Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Com manobra interna, Executiva do PT não reconhece vitória da chapa de Givaldo


18/04/2017 às 21:29
A executiva do PT capixaba se reuniu na noite desta terça-feira (18) para analisar o relatório eleitoral da primeira etapa do Processo de Eleição Direta (PED) do PT. Surpreendentemente, uma série de votos nas eleições do último dia 9 foram foram anulados pela Comissão Eleitoral sob a justificativa de que não atenderam os “requisitos do processo eleitoral”.

Foram cancelados votos nos municípios em Águia Branca, Alfredo Chaves, Barra de São Francisco, Governador Lindenberg, Ibatiba, Brejetuba, Pinheiros e Santa Teresa. Nessas cidades, Givaldo teve maioria dos votos.

Givaldo que havia saido do processo eleitoral com 51% dos votos passou a ter 48% de todos os votos do Estado.  Nunes passou de 28%  para 30,7%. Já a chapa de Coser passou de 19,87% para 20,83%. Isso daria uma soma de 51% entre as chapas de Nunes e Coser.
 
Com isso, a expectativa de que o partido homologasse a vitória da chapa "Pra voltar a Sonhar", encabeçada pelo deputado federal Givaldo Vieira, não aconteceu e a anulação dos votos diminui o número de delegados eleitos pela chapa, que superava o número de representantes das outras três chapas inscritas no processo eleitoral.
 
Durante todo o dia, foi aumentando nos bastidores a desconfiança de que uma manobra estaria sendo armada. Afinal, foram quase dez dias até que o processo fosse oficialmente encerrado no partido. Também não é segredo na classe política que a grande quantidade de votos na chapa de Givaldo surpreendeu as lideranças petistas, sobretudo às ligadas a João Coser, que controlam o partido há mais de 10 anos no Estado.
 
Além disso, a ideia de romper com o governo Paulo Hartung (PMDB), uma das principais bandeiras do grupo de Givaldo, não agradava a cúpula petista, que até aqui, tem a maioria no diretório estadual.
 
Na primeira fase da disputa que elegeu as presidenciais e diretórios municipais e a chapa de delegados, o grupo de Givaldo recebeu 2.648 votos contra 1.477 da chapa do deputado estadual José Carlos Nunes (“Construindo um Novo Brasil”, CNB), e 1.039 votos da chapa do atual presidente regional do partido João Coser (“Alternativa para o Espírito Santo”). A Chapa Militantes pela “Reconstrução” alcançou apenas 54 votos.
 
Neste cenário, anterior à manobra desta terça-feira, mesmo que Nunes e Coser se unissem para a segunda etapa, não teriam votos para superar a chapa “Pra voltar a sonhar". O grupo de Givaldo deve se reunir nesta quarta-feira (19) para decidir quais providências serão tomadas para tentar reverter a decisão da Comissão Eleitoral. Para alguns apoiadores, a vontade da militância não foi respeitada pela cúpula do partido.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

O homem da máscara de ferro

PH recorre à estratégia de se esconder para não ser reconhecido

OPINIÃO
José Rabelo
Reajuste zero, tolerância zero
Governo se reuniu com representantes do funcionalismo para dizer na lata: “Não haverá revisão este ano”
Lídia Caldas
Nutrição e gestação
Será que uma gestante tem mesmo necessidade de uma dieta alimentar diferenciada?
Geraldo Hasse
Salgado Filho, um simples herói
Hoje ninguém mais lembra o advogado que regulamentou o comércio dos ambulantes
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Uma festa para Ro Ro que rolou escada abaixo
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Mulher "noiada" mostra a falência de programas sociais
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

O caso da pequena felicidade
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Igreja Maranata poderá acionar Justiça por ofensas sofridas nas redes sociais

O homem da máscara de ferro

Salgado Filho, um simples herói

Se a eleição fosse hoje, Hartung, Rose e Audifax saltariam na frente

Família reivindica propriedade de terreno de 1,5 milhão de metros quadrados na Serra