Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Não existe almoço grátis


13/04/2017 às 15:40

Quando o ex-executivo da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Júnior, o BJ, diz que não recebeu nenhuma contrapartida do governador Paulo Hartung (PMDB), é preciso pensar melhor, afinal, a lei do mercado, que o governador segue tão fielmente diz que não existe almoço grátis.

O próprio Hartung sempre administrou o governo do Estado como uma empresa, minimizando ao máximo o papel do Estado e estreitando as parecerias com a iniciativa privada. Por isso, não dá para acreditar que os recursos foram repassados pela empresa às campanhas dos aliados do governador por pura questão de afinidade.

Não é por causa do papo e do cafezinho que BJ se despencava para Vitória “conversar” com o governador, em seu escritório de consultoria. Talvez sem perceber, ele deixa transparecer isso. Na tentativa de elogiar o governador, ele acaba mostrando que Hartung fazia uma espécie de consultoria para a empresa.

Em um Estado pequeno, Hartung era tido como um bom formador de opinião. Na verdade estamos falando de um governador que desde 2003, seja diretamente quando estava à frente do governo, seja indiretamente, quando influenciava no mandato do sucessor, Renato Casagrande (PSB), sempre foi a grande liderança política do Estado.

Com o tabuleiro eleitoral na mão, o governador sabia muito bem como mover suas peças. Assim também funcionava no campo econômico do Estado. As conversas valiosas que Benedicto tinha com Hartung mostravam para ele o cenário do Estado e quando e como seria importante investir ou recuar em um negócio no Estado.

Na verdade, o elogio de BJ pouco adianta para limpar a barra do governador. É verdade, e isso sempre se comentou nos meios políticos, Hartung não era o tipo do cara que estava na política visando enriquecimento, embora tenha um patrimônio invejável para quem não tem assinatura alguma na carteira de trabalho, mas se tem uma coisa que Hartung sabe acumular é poder.

E como detentor, por muito tempo da unanimidade no Estado, tinha o controle total da classe política e empresarial capixabas e isso é mais do que apenas interessante para uma empresa que tem relações tão estreitas com o poder, como a Odebrecht.

Fragmentos:

1 – Na lista de pagamentos da Odebrecht, os apelidos dos políticos capixabas são interessantes: Hartung é Baianhinho; Renato Casagrande é Centroavante, Ricardo Ferraço é Duro, Luiz Paulo Vellozo Lucas é Filhote, e Luciano Rezende, Filho do Reino.

2 – Como vai ficar a situação do diretor geral da Assembleia, Roberto Carneiro depois dessa bomba com a delação de Benedito Júnior? Alçado ao cargo há menos de dois meses, o pedetista é citado na delação de Benedito Júnior. Isso complica a situação para o lado da Assembleia.

3 – A mudança no tabuleiro de 2010, com a substituição de Ricardo Ferraço por Renato Casagrande também surpreendeu o setor de caixa 2 da Odebrecht. Estavam contando com um cenário, em que Ricardo fosse o candidato ao governo e Hartung ao Senado.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Descompasso

Hartung priorizou tanto lotear a gestão com quadros políticos, que os embates ocorrem na contramão de sua própria estratégia. Rodney Miranda que o diga...

OPINIÃO
Editorial
Esgoto veio à tona
Manietada pelo governo, CPI para investigar Cesan se torna obrigatória após denúncias envolvendo a companhia
Piero Ruschi
O desmanche do Museu Mello Leitão
Um ato de desrespeito à população que foi camuflado e conta com o apoio da própria diretoria e sua associação de amigos
Renata Oliveira
Vai liberar?
Rodrigo Janot pode criar um precedente muito ruim para a política brasileira ao anistiar quem recebeu o “caixa dois do bem”
Caetano Roque
Desmonte em curso
Enquanto o movimento sindical dorme , o capital segue a passos largos a retirada de direitas
Nerter Samora
#SomosTodosBaianinho
Causa espécie um encontro às portas fechadas entre o governo e parte do empresariado capixaba logo após a “delação do fim do mundo”
Geraldo Hasse
O despudor do poder
O marqueteiro-mór pagou multa de R$ 30 milhões à Justiça, deu depoimento e saiu rindo
JR Mignone
Inquietudes políticas
O ''Fica, temer'' de Gaspari e a pesquisa que confirma a memória curta do eleitor
Caetano Roque
Greve na rua
É hora de o trabalhador dar a resposta as ações antidemocrática do governo golpista
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

CPI da Odebrecht quer investigar contratos de empreiteiras com setor público

Descompasso

Sindicato quer que Nestlé preste esclarecimentos sobre possível venda da marca Serenata de Amor

Empresa de informática nega irregularidades em contratos com a Sesa

Assembleia barra projeto que acaba com exclusividade da Cesan na região metropolitana