Seculo

 

Delações da Odebrecht têm repercussão discreta na Assembleia Legislativa


17/04/2017 às 18:18
Depois do café da manhã de Paulo Hartung (PMDB) com dois terços do plenário da Assembleia (20 deputados), a expectativa era de que a sessão desta segunda-feira (17) fosse mais movimentada, por ser a primeira depois que as delações envolvendo políticos capixabas no esquema da Odebrecht vieram à tona na semana passada.
 
Mas o clima, pode se dizer, foi tranquilo. Alguns deputados até tentaram puxar o assunto, mas a base governista preferiu não revidar para não esticar a corda. Do lado da ala dos insatisfeitos com o governo do Estado os discursos não chegaram a ser incisivos, como se esperava do grupo.
 
O primeiro a tocar no assunto foi o deputado Euclério Sampaio (PDT), que se disse perplexo com as denúncias que vieram a público envolvendo o governador Paulo Hartung (PMDB) e outras lideranças capixabas. Ele também destacou a movimentação do governo para tentar barrar a CPI da Cesan na Assembleia.  
 
“A Odebrecht e a Delta estão atoladas até o pescoço e tiveram contratos milionários com a Cesan. Isso tudo leva a crer os motivos do trabalho incansável do líder do governo [deputado Gildevan Fernandes (PMDB)]  e do chefe da Casa Civil [José Carlos da Fonseca Júnior] para acabar com a CPI. Não querem que a Cesan seja investigada, mas temos que apurar os desvios”, cobrou o pedetista.
 
O deputado Sérgio Majeski (PSDB) pediu um aparte na fala de Euclério para lembrar que o atual diretor da Cesan,  Paulo Ruy Carnelli, consultor da Odebrecht. O tucano destacou a necessidade de se investigar a fundo a companhia.
 
Depois foi a vez do deputado Josias da Vitória (PDT), que afirmou a necessidade de o governador vir a público explicar as acusações, sugerir que a Casa deveria cumprir seu papel constitucional de cobrar essas explicações do governador no Legislativo estadual.
 
A base do governo preferiu não polemizar as questões levantados e trabalhou pelo esvaziamento do Plenário na pauta de votação para derrubar a sessão. Mas o horário das lideranças foi mantido. O deputado estadual Marcelo Santos (PMDB) ensaiou uma defesa indireta do governo, dizendo que não se pode generalizar as acusações, que até o momento se baseiam nas delações apenas.
 
Já o deputado Sérgio Majeski (PSDB) destacou que o momento é de reflexão para a população. O deputado afirmou que a situação chegou ao fundo do poço. Ele destacou as comparações entre as operações Lava Jato e Mãos Limpas, na Itália,  que também desmontou um esquema de corrupção endêmica no país europeu.
 
O deputado citou Noberto Bobbio. "A única maneira de defender as instituições democráticas é cerrando fileiras em torno dos que jamais tiveram a tentação de ir para o subsolo para não serem reconhecidos. São numerosos, felizmente. Mas precisam ter coragem de agir de modo consequente”, registrou o deputado.
 
“A população tem que entender como funcionam os subterrâneos da política brasileira e capixaba. Norberto Bobbio, pensador italiano, fala no ensaio ‘Democracia e Segredo’ como os segredos no subterrâneo da política alimentam a corrupção e a criminalidade”, afirmou Majeski. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Secom
'Esquenta'

Com a a abertura das convenções partidárias, nesta sexta-feira, o mercado ganhou maior intensidade com o racha na base de Hartung

OPINIÃO
Editorial
Mais uma porta na cara
O racismo institucional do Palácio Anchieta ficou ainda mais claro com a presença do jornalista Willian Waack, demitido da Rede Globo por comentários racistas
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

'Esquenta'

Largada embolada

Comando da PM não comparece em audiência de conciliação no Tribunal de Justiça

Projeto que obriga barreiras de proteção na Terceira Ponte tem parecer favorável na Ales

Mistério Público investiga Secretaria de Saúde de Cariacica por irregularidades em prestações de contas