Seculo

 

Todos iguais


15/04/2017 às 18:58

Se a quinta-feira feira começou com a delação de Benedicto Júnior desmontando o discurso do governador Paulo Hartung (PMDB) sobre as denúncias de que ele recebera R$ 1 milhão da Odebrecht, ela terminou com o discurso de Renato Casagrande (PSB), de que todas as doações foram legais também caindo por terra, com a delação de Sergio Neves, de que ele recebera R$ 1,8 milhão em 2010.

É mais uma situação em que Hartung e Renato Casagrande se mostram frutos da mesma árvore. As lideranças que polarizam a disputa política no Estado, embora tentem disputar se colocando em lados opostos e apontando o dedo para o oponente como se todo mal estivesse do outro lado, acabam sendo encurraladas nos mesmos becos escuros.

A coluna não vai aqui condenar nenhuma delas pelas acusações que precisam ser comprovadas juridicamente. Mas o efeito devastador na imagem de ambos leva a reflexão para 2018 de um cenário em que nenhum dos dois terá mais condição de dar as cartas, depois da hecatombe desta quinta-feira.

Isso se focarmos apenas nos dois principais atores políticos, que dividiram o Estado em 2014, porque a situação do prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), que ensaiava uma terceira via, também não é nada boa. Hoje não há segurança política no Estado e não se observa nos grupos que se articulavam para disputa do próximo ano um nome que possa salvar o jogo. O tabuleiro está limpo e novas peças devem ser colocadas nele, porque essas já não servem mais.

Os processos prometem ser demorados e sem uma comprovação da culpa ou de inocência, a dúvida prevalecerá sobre a classe política como um todo. Se até o final de janeiro Hartung estava com a corda toda, hoje se tornou tóxico para a classe política. Se nessa quarta-feira, Renato Casagrande era o menos complicado por estar na planície, hoje também já não é uma boa companhia aos olhos do eleitor.

O que resta saber é quem vai conseguir sair desse tsunami em condições de uma disputa eleitoral. Quanto a Hartung, a dúvida é sobre como ele vai conseguir levar seu mandato até o fim com a imagem em frangalhos.
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesmo barco

Se Majeski deixar o PSDB e decidir por uma candidatura majoritária, primeiro tucano a revoar atrás será Luiz Paulo Vellozo Lucas

OPINIÃO
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Só espuma
Os pretensos vices-presidentes Paulo Hartung e Magno Malta se mostram ao mercado, mas só terão seus encaixes em 2018
Gustavo Bastos
A adolescência e o mal
Crianças doces podem se tornar verdadeiros celerados na adolescência
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
Agora é tarde
Não adianta a bancada fazer discurso a favor do trabalhador se ela votou quase à unanimidade a favor do impeachment
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Mesmo barco

MPES quer fim do uso de comissionados na segurança da Assembleia

Governador do Ceará teve mais para mostrar nos Estados Unidos do que Hartung

Cinco prefeituras têm 60 dias para regularizar portais da transparência

Arquivada denúncia de irregularidades na compra de software pelo IPAJM