Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Desembargador critica ‘generalizações’ em prisão de soldado em ação contra greve da PM


17/04/2017 às 18:02
O desembargador Pedro Valls Feu Rosa, da 1º Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado (TJES), pôs em liberdade o soldado da Polícia Militar, Leonardo Fernandes Nascimento, preso durante a “Operação Protocolo Fantasma” por suposta colaboração ao movimento de familiares de PMs que culminou na greve da Corporação em fevereiro. Em sua decisão, o magistrado criticou a atuação das autoridades judiciárias envolvidas na investigação, que não teria apresentado provas concretas da eventual participação do militar com o movimento. Na visão de Pedro Valls, a Justiça deve afastar qualquer risco de “generalizações e desvirtuamentos”.

A prisão do soldado teria sido em função de ter feito abordagem a pessoas que acompanhava a assembleia de mulheres de PMs, mais tarde se soube que eram policiais da Corregedoria da PM – que estavam monitorando o movimento. Com base nisso, o Ministério Público Estadual (MPES) pediu a prisão do soldado, acolhido pela juíza da 4ª Vara Criminal de Vitória, Gisele Souza de Oliveira, sob alegação de que o militar estaria fazendo a “segurança” das reuniões do movimento a bordo de viatura e devidamente fardado. No entanto, Pedro Valls descartou qualquer ligação explicita do soldado Leonardo com pessoas ligadas ao grupo que estava à frente do movimento paredista.

“Registro que sequer se noticia se o paciente estaria realizando tal policiamento fora do horário e área que lhe haviam sido designado - e eis aí um fator determinante a ser considerado. Ora, estamos a falar da prisão de um agente da lei, e sob acusação gravíssima - de se exigir, pois, elementos absolutamente claros. E sequer se demonstrou, repito, se o policiamento retratado como criminoso estava à revelia dos parâmetros fixados naquela data pelo Comando da Polícia Militar”, apontou Pedro Valls.

Na decisão, ele determina a soltura do militar que estava recolhido no Quartel de Maruípe. As outras três pessoas (todos civis, um ex-soldado e duas mulheres) presas na Operação, deflagrada no último dia 20, também liberadas pela Justiça – estes na condição do uso de tornozeleiras eletrônicas. O inquérito policial segue em andamento no juízo de 1º grau. Entretanto, a reação do governo – e demais instituições – contra novas ações de familiares de PM teve uma desaceleração. Uma vez que é possível observar uma desarticulação daquele movimento de mulheres que provocou uma greve de 22 dias da Corporação.

Por outro lado, o próprio Comando da PM começa a reduzir a “pressão” sobre a tropa. Na última semana, mais de 270 militares se livraram do risco de expulsão com a conversão das investigações em Processos Administrativos Disciplinares de Rito Sumário (PAD-RS) – cujas penas são mais brandas, sendo a mais grave de 30 dias de prisão. Apesar de não reconhecer o fato como “anistia”, a medida garante o retorno às atividades dos militares, a maioria de integrantes da Ronda Ostensiva Tática Motorizada (Rotam), extinta após a greve. Com o fim da unidade, esse tipo de policiamento passará a ser feito em cada batalhão.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Os fantasmas de PH

Delações e medo das ruas assombram Hartung, cada vez mais distante das eleições de 2018

OPINIÃO
Renata Oliveira
Reformas inócuas
A Lava Jato revelou como a classe política articulou sua sobrevivência no ''mundo cão'' enquanto vendia honestidade
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Imperdivel! Já em cartaz!
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Quem quer ser vizinho de uma siderúrgica?

Envolvimento de Ricardo Ferraço no esquema da Odebrecht inibe oposição de Theodorico na Assembleia

Delações jogam luz sobre passagens obscuras da política capixaba

Com baixa de 119 servidores em três anos, governo adia nomeação de escrivães de Polícia

Polícia Militar antecipa reintegração de posse de área em Vitória