Seculo

 

Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos não tem estrutura para atender à população


15/04/2017 às 17:37
O Sindicato dos Policiais Civis do Estado (Sindipol-ES) fez uma inspeção na Delegacia de Furtos e Roubos (DFRV) de Vitória, na última semana, e se deparou com a unidade lotada de vítimas de roubos que aguardavam por atendimento. O aumento no número de casos de furtos e roubos, combinado com o baixo efetivo de policiais, atenuou a lotação na delegacia.

No momento em que os representantes da entidade chegaram na delegacia, as próprias vítimas distribuíam senhas para organizar o atendimento, já que havia apenas um policial civil para a confecção de ocorrências.

No local em que são realizadas as perícias, há um acúmulo de motos empoeirada que estão no local por falta de efetivo para dar vazão às análises que precisam ser feitas.

Essa precariedade nas unidades policiais – que prejudicam o atendimento às vítimas e os policiais, por conta do ambiente insalubre – se repete em outras delegacias. Nas semanas anteriores, o sindicato havia feito outra inspeção, desta vez na DFRV da Serra, mais especificamente no pátio de Alterosas, para onde são encaminhados veículos apreendidos.

Na inspeção, os representantes do Sindipol constataram que o pátio não tem condições de receber os veículos que chegam ao local diariamente. Muitos desses veículos já se acumulam na parte administrativa da DFRV, que é a responsável pelo pátio.

Além disso, o efetivo responsável por zelar pela delegacia e pelo pátio é muito reduzido. São apenas cinco policiais civis que têm de fazer serviços de administração, vistoria, perícia, cadastramento e entrega de veículos.

As condições de trabalho no pátio também são insalubres. O local foi “pavimentado” com uma mistura de cimento e pó de minério, o que provoca a subida de poeira, representando risco de problemas respiratórios em quem frequenta o lugar.

Os veículos, além do acúmulo de água de chuva, também têm combustível nos tanques, o que representa risco de incêndio. Os policiais que atuam no pátio fazem ainda uso de produtos químicos no trabalho, mas não recebem equipamentos de segurança para o manuseio, o que também põe em risco a saúde dos profissionais.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

A montagem da cena

Defensoria Pública apura responsabilidades em mortes de bebês na UTI do Hospital Infantil de Vila Velha