Seculo

 

Famílias que ocupam terreno em Vitória cobram diálogo com o poder público


16/04/2017 às 14:36
Fotos: Leonardo Sá/Porã


Para as famílias que ocupam um terreno entre os bairros Grande Vitória e Universitário, em Vitória, os proprietários do terreno ainda não apresentaram documentos que provem a posse da área. Uma decisão determinando a reintegração de posse da área já foi expedida pela Justiça. “Se de fato eles comprovarem que são donos da propriedade, a gente pretende sair do local pacificamente. Só que o poder público tem que pegar essas familiar e botar em outro local”, pondera o MC Tim Funk da Paz, um dos líderes do movimento.
 
A ocupação começou no último dia 3. Segundo Tim, cerca de 700 famílias ocupam hoje o terreno, que foi dividido em 10 lotes. “Na determinação do juiz eles solicitam que os possíveis donos do terreno apresentem um documento [que comprove a propriedade]. Mas até o presente momento, não foi apresentado”, defende.
 
Durante toda a manhã e início da tarde da última quarta-feira (12), cerca de 200 pessoas protestaram pelas ruas de Vitória cobrando uma solução para o impasse. O protesto partiu às 7h30 do Parque Tancredão em direção à Câmara de Vitória, em Bento Ferreira, de onde, às 11h, seguiram para a Assembleia Legislativa, na Enseada do Suá. Duas horas depois, os manifestantes voltaram em direção à sede da prefeitura, em Bento Ferreira.
 
Os manifestantes apitavam e erguiam cartazes cobrando moradia. Segundo Tim, a intenção do protesto foi sensibilizar o poder público. “A gente pede que o poder público se manifeste. Até então só a justiça se manifestou, pedindo para a gente sair”, critica. Na Câmara, foram recebidos apenas pelo vereador Duda Brasil (PDT). Na Assembleia, a deputada estadual Eliana Dadalto (PTC) ouviu as demandas dos manifestantes.
 
Uma das manifestantes foi a dona de casa Teresa dos Santos. Há nove anos, Teresa foi removida pela prefeitura da casa que morava em Forte São João. A edificação foi erguida em Área de Proteção Ambiental (APP). Teresa foi levada para um abrigo em Andorinhas, onde ficou por um ano. Desde então, é beneficiária de Aluguel Social. Nove anos, quatro bairros e dois netos depois, hoje ela mora de aluguel em Bela Vista com três filhos e três netos. Recebe R$ 900 de Aluguel Social.
 
Saiu às ruas para lutar por uma moradia própria. Cobra, comos tanto ali, a concessão de Bônus Moradia pela prefeitura - hoje, de R$ 39 mil. “Quero minha casa, não aguento mais”, diz. Enquanto engrossava o coro do protesto, duas filhas tomavam conta do lote que ocupavam em Grande Vitória.
 


Por ser localizada numa fração mais alta do bairro, a ocupação é chamada de Alto Grande Vitória. Reúne moradores sem casa própria dos bairros do entorno, como Grande Vitória, Inhanguetá, Bela Vista e São Pedro. “Lá tem pessoas com pessoas com Aluguel Social atrasado e vários problemas sociais. Há pessoas desempregadas que não têm onde morar. O município tem o dever de garantir moradia”, diz Tim. 
 
Tim é fundador do conhecido projeto social Funk da Paz, que este ano completa uma década de vida utilizando o gênero para retirar jovens de comunidades de baixa renda da mira da criminalidade. Ele faz uma avaliação positiva do protesto. “Conseguimos marcar reuniões com o poder público. Acredito que vamos ter um novo direcionamento nessa história”, diz.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado