Seculo

 

Quem sobra?


14/04/2017 às 12:14

De terça-feira para cá, muita coisa mudou no cenário político do Estado, com a bomba que atingiu as principais lideranças que se colocavam na vitrine para 2018. Os nomes cotados para a disputa ao governo e ao Senado se desvalorizaram e muita gente já os coloca como cartas fora do baralho. Será possível se recuperar de um golpe tão duro até o início da eleição do próximo ano?

Rápido e rasteiro, o governador Paulo Hartung (PMDB) parece já estar tomando nos bastidores suas medidas de contenção de crise. A ideia dos emissários é tentar jogar carga nos desgastes de Ricardo Ferraço (PSDB) e Renato Casagrande (PSB). Mais uma vez, Hartung deixa de lado o requinte e deixa transparecer a manobra para se salvar.

O tucano, fora do páreo, abriria a tão sonhada vaga ao Senado, além de aliviar o peso sobre o governador. No caso do antecessor, a ideia é apontar para o socialista, como quem diz: "Ele está mais feio na foto do que eu". Não está. A coisa para o lado de Casagrande é séria, mas Hartung não fica muito longe disso também.

Em menor escala, o desgaste afeta ainda o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), que parecia uma perigosa estrela em ascensão para o processo eleitoral. Também afeta indiretamente seu adversário em 2016, Amaro Neto (SD), afinal, Roberto Carneiro (PDT), operador de Hartung em 2012, foi seu vice na disputa à prefeitura e é o diretor da Assembleia Legislativa indicado por Amaro.

O respingo da Odebrecht nos principais caciques da disputa eleitoral do Estado abre espaço para as novas lideranças, mas é preciso cuidado. Hoje, Casagrande, Hartung, Luciano e Ricardo são figuras tóxicas para o eleitorado. Estar perto deles é correr o risco de contaminar as imagens. Com o selo Lava Jato na testa, nenhuma dessas lideranças poderá ser uma boa companhia de palanque, afinal, as delações serão um prato cheio para os adversários.

Independentemente do tempo que leve o julgamento nas instâncias judiciais, o linchamento público já começou, uma malhação de judas que vai muito além do Sábado de Aleluia. Quanto aos acusados, caberá correr atrás da comprovação de suas inocências o quanto antes. Não que isso garanta uma absolvição pública, mas permanecer na dúvida poderá ser ainda pior. E o relógio está correndo!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesmo barco

Se Majeski deixar o PSDB e decidir por uma candidatura majoritária, primeiro tucano a revoar atrás será Luiz Paulo Vellozo Lucas

OPINIÃO
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Só espuma
Os pretensos vices-presidentes Paulo Hartung e Magno Malta se mostram ao mercado, mas só terão seus encaixes em 2018
Gustavo Bastos
A adolescência e o mal
Crianças doces podem se tornar verdadeiros celerados na adolescência
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
Agora é tarde
Não adianta a bancada fazer discurso a favor do trabalhador se ela votou quase à unanimidade a favor do impeachment
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Mesmo barco

MPES quer fim do uso de comissionados na segurança da Assembleia

Governador do Ceará teve mais para mostrar nos Estados Unidos do que Hartung

Cinco prefeituras têm 60 dias para regularizar portais da transparência

Arquivada denúncia de irregularidades na compra de software pelo IPAJM