Seculo

 

Delações jogam Casagrande e Hartung na mesma vala


14/04/2017 às 11:50
A divulgação dos vídeos com as delações premiadas dos ex-executivos da Odebrecht caiu como uma bomba no cenário político do Estado, já que afetou em cheio as principais lideranças capixabas, com destaque para Paulo Hartung (PMDB) e seu antecessor, Renato Casagrande (PSB), além do senador, Ricardo Ferraço (PSDB) e o prefeito da Capital, Luciano Rezende (PPS).
 
A bomba sobre Hartung foi pesada porque revelou a atuação do governador junto aos operadores da empreiteiras, quando estava na planície, como “consultor informal” da Odebrecht, em troca de recursos para seus aliados nas campanhas eleitorais de 2010 e 2012. 
 
Em 2011, recém saído do governo, Hartung tinha muitas informações sobre as potencialidades de negócios no Estado, o que atraia o ex-presidente da  Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior ouvir Hartung. As conversas, não por acaso, aconteciam na empresa de consultoria Éconos, a qual Hartung tocava em sociedade com seu ex-secretário de Fazenda, José Teófilo.
 
No caso de Renato Casagrande, o peso simbólico de ter negociado recursos da empresa dentro do Palácio Anchieta, como revelou o delator Sérgio Neves, deixa a coisa aparentemente mais grave, se comparada ao modus operandi de Hartung, bem mais discreto. Embora as contrapartidas prometidas à empreiteira - Quarta Ponte, BRT e túnel Vitória-Vila Velha - pareçam ser apenas um blefe de casagrande para conseguir os recursos da empresa, a negociação na sede do governo eleva o tom da denúncia, caso a delação de Neves seja comprovada.
 
Dadas as devidas proporções, porém, ambos estão rigorosamente na mesma vala: tanto Casagrande como Hartung correm o risco de ficar de fora do processo eleitoral de 2018. Se a Odebrecht investiu nos dois, porque entendia que, primeiro Hartung era o grande articulador político do Estado e a partir da eleição de 2010, passa a dividir esse controle com Casagrande, a situação muda completamente esta semana.
 
Se comprovados os conteúdos das delações, os principais atores da política capixaba estarão agora unidas por um mesmo crime: o caixa dois. Independentemente do modo de atuação de cada um nas “negociatas” delatas, a irregularidade é a mesma.
 
Batalha nas redes sociais
 
Enquanto a Justiça não toma uma decisão - e isso pode levar anos -, a guerra de bastidores já começou. Na quinta-feira (13), antes da divulgação do vídeo com a delação de Sérgio Neves, o ex-governador vinha reafirmando que as doações que recebera haviam sido legais, mas a divulgação do vídeo do delator desmontou essa tese. 
 
Da mesma forma que Hartung vinha defendendo que não teria recebido recursos da Odebrecht, simplesmente porque não disputou as eleições em 2010 e 2012, afirmação também desmontada na delação de Benedicto Júnior, que esclareceu que o dinheiro (R$ 1,080 milhão) repassado ao operador de Hartung, Neivaldo Bragato, seria destinado a aliados do peemedebista.
 
Nesta sexta-feira (14), a batalha foi transferida para as redes sociais. Ao mesmo tempo em que parte da imprensa deixa de lado ou “alivia” as acusações ao governador e faz carga na delação de Neves sobre Casagrande, um texto vem sendo divulgado nas redes sociais (veja abaixo), dizendo que a situação de Hartung é diferente da de Casagrande porque o governador não é acusado de corrupção e sim, de crime eleitoral.
 
Mas a questão não é bem assim, as "consultorias informais" de Hartung podem ser interpretadas como crime de tráfico de influência. Casagrande ofereceu vantagem, mas não houve efetivamente uma obra em que a Odebrecht fosse contemplada em seu governo, mas a negociata já poderia ser considerada crime.
 
Tanto Casagrande quanto Hartung tiveram seus casos enviados à Justiça, Hartung, por estar no cargo de governador terá seu caso analisado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ); já o de Casagrande, sem mandato, portanto, sem prerrogativa de foro, segue para o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2). Caso sejam considerados culpados das acusações, ambos estarão condenados por colegiado, ou seja, com a ficha suja e direitos políticos suspensos, o que os deixaria fora da disputa de 2018.
 
Reflexão
 
- O governador Paulo Hartung NÃO é investigado por corrupção.
 
- O que tentam atribuir a ele é crime eleitoral. Mas o governador  nem foi candidato em 2010 e 2012 . E também não pediu doações para ninguém. Essa injustiça vai ser desmontada no STJ.
 
- O próprio delator isenta o governador e disse:  ele nunca se movimentou para dar benefícios à empresa . Nunca . O delator também diz que o governador não é patrimonialista. 
 
- A situação dele é bem diferente de Luciano Rezende e  Renato Casagrande - eles são acusados  de vantagem indevida . Ou seja :  corrupção

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete

Contratação do Instituto da Mata Atlântica gera PAD contra gerente do Iema