Seculo

 

Delação revela que Neivaldo Bragato era ‘executivo de Hartung’ para caixa 2


13/04/2017 às 14:46
A referência ao nome do ex-secretário de Gabinete do governador Paulo Hartung (PMDB) e atual conselheiro do Banestes, Neivaldo Bragato – próximos, desde a época do movimento estudantil – reforça a acusação de “caixa dois” ao mandatário do Palácio Anchieta, citado na delação de executivos da Odebrecht. O braço direito de Hartung já exerceu vários postos nas gestões do peemedebista e está atualmente como representante do governo do Estado no Conselho de Administração do Banestes.
 
Em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), o ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa da Silva Júnior, afirmou que repassou R$ 1 milhão para Hartung, através de quatro repasses em dinheiro para Bragato – que teria recolhido os valores em hotéis na zona sul do Rio de Janeiro, em setembro de 2010. Naquela ocasião, ele atuava como titular da Secretaria de Transportes e Obras Públicos (Setop), onde permaneceu por quase todos os dois primeiros mandatos de Hartung.
 
Benedicto mostrou conhecimento ao descrever o local do escritório de consultoria Éconos, onde Hartung atuou logo após deixar o governo (em 2010) ao lado do sócio, o ex-secretário da Fazenda, José Teófilo de Oliveira. Na delação, o ex-executivo informou a localização exata do prédio em que funcionava a Éconos, na Reta da Penha, em Vitória, além dos nomes das principais auxiliares de Hartung na empresa, Deise e Simone – esta última Simone Modolo, secretária do então ex-governador na firma e que também atuou como chefe de Gabinete no Palácio (hoje ela é subsecretária de Turismo na atual gestão do peemedebista).
 
No termo de colaboração, nome dado à delação pelo MPF,  o ex-executivo detalhou que o pagamento do caixa dois a Hartung foi feito através do setor de Operação Estruturadas da empresa, que concentrava o esquema de propina do grupo. Os repasses teriam sido feitos pela equipe de Hilberto Silva ao peemedebista, sendo que os contatos da “operação” eram Sérgio Neves pela Odebrecht e Bragato pela parte do governador. Tudo isso apenas escancara a relação antiga entre o peemedebista e sua “pessoa de confiança”. Para Benedicto, Hartung teria conhecimento de que se tratava de caixa dois.
 
Chama atenção que Bragato sempre foi apontado como a principal figura ligada ao governador junto ao empresariado. Tanto que, logo após o fim da primeira “era Hartung”, ele foi rapidamente alçado à presidência da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan), no início da gestão Renato Casagrande (PSB), que foi apoiado por Hartung no pleito de 2010. Bragato deixou o cargo de maneira brusca em 2013, coincidentemente, após o grupo Odebrecht ser preterido na concessão de saneamento no município da Serra.
 
Dentro do grupo de pessoas ligadas a Bragato se destacam outros importantes personagens durante a Era Hartung – e que seguem próximas à administração do peemedebista. Casos do atual secretário de Transportes, Paulo Ruy Carnelli, que sucedeu Bragato na companhia – após retornar de um período como consultor da Odebrecht. Outros nomes são da atual diretora de Administração e Finanças do Bandes, Denise de Moura Cadete Gazzinelli Cruz, e de sua assessora, Marilza Barbosa Prado Lopes. As duas exerceram diversos cargos públicos nas primeiras de gestões de Hartung e hoje estão abrigadas na instituição financeira estatal.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Equilibrista

Reestruturação de Luciano Rezende joga luz, mais uma vez, na delimitação de espaços de aliados da linha de frente, Gandini e Sérgio de Sá

OPINIÃO
Editorial
Morta-viva
Enfim, cumpre-se o destino óbvio no País das relações promíscuas: a Samarco/Vale-BHP tem as primeiras licenças ambientais para voltar a operar
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Roberto Junquilho
A política e os poker face
Transferência de atribuições de César Colnago deixa o terreno limpo para movimentações de 2018
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Destino e acaso

A política e os poker face

Deputados querem explicações do secretário de Meio Ambiente sobre licenças à ETE da Vale

Equilibrista

Governo reduz atribuições de Colnago e cria sistema de políticas sobre drogas