Seculo

 

Sedu coage conselheiros de escolas e comunidades rurais


08/04/2017 às 19:22
“Isso é coação, é caso de polícia”, denunciam educadores membros do Comitê Intermunicipal de Educação de Sooretama e Linhares, um dos coletivos empenhados em combater a plano, em curso pela Secretaria Estadual de Educação (Sedu), de extinguir  todos os conselhos de escolas com menos de 100 alunos, a maioria absoluta delas, pequenas escolas de comunidades rurais de norte a sul do Espírito Santo.
O novo prazo dado pela Sedu é o dia 28 de abril, para que os presidentes dos conselhos assinem atas de extinção dos mesmos. A medida é autoritária e ilegal, pois, segundo a legislação federal dos conselhos escolares, os conselhos só podem ser extintos caso suas escolas o sejam ou, em caso dos membros do conselho assim desejarem. O que não é o caso.
 
Ao contrário, a revolta, por parte dos conselheiros, educadores e comunidades em geral, cresce à medida que a coação se torna mais intensa. Essa pressão parte dos técnicos das Superintendências Regionais de Educação, contra os presidentes e as comunidades.
 
“Enviaram os técnicos nas comunidades e, onde houve resistência, estão convocando os presidentes pessoalmente nas superintendências e ameaçando, caso não assinem ata de extinção, de não enviar mais nenhuma verba para as escolas e até de comprometer seus CPFs!”, denunciam membros do Comitê Intermunicipal, que preferiram não se identificar com medo de represálias.
 
Retrocesso histórico
 
“Estão tentando implantar a discórdia, colocando conselheiros contra as suas comunidades”, complementa. “Os presidentes estão com muito medo e as comunidades se sentindo coagidas”, revelam.
 
O ataque à Educação do Campo começou no final do ano passado, quando a Sedu impediu a realização de eleições para renovar as diretorias dos conselhos e, em seguida, iniciou o processo de desativação dos conselhos, visando posterior extinção. A alegação é de que é preciso incorporar as pequenas escolas a escolas maiores, localizadas nos centros urbanos mais próximos, o que contraria absolutamente a lógica da Educação do Campo, que é manter os estudantes próximos de suas comunidades, de suas realidades, de suas culturas, de suas famílias.
 
Nesta primeira semana de abril, o Comitê Estadual de Educação do Campo lançou uma nota de esclarecimento – aos conselheiros, comunidades e população em geral – sobre as irregularidades cometidas pela Sedu em seu plano de acabar com a Educação do Campo.
 
“Não devemos temer”
 
O documento enfatiza que os conselheiros não foram devidamente informados sobre as conseqüências de obedecerem às ordens, dadas pelas Superintendências, de assinarem atas de extinção de seus conselhos, que eles podem sim se recusar a obedecer à imposição, que é ilegal, e que não podem sofrer qualquer tipo de sanção ou punição por isso.
 
Apesar de todo o arsenal de irregularidades e coações, os conselheiros mantêm a resistência. Na próxima segunda-feira (10) estarão novamente reunidos com o Ministério Público Estadual para traçar novas estratégias de luta. “Não devemos temer”, afirmam. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações