Seculo

 

Quem sobra?


14/04/2017 às 12:14

De terça-feira para cá, muita coisa mudou no cenário político do Estado, com a bomba que atingiu as principais lideranças que se colocavam na vitrine para 2018. Os nomes cotados para a disputa ao governo e ao Senado se desvalorizaram e muita gente já os coloca como cartas fora do baralho. Será possível se recuperar de um golpe tão duro até o início da eleição do próximo ano?

Rápido e rasteiro, o governador Paulo Hartung (PMDB) parece já estar tomando nos bastidores suas medidas de contenção de crise. A ideia dos emissários é tentar jogar carga nos desgastes de Ricardo Ferraço (PSDB) e Renato Casagrande (PSB). Mais uma vez, Hartung deixa de lado o requinte e deixa transparecer a manobra para se salvar.

O tucano, fora do páreo, abriria a tão sonhada vaga ao Senado, além de aliviar o peso sobre o governador. No caso do antecessor, a ideia é apontar para o socialista, como quem diz: "Ele está mais feio na foto do que eu". Não está. A coisa para o lado de Casagrande é séria, mas Hartung não fica muito longe disso também.

Em menor escala, o desgaste afeta ainda o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), que parecia uma perigosa estrela em ascensão para o processo eleitoral. Também afeta indiretamente seu adversário em 2016, Amaro Neto (SD), afinal, Roberto Carneiro (PDT), operador de Hartung em 2012, foi seu vice na disputa à prefeitura e é o diretor da Assembleia Legislativa indicado por Amaro.

O respingo da Odebrecht nos principais caciques da disputa eleitoral do Estado abre espaço para as novas lideranças, mas é preciso cuidado. Hoje, Casagrande, Hartung, Luciano e Ricardo são figuras tóxicas para o eleitorado. Estar perto deles é correr o risco de contaminar as imagens. Com o selo Lava Jato na testa, nenhuma dessas lideranças poderá ser uma boa companhia de palanque, afinal, as delações serão um prato cheio para os adversários.

Independentemente do tempo que leve o julgamento nas instâncias judiciais, o linchamento público já começou, uma malhação de judas que vai muito além do Sábado de Aleluia. Quanto aos acusados, caberá correr atrás da comprovação de suas inocências o quanto antes. Não que isso garanta uma absolvição pública, mas permanecer na dúvida poderá ser ainda pior. E o relógio está correndo!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado