Seculo

 

Com imagem 'queimada', Hartung cancela participações em eventos públicos em Serra e Colatina


12/04/2017 às 12:32
O aparecimento do nome do governador Paulo Hartung (PMDB) nas delações de executivos e ex-executivos da empreiteira Odebrecht, divulgada nessa terça-feira (11), abalou o Palácio Anchieta. Apesar da tentativa de desqualificar as acusações, classificando-as como “levianas e mentirosas”, o fato é que o governador acusou o golpe.
 
 
 
 
Primeiro sintoma dos efeitos pós-delação foi o cancelamento da participação do governador em dois eventos públicos que aconteceram nesta quarta-feira (12), em Colatina, noroeste do Estado, e na Serra, Grande Vitória.
 
Por recomendação médica, Hartung comunicou se afastamento desta quarta-feira (12) até o dia 24 deste mês — recentemente, o governador foi submetido a uma cirurgia para extrair em tumor da bexiga em São Paulo. O governador vinha participando de visitas técnicas e entregas de obras e serviços em todo o Estado, em uma tentativa de recuperar a imagem avariada com a crise na segurança pública, em fevereiro passado.
 
Por isso, antes de transferir o cargo ao vice-governador César Colnago (PSDB), Hartung pretendia participar dos eventos desta quarta. A primeira atividade do governador seria em Colatina, no noroeste do Estado. Ele participaria da inauguração do Sesi/Senai no município.
 
De Colatina, o governador seguiria para a Serra, onde participaria da entrega de viaturas para a 14º Companhia Independente de Feu Rosa. Mas quem acabou representando o Palácio Anchieta nos dois eventos foi o vice-governador. Na foto ao lado, Colnago participa do evento em Colatina, ao do prefeito do município, Sérgio Meneguelli (PMDB).
 
O motivo da ausência do governador claramente é evitar mais desgastes à sua imagem, depois da notícia de que o ministro-relator da ação da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, enviou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) uma petição com base na delação do ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto da Silva Júnior, em que o governador é citado como beneficiado com “pagamentos indevidos” com repasses nas campanhas eleitorais de 2010 e 2012, em duas parcelas repassadas em setembro de cada um desses anos.
 
Segundo a delação, publicada no site da revista Veja, na tarde dessa terça-feira (11), Hartung teria recebido um total de um milhão de reais da empreiteira. O governador classificou a acusação como “leviana e mentirosa”, alegando que não disputou as eleições de 2010 e 2012. O delator, no entanto, apresentou comprovantes dos repasses.
 
O afastamento do cargo por 12 dias pode ajudar a esfriar os ânimos nos meios políticos em relação ao fato de o governador, que era até pouco tempo considerado ileso à praticas ilegais, agora terá de conviver com  mácula em sua imagem, o que pode prejudicar não só seus planos para 2018, mas a própria estabilidade política de seu governo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete

Contratação do Instituto da Mata Atlântica gera PAD contra gerente do Iema