Seculo

 

Governo garante suspender projeto de lei que decreta extinção do Iema


07/04/2017 às 11:00
Encurralado após um mês de assembleias sindicais, manifestações públicas e denúncias, por parte dos servidores, o governo do Estado anunciou, em reunião realizada na última terça-feira (4), que irá suspender a apresentação à Assembleia Legislativa do projeto de lei de extinção do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema).

Diante de membros da Comissão dos Servidores do Iema e do Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo (Sindipúblicos), o secretário de Governo, Paulo Roberto, e a diretora-presidenta do Iema, Andreia Carvalho, se comprometeram, também, a promover medidas visando ampliar a participação dos servidores em ações da autarquia.

“Basicamente, o pleito foi atendido”, afirma o servidor Filipe Santos. Em assembleia, foram eleitas doze pessoas para compor uma Comissão de Reestruturação do Iema, sendo que três farão interlocução direta com a diretoria. 

Segundo o Sindipúblicos, Andréia Carvalho garantiu que irá institucionalizar uma comissão de reestruturação do Iema, com a participação de três membros da atual Comissão dos Servidores, realizando toda o processo de reestruturação "de forma participativa e transparente, envolvendo inicialmente os gerentes e posteriormente todos os servidores".

Os servidores, como prometeu, também serão integrados ao processo de elaboração da proposta do Conecta Meio Ambiente e receberão o plano de ação dos trabalhos previstos no Acordo de Cooperação Técnica 003/2016, entre o Iema, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama) e o Movimento Espírito Santo em Ação, formado pelos grandes projetos poluidores do Estado.

O Sindipúblicos destaca também o compromisso firmado pela diretora do Iema em “tramitar de forma célere a posse e o funcionamento do Conselho de Administração do Iema”.

Show de autoritarismo

Desde que anunciou o projeto de lei para extinção do Iema e sua transformação em duas subsecretarias da Seama, o governo estadual promoveu um show de autoritarismo, abusos e irregularidades. A proposta foi elaborada pela Secretaria Estadual de Governo (SEG), sem qualquer participação dos servidores. 

Na luta por não só estancar a tramitação da extinção, mas iniciar um movimento real de fortalecimento do órgão, os servidores levantaram denúncias de condutas ilegais por parte dos gestores do Iema e da Seama, como acúmulo de funções e interferências ilegais em processos de licenciamentos ambientais.

As reuniões que aconteceram durante o período, até esta última do dia quatro, eram absolutamente protocolares, em que o governo simplesmente se negava a qualquer diálogo, limitando-se a reafirmar sua posição intransigente de atacar a frágil independência da autarquia ambiental, atrelando o corpo técnico do órgão à Seama, forçando uma politização ainda maior dos licenciamentos e do controle ambiental no Estado.

Há alguns dias já circulava, internamente no Iema, a informação de que o governo havia decidido voltar atrás, o que veio a ser formalmente anunciado esta semana.

“Continuaremos mobilizados para acompanhar o cumprimento das promessas”, afirmou o Sindipúblicos. A entidade afirma que continuará mobilizada para acompanhar o cumprimento das promessas. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Blindagem coletiva

Greve dos professores não reforçou apenas o perfil antidemocrático do prefeito, mas também a omissão da Câmara de Vitória. Só Roberto Martins enxerga o óbvio?

OPINIÃO
Editorial
'Gestão compartilhada'
Ofensiva de Luciano Rezende contra movimento dos professores revela autoritarismo e inabilidade política
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
JR Mignone
O voto facultativo
Atual insatisfação com a política seria uma chance para começar a estudar a implantação do voto facultativo?
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Blindagem coletiva

STF mantém interrupção de pagamento de gratificação a procuradores de Justiça no ES

Que novo é esse?

Professores encerram greve, mas movimento reivindicatório continua em Vitória

MAB: 'Falta organização e profissionalismo na Fundação Renova'