Seculo


  • Lava Jato no ES

 

O governador encalacrado


18/04/2017 às 13:13
Essa história da delação premiada do ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Júnior, o BJ, da doação de R$ 1 milhão para o governador Paulo Hartung (PMDB), em 2010 e 2012, põe em xeque toda a construção maniqueísta de política criada por Hartung desde seu primeiro mandato. Lembra a história do escorpião encalacrado, aquele ser perigosíssimo, que diante de situações de perigo acaba fisgando a si mesmo.
 
Hartung separou a política do Estado em o bem e o mal. Do lado dele, estavam as instituições, as entidades, todos aqueles que queriam o bem para o Espírito Santo. Do outro lado, estava o mal e todos que não estivessem ao lado de Hartung, era automaticamente jogado do outro lado, do lado do mal. Mas agora, o governador se vê encurralado com as setas apontadas para o seu lado.
 
Tanto alimentou essa narrativa, que Hartung acabou sendo contaminado por ela. Fora do Estado, a dicotomia criada nos últimos anos foi outra. De um lado estava o juiz Moro e todo o desdobramento da Lava Jato. E todos que por ele eram apontados como envolvidos em um escândalo de corrupção irrigado pela Odebrecht são jogados na vala comum dos acusados.
 
Ainda sobre escorpiões, vale destacar a fábula em que o bicho, querendo atravessar um rio, convenceu um sapo a lhe dar carona, já que não sabe nadar. Quando chegou na outra margem do rio, o escorpião o picou. Atingido pelo veneno, o sapo ficou paralisado e questionou seu carona. Por que você fez isto? Agora nós dois vamos morrer! E o escorpião respondeu: "Porque sou um escorpião e esta é a minha natureza".
 
Hartung sempre fez política demolindo seus adversários. É só lembrar a disputa de 2002, quando ele pregava uma “faxina ética” no Estado, mergulhando no que ele apontava como desmandos no Estado. Em 2006 e 2010, não precisou de um palanque bélico porque prevalecia no Espírito Santo a unanimidade.
 
Em 2014, porém, ao enfrentar Renato Casagrande (PSB), seu aliado até então, serviu de sapo, ferroado pelo discurso de quebradeira e irresponsabilidade. Agora, observa-se uma tentativa de jogar o peso para fora do Palácio Anchieta, sobretudo sobre o senador Ricardo Ferraço (PMDB), outro aliado de longa da data. Faz parte do senso de sobrevivência do governador, é de sua natureza.

Fragmentos:


1 – Os outdoors espalhados pela cidade sobre a votação das reformas da previdência e trabalhista estão colocando os 13 membros da bancada capixaba no mesmo bolo. A peça traz a foto dos 10 deputados federais e os três senadores, com os dizeres: “Eles podem fazer você trabalhar até morrer”.

2 – Mas não é bem assim. A maioria dos deputados federais capixaba é contra a reforma da previdência e já se manifestaram sobre isso. Entre eles Os deputados do PT Givaldo Vieira e Helder Salomão, além de Carlos Manato (SD), Sérgio Vidigal (PDT) e Norma Ayub (DEM) já se posicionaram publicamente contra a reforma.

3 – O outdoor destaca o deputado Lelo Coimbra (PMDB) e aí está certo. O líder da maioria do governo Temer vem defendendo a reforma da previdência no Estado.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Os fantasmas de PH

Delações e medo das ruas assombram Hartung, cada vez mais distante das eleições de 2018

OPINIÃO
Renata Oliveira
Reformas inócuas
A Lava Jato revelou como a classe política articulou sua sobrevivência no ''mundo cão'' enquanto vendia honestidade
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Imperdivel! Já em cartaz!
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Quem quer ser vizinho de uma siderúrgica?

Envolvimento de Ricardo Ferraço no esquema da Odebrecht inibe oposição de Theodorico na Assembleia

Delações jogam luz sobre passagens obscuras da política capixaba

Com baixa de 119 servidores em três anos, governo adia nomeação de escrivães de Polícia

Polícia Militar antecipa reintegração de posse de área em Vitória