Seculo

 

Vídeo de Benedicto Júnior demole explicações de Hartung


13/04/2017 às 11:51
A divulgação do vídeo (abaixo) da delação premiada do ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior, o BJ, compromete ainda mais o governador Paulo Hartung (PMDB) e dois de seus aliados: Neivaldo Bragato e Roberto Carneiro, respectivamente, conselheiro administrativo do Banestes e diretor-geral da Assembleia Legislativa. O governador, logo que seu nome apareceu na lista do ministro do Supremo Edson Fachin, afirmou que as acusações eram “levianas e mentirosas”, sob o argumento de que não disputou as eleições de 2010 e 2012. O delator afirmou, porém, que Hartung pediu o dinheiro à empreiteira para as campanhas eleitorais de aliados.
 
 
Nos meios políticos, nunca foi novidade que Neivaldo Bragato sempre funcionou como um executivo de Hartung na negociação e receptação dos recursos que deveriam ser usados na campanha eleitoral de aliados do Palácio Anchieta, o que chama atenção é o fato de o delator deixar escapar, que se encontrava com Hartung no escritório de consultoria do governador para pedir opinião sobre os projetos da Odebrecht no Estado, o que sugere uma atuação de Hartung como consultor informal para esses projetos.
 
Segundo a delação do ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, em seu depoimento, em 16 de dezembro de 2016, o governador não deu nenhum benefício concreto para a Odebrecht. “Ele me recebia, me ouvia, mas nunca se movimentou para fazer benefício direto à Odebrecht. E nesse caso é a relação direta minha”, disse.
 
Mas ao ser questionado sobre o interesse na relação com o governador, Benedicto Júnior explicou que como o Espírito Santo é um Estado pequeno, Hartung era um bom formador de opinião, a quem o ex-presidente gostava de ouvir sobre os projetos em curso. “Por exemplo, perguntava “eu tô fazendo negócio com a Vale, que vai construir uma ferrovia, que vai passar pelo seu Estado. Você acha que vai ser importante? A Vale vai construir...”. Tinha entabulação de ouvi-lo para as ações que estávamos fazendo para o nosso lado”.
 
Os encontros entre Benedicto e Hartung aconteceram no escritório da empresa de consultoria Econo, que o governador tocou, quando estava fora do governo com o ex-secretário da Fazenda José Teófilo. A consultoria, segundo BJ, funcionava no Edifício Corporate Center, na Avenida. Nossa Senhora da Penha. O ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura vinha ao Estado exclusivamente para essas conversas com Hartung, já que a parte do dinheiro era tratada com Bragato.
 
Argumento desmontado
 
Outro aspecto do depoimento que chama atenção é o fato de ele desmontar a justificativa apresentada pelo governador para responder às acusações. Nessa quarta-feira (12), em entrevista ao Bom Dia ES, o governador afirmou que “as acusações são mentirosas, delirantes e não se mantêm de pé”.
 
O argumento utilizado pelo governador foi de que nem em 2010 e nem em 2012 disputou as eleições, por isso, não teria sentido solicitar o recurso de campanha. Ele foi acusado de receber R$ 1 milhão para campanhas eleitorais, que foram repassadas por meio de caixa 2. "Estou indignado. Essa delação em relação à minha pessoa não é uma delação, é um delírio. Não tem outra forma de caracterizar", disse.
 
Mas em seu depoimento, Benedicto detalhou como se deram os repasses. O executivo afirmou que em 2010 foi procurado pelo governador Paulo Hartung com um o objetivo de pedir ajuda para as campanhas de aliados. Na época ele estava encerrando o mandato de governador, não ia concorrer, mas tinha um grupo político em torno dele, e que o valor pedido foi de R$ 1 milhão, divididos em quatro parcelas de R$ 250 mil. É nesse contexto da delação que entra o aliado político histórico de Hartung, Neivaldo Bragato. Sempre atuando como eminência parda que acompanha o governador desde os tempos de movimento estudantil.
 
“Eu perguntei qual a pessoa com quem eu iria tratar disso e ele indicou uma pessoa da confiança dele, que é o Neivaldo Bragato. Eu coloquei o Sérgio Neves que era o diretor-superintendente que cuidava de Minas e Espírito Santo em contato com o Neivaldo Bragato. O Sérgio me informou que nos fizemos quatro pagamentos de R$ 250 mil cada um. Foram feitos pelo Rio de Janeiro, em hotéis do Rio de Janeiro, em espécie, provenientes do sistema de operações estruturais da Odebrecht [conhecido como Departamento da Propina]. Eu trago como colaboração as programações de pagamento executadas. O primeiro ilícito em relação ao doutor Paulo Hartung foi esse”, disse.
 
Na campanha de 2012, entra em cena outro operador para a captação de recursos de caixa 2 para campanhas. “Em 2012, novamente, em uma campanha a prefeituras do Espírito Santo, ele me procurou e pediu ajuda para o partido. Os candidatos que o partido apoiaria no Espírito Santo. E eu autorizei a importância de R$ 80 mil para campanhas do PMDB para campanhas do ES. Essa programação foi feita no dia 3 do nove de 2012 em Vitória. O Sérgio Neves, que é meu executivo, me informou que a pessoa que recebeu esse dinheiro foi Roberto Carneiro, que trabalhava no escritório de campanha do partido PMDB em Vitória”, disse.
 
Documentos
 
Para comprovar as denúncias, o executivo apresentou durante a delação alguns documentos sobre os fatos relatados. A primeira prova foi o extrato fiel do Outlook de Benedicto, com os emails trocados com o governador. Também apresentou os telefones e endereços de Hartung onde aconteceram os encontros e as secretárias que atendiam as ligações, Simone Módulo (atual subsecretária de Estado de Turismo) e Dayse.
 
Ele também entregou outro documento, que traz uma síntese dos pagamentos que foram extraídos dos sistemas da empresa e que foram entregues integralmente ao Ministério Público, corroboração das provas. “Aqui tem um resumo dos pagamentos, mas tem planilhas com e-mails, demonstrando pagamentos, planejamento e programação de pagamentos para o codinome “Baianinho”, que era o codinome que adotamos, por ser um Estado próximo à Bahia, que era o codinome que usávamos pra o doutor Paulo Hartung”, afirmou.
 
Ao ser perguntado se o governador sabia que o dinheiro seria repassado via caixa dois, o delator disse acreditar que sim.  Quando ele pediu o dinheiro nós dois não discutimos. Depois, quando o Sérgio conversou com o Neivaldo eles detalharam como seria. Como era um valor muito acima de uma doação que nós faríamos a um partido ou um candidato, o Sérgio ficou... o Neivaldo, inclusive, de fazer caixa 2. Como o Neivaldo era uma pessoa de confiança do doutor Paulo, por isso eu pressuponho que o doutor Paulo sabia que iríamos fazer caixa 2.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Disputa indefinida

Hoje, a raia que tem a linha de chegada no Palácio Anchieta tem apenas dois competidores: PH e Rose. O campo de oposição às lideranças de perfil tradicional ainda está aberto

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
A escolha de Sofia
Os prefeitos do Estado têm de escolher entre Rose de Freitas ou Paulo Hartung
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Sopa de Letrinhas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Disputa indefinida

Mexer no PDU pode custar caro aos vereadores

À medida que a eleição se aproxima, perfil da equipe de Hartung se torna mais político

Justiça recebe ação penal contra ex-prefeito e vereadores de Barra de São Francisco

'Agricultura e cultura no nosso quilombo é a mesma coisa'