Seculo


  • Lava Jato no ES

 

MST: titulação dos assentados é nova ofensiva contra a Reforma Agrária


10/04/2017 às 17:20
Entre R$ 40 mil e R$ 50 mil deve ser o valor do título de propriedade dos lotes, no Espírito Santo, a ser cobrado das famílias sem terra assentadas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Ao invés, portanto, de continuarem recebendo gratuitamente o Contrato de Concessão de Direito Real de Uso (CCDRU) de seus lotes, que garante o direito ao uso da terra e à transferência para seus descendentes, a intenção do governo federal é que as famílias assentadas passem a pagar por um título individual de domínio sobre a terra.

O processo teve início em Minas Gerais neste mês de abril, dias depois da publicação da Instrução Normativa nº 87/2017, no dia 31 de março último, e a Planilha de Preços Referenciais para fins de titulação.

Em sua página oficial na internet, o Incra informa que “a modificação desses parâmetros de valoração ocorre em um momento no qual a autarquia empreende esforços para titular beneficiários da reforma agrária e posseiros de boa-fé que vivem fora da Amazônia Legal em áreas rurais da União”. E que “com o documento em mãos, as famílias têm, além da garantia de serem donas das terras onde vivem e produzem, a possibilidade de acessar linhas de crédito para investimento no imóvel rural”.

No entanto, a garantia de uso perpétuo da terra e a transferência da mesma para seus descendentes, bem como o acesso a linhas de crédito específicas, já integram o conjunto de medidas e políticas do Programa Nacional de Reforma Agrária e são acessadas mediante a emissão do CCDRU.

O que a emissão dos títulos individuais traz, realmente de novo, são basicamente duas coisas, na avaliação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST): primeiro, penalização financeira das famílias – em Minas Gerais, o pagamento será dividido em até 20 anos, com 17 prestações anuais; e, em segundo, o incentivo ao êxodo rural.

Adelso Lima Rocha, da coordenação estadual do MST, explica que, com o título nas mãos, as famílias, fragilizadas pelas sucessivas crises econômicas e hídricas, se tornam presas fáceis para o agronegócio – grandes produtores de monoculturas de eucalipto, pastagens e café –, acabando por vender sua terra a preços baixos, e indo parar nas periferias das cidades, esvaziando o campo de sua verdadeira vocação, que é a produção de alimentos saudáveis e variados para a mesa da população.

“A titulação dos lotes de assentamentos está dentro da lógica do governo federal de promover a concentração e a estrangeirização de terras, de dificultar o acesso à credito pela agricultura familiar e o enfrentamento da crise hídrica”, contextualiza Adelso. Na analogia feita pelo MST, “é como se fechasse a porta de entrada e abrisse a porta de saída do campo para as famílias agricultoras”, ilustra.

Para denunciar esse retrocesso histórico e a transformação do Incra em um "balcão de negócios", ao invés de um agente executor da Reforma Agrária, o MST está realizando um mutirão de debates, orientando as famílias a se manifestarem no seu direito, junto ao Incra e ao Ministério Público, de optar pelo CCDRU ao invés do título individual de propriedade. O objetivo é chegar a todos os assentamentos com o mutirão. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Descompasso

Hartung priorizou tanto lotear a gestão com quadros políticos, que os embates ocorrem na contramão de sua própria estratégia. Rodney Miranda que o diga...

OPINIÃO
Editorial
Esgoto veio à tona
Manietada pelo governo, CPI para investigar Cesan se torna obrigatória após denúncias envolvendo a companhia
Piero Ruschi
O desmanche do Museu Mello Leitão
Um ato de desrespeito à população que foi camuflado e conta com o apoio da própria diretoria e sua associação de amigos
Renata Oliveira
Vai liberar?
Rodrigo Janot pode criar um precedente muito ruim para a política brasileira ao anistiar quem recebeu o “caixa dois do bem”
Caetano Roque
Desmonte em curso
Enquanto o movimento sindical dorme , o capital segue a passos largos a retirada de direitas
Nerter Samora
#SomosTodosBaianinho
Causa espécie um encontro às portas fechadas entre o governo e parte do empresariado capixaba logo após a “delação do fim do mundo”
Geraldo Hasse
O despudor do poder
O marqueteiro-mór pagou multa de R$ 30 milhões à Justiça, deu depoimento e saiu rindo
JR Mignone
Inquietudes políticas
O ''Fica, temer'' de Gaspari e a pesquisa que confirma a memória curta do eleitor
Caetano Roque
Greve na rua
É hora de o trabalhador dar a resposta as ações antidemocrática do governo golpista
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

CPI da Odebrecht quer investigar contratos de empreiteiras com setor público

Descompasso

Sindicato quer que Nestlé preste esclarecimentos sobre possível venda da marca Serenata de Amor

Empresa de informática nega irregularidades em contratos com a Sesa

Assembleia barra projeto que acaba com exclusividade da Cesan na região metropolitana