Seculo

 

Delações da Odebrecht têm repercussão discreta na Assembleia Legislativa


17/04/2017 às 18:18
Depois do café da manhã de Paulo Hartung (PMDB) com dois terços do plenário da Assembleia (20 deputados), a expectativa era de que a sessão desta segunda-feira (17) fosse mais movimentada, por ser a primeira depois que as delações envolvendo políticos capixabas no esquema da Odebrecht vieram à tona na semana passada.
 
Mas o clima, pode se dizer, foi tranquilo. Alguns deputados até tentaram puxar o assunto, mas a base governista preferiu não revidar para não esticar a corda. Do lado da ala dos insatisfeitos com o governo do Estado os discursos não chegaram a ser incisivos, como se esperava do grupo.
 
O primeiro a tocar no assunto foi o deputado Euclério Sampaio (PDT), que se disse perplexo com as denúncias que vieram a público envolvendo o governador Paulo Hartung (PMDB) e outras lideranças capixabas. Ele também destacou a movimentação do governo para tentar barrar a CPI da Cesan na Assembleia.  
 
“A Odebrecht e a Delta estão atoladas até o pescoço e tiveram contratos milionários com a Cesan. Isso tudo leva a crer os motivos do trabalho incansável do líder do governo [deputado Gildevan Fernandes (PMDB)]  e do chefe da Casa Civil [José Carlos da Fonseca Júnior] para acabar com a CPI. Não querem que a Cesan seja investigada, mas temos que apurar os desvios”, cobrou o pedetista.
 
O deputado Sérgio Majeski (PSDB) pediu um aparte na fala de Euclério para lembrar que o atual diretor da Cesan,  Paulo Ruy Carnelli, consultor da Odebrecht. O tucano destacou a necessidade de se investigar a fundo a companhia.
 
Depois foi a vez do deputado Josias da Vitória (PDT), que afirmou a necessidade de o governador vir a público explicar as acusações, sugerir que a Casa deveria cumprir seu papel constitucional de cobrar essas explicações do governador no Legislativo estadual.
 
A base do governo preferiu não polemizar as questões levantados e trabalhou pelo esvaziamento do Plenário na pauta de votação para derrubar a sessão. Mas o horário das lideranças foi mantido. O deputado estadual Marcelo Santos (PMDB) ensaiou uma defesa indireta do governo, dizendo que não se pode generalizar as acusações, que até o momento se baseiam nas delações apenas.
 
Já o deputado Sérgio Majeski (PSDB) destacou que o momento é de reflexão para a população. O deputado afirmou que a situação chegou ao fundo do poço. Ele destacou as comparações entre as operações Lava Jato e Mãos Limpas, na Itália,  que também desmontou um esquema de corrupção endêmica no país europeu.
 
O deputado citou Noberto Bobbio. "A única maneira de defender as instituições democráticas é cerrando fileiras em torno dos que jamais tiveram a tentação de ir para o subsolo para não serem reconhecidos. São numerosos, felizmente. Mas precisam ter coragem de agir de modo consequente”, registrou o deputado.
 
“A população tem que entender como funcionam os subterrâneos da política brasileira e capixaba. Norberto Bobbio, pensador italiano, fala no ensaio ‘Democracia e Segredo’ como os segredos no subterrâneo da política alimentam a corrupção e a criminalidade”, afirmou Majeski. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Rabiscos eleitorais

Articuladores já fazem suas contas de 2018. Entre os deputados considerados reeleitos, está quase toda bancada do PMDB, incluindo Erick Musso. Mas, antes, terá que colocar um ''bonde'' pra correr

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung reforça interesse em projeto nacional nas eleições de 2018

Manifesto denuncia ameaças a lideranças mobilizadas contra agrotóxicos em Boa Esperança

Fundação Renova é multada e Samarco/Vale-BHP vira alvo de mais uma ação civil pública

Morre Chico Flores

Trabalhadores encerram Greve em Brasília e Jejum nos estados