emmerich Júnior repisou a queda do número de passageiros no sistema municipal provocada pela concorrência com o Sistema Transcol. Foi a brecha para, novamente, defender a integração entre os dois sistemas. “Não temos alternativa para o Sistema municipal fora da integração”, disse. 
 
A próxima reunião da frente será dia 17 de maio.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Dependência total

Tendência é Colnago crescer cada vez mais, pois PH não tem outra saída. Se a oposição não souber contê-lo, vai perder o bonde

OPINIÃO
Gustavo Bastos
Black Block
Pensou que a poeira iria baixar, que ele estava mascarado e ninguém iria identificá-lo. Resolveu ir ao RJ...
Geraldo Hasse
Vendilhões no comando
Os governos petistas deram mole aos Mercados, mas o MDB escancara a prática do entreguismo
Roberto Junquilho
Nem tudo o que parece é!
Investigação a Ferraço, exoneração no Iema...casos podem dar dor de cabeça aos envolvidos em ano de eleição
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Admirável mundo novo
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Anama expõe argumentos ineptos da ArcelorMittal para se livrar de ação na Justiça

Tenente-coronel é demitido por participar da greve da PMES

Fraude com material hospitalar pode aumentar processos contra hospitais

Novo regulamento da Caixa dificulta retorno de dirigentes afastados

Tribunal de Justiça abre seleção para juiz substituto no TRE-ES