Seculo

 

Movimento empresarial tenta blindar Hartung da delação da Odebrecht


17/04/2017 às 12:51
Convocado por Paulo Hartung (PMDB), o núcleo duro de apoio ao governador trabalha para desviar e neutralizar as delações da Odebrecht de cima do chefe do Executivo estadual. Hartung sentiu o golpe da delação do ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Júnior (BJ), que afirmou ter doado, via caixa dois, R$ 1,080 milhão para o peemedebista irrigar as campanhas de seus aliados políticos nas campanhas de 2010 e 2012.
 
Para tirar o foco de cima de si, Hartung recorre a um segmento que sempre atuou como aliado do Palácio Anchieta no ramo empresarial. A ONG empresarial Espírito Santo em Ação promove um ato de desagravo ao governador nesta segunda-feira (17) com o intuito de separá-lo dos demais denunciados da Lava Jato. A ONG reúne os mais importantes empresários do Estado do ponto de vista político e, neste momento de fragilidade de Hartung, querem demonstrar sua solidariedade ao chefe do Executivo estadual.
 
Outra estratégia que vem sendo tocada nas redes sociais pela tropa de choque do governador é tentar separar crimes de corrupção de crime eleitoral. A argumentação de que Hartung não estava no governo na época dos repasses da empreiteira seria o pano de fundo dessa defesa, mas não se sabe como o governador aplicou os recursos recebidos, o envolvimento de um aliado de longa data do governador, Neivaldo Bragato, também prejudica essa defesa.
 
No campo político, o governador se reuniu na manhã desta segunda-feira (17) com cerca de 20 deputados estaduais da base. A ideia seria a de criar uma linha de defesa para neutralizar na Assembleia, na sessão desta segunda-feira, um eventual ataque do grupo de deputados insatisfeitos no Plenário, o que poderia causar mais desgaste ao governador.
 
Ao mesmo tempo, Hartung busca colocar carga nas denúncias contra outras lideranças políticas do Estado que aparecem nas delações e na listas do Departamento de Propina da Odebrecht, sobretudo o ex-governador Renato Casagrande (PSB), desafeto político de Hartung, que também aparece na delação de Sérgio Neves, como tendo negociado cerca de R$ 2 milhões para campanhas de 2010 e 2012. 
 
O senador Ricardo Ferraço (PMDB) é outro citado na delação com o financiamento, também via caixa 2, de R$ 400 mil. O nome do senador, que tem peso político no Estado, tem sido muito explorado por parte da imprensa capixaba e acaba funcionando de “isca” para tirar as atenções sobre o governador Paulo Hartung.
 
Reação
 
Nas redes sociais circula um texto contra-atacando a estratégia do governador de tentar se excluir das denúncias que o associam a escândalo da Odebrecht. 
 
A carta virtual, assinada pelo Fórum das Entidades Sociais, critica a manobra do governo. “Paulo Hartung foi delatado. Tinha o apelido de Baianinho da Odebrecht. Recebeu 1 milhão de reais em propinas. Tem que responder por seus atos”.
 
Mais à frente as entidades convocam a população: “A única chance que a sociedade capixaba tem é se unir pelas redes sociais e desmascarar a farsa que será montada dentro do Palácio Anchieta, nesta segunda-feira, dia 17 de abril, às 14h30”. Leia a seguir a íntegra da carta.
 
ALERTA AO POVO CAPIXABA
 
Uma grande maracutaia está sendo montada no Espírito Santo.
 
Os grandes empresários do Estado, reunidos no Movimento Espírito Santo em Acão e no tal Fórum de Entidades e Federações (FEF), resolveram fazer um ato de apoio ao Paulo Hartung, agora conhecido como Baianinho da Odebrecht, por ter recebido 1 milhão de reais daquela empreiteira, como propina.
 
Esses grandes empresários sempre se sentiram donos do Estado e sempre se beneficiaram dos benefícios fiscais que Paulo Hartung, o Baianinho, deu para eles. Ou seja, diferentemente da população e dos pequenos empresários, eles não pagam todos os impostos que devem.
 
Dos dois jornais que fazem parte desse grupo de grandes empresários, e que vivem tomando vinhos com Paulo Hartung na Aldeia e em Pedra Azul, A Gazeta mostrou a verdade e agora já parou de falar no assunto. A Tribuna, sequer tem coragem de publicar o nome de Paulo Hartung. De uma maneira até ridícula, A Tribuna coloca o nome de todos os políticos capixabas citados, mas esconde o nome de Paulo Hartung. Por que A Tribuna faz isso? Porque ela recebeu dinheiro de PH para se salvar da falência.
 
Como pode o já tão sofrido povo capixaba ficar refém desses empresários e desses jornais?
 
A única chance que a sociedade capixaba tem é se unir pelas redes sociais e desmascarar a farsa que será montada dentro do Palácio Anchieta, nesta segunda-feira, dia 17 de abril, às 14h30.
 
Paulo Hartung arrotou a vida inteira ser um político diferenciado, mas foi pego de calças curtas. Foi delatado pelo Presidente da Odebrecht e pelo Diretor que cuidava dos negócios da empresa no Espírito Santo. Ambos disseram que deram a ele 1 milhão de reais em propinas, entregues em hotéis no Rio de Janeiro.
 
Agora ele pressiona os empresários e os jornais, para quem ele deu benefícios, para que façam um ato de apoio a ele, dentro do Palácio Anchieta. 
 
Estão tentando jogar pessoas na lama e livrar a cara de Paulo Hartung.
 
A sociedade capixaba não pode mais aceitar esse tipo de politicagem.
 
Paulo Hartung foi delatado. Tinha o apelido de Baianinho da Odebrecht. Recebeu 1 milhão de reais em propinas. Tem que responder por seus atos.
 
Você não verá nada disso nos jornais capixabas. Eles estão no jogo de PH.
 
A única força que o povo tem são as redes sociais. Vamos compartilhar nas redes a nossa indignação!
 
Fórum de Entidades Sociais.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Jogo de cena

Quando se refere a secretários em condições de sucedê-lo, Hartung não fala que, praticamente, entregou o poder a Octaciano Neto

OPINIÃO
Editorial
Do exemplo ao risco
Uma iniciativa popular contra a pulverização área de agrotóxicos em Boa Esperança gerou graves reações de ódio e ameaças. Investigação, já!
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Dois milagres de Natal
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Crea-ES terá pela primeira vez uma mulher na presidência

Vereadores de Aracruz decidem abrir investigação contra o Estaleiro Jurong

Comunidades de Alegre apostam em sensibilidade de desembargador para salvar escolas

Deterioração da Segunda Ponte será quantificada em reunião na Assembleia

Jogo de cena