Seculo

 

Quem sobra?


14/04/2017 às 12:14

De terça-feira para cá, muita coisa mudou no cenário político do Estado, com a bomba que atingiu as principais lideranças que se colocavam na vitrine para 2018. Os nomes cotados para a disputa ao governo e ao Senado se desvalorizaram e muita gente já os coloca como cartas fora do baralho. Será possível se recuperar de um golpe tão duro até o início da eleição do próximo ano?

Rápido e rasteiro, o governador Paulo Hartung (PMDB) parece já estar tomando nos bastidores suas medidas de contenção de crise. A ideia dos emissários é tentar jogar carga nos desgastes de Ricardo Ferraço (PSDB) e Renato Casagrande (PSB). Mais uma vez, Hartung deixa de lado o requinte e deixa transparecer a manobra para se salvar.

O tucano, fora do páreo, abriria a tão sonhada vaga ao Senado, além de aliviar o peso sobre o governador. No caso do antecessor, a ideia é apontar para o socialista, como quem diz: "Ele está mais feio na foto do que eu". Não está. A coisa para o lado de Casagrande é séria, mas Hartung não fica muito longe disso também.

Em menor escala, o desgaste afeta ainda o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), que parecia uma perigosa estrela em ascensão para o processo eleitoral. Também afeta indiretamente seu adversário em 2016, Amaro Neto (SD), afinal, Roberto Carneiro (PDT), operador de Hartung em 2012, foi seu vice na disputa à prefeitura e é o diretor da Assembleia Legislativa indicado por Amaro.

O respingo da Odebrecht nos principais caciques da disputa eleitoral do Estado abre espaço para as novas lideranças, mas é preciso cuidado. Hoje, Casagrande, Hartung, Luciano e Ricardo são figuras tóxicas para o eleitorado. Estar perto deles é correr o risco de contaminar as imagens. Com o selo Lava Jato na testa, nenhuma dessas lideranças poderá ser uma boa companhia de palanque, afinal, as delações serão um prato cheio para os adversários.

Independentemente do tempo que leve o julgamento nas instâncias judiciais, o linchamento público já começou, uma malhação de judas que vai muito além do Sábado de Aleluia. Quanto aos acusados, caberá correr atrás da comprovação de suas inocências o quanto antes. Não que isso garanta uma absolvição pública, mas permanecer na dúvida poderá ser ainda pior. E o relógio está correndo!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Por trás das cortinas

Hartung não ataca mais Casagrande como antes. E vice-versa

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Luiz Paulo disputará cadeira na Câmara dos Deputados pelo PPS

Sesc Glória abre inscrições para propostas de apresentações

Manobras perigosas

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos

Banalização