Seculo

 

Com manobra interna, Executiva do PT não reconhece vitória da chapa de Givaldo


18/04/2017 às 21:29
A executiva do PT capixaba se reuniu na noite desta terça-feira (18) para analisar o relatório eleitoral da primeira etapa do Processo de Eleição Direta (PED) do PT. Surpreendentemente, uma série de votos nas eleições do último dia 9 foram foram anulados pela Comissão Eleitoral sob a justificativa de que não atenderam os “requisitos do processo eleitoral”.

Foram cancelados votos nos municípios em Águia Branca, Alfredo Chaves, Barra de São Francisco, Governador Lindenberg, Ibatiba, Brejetuba, Pinheiros e Santa Teresa. Nessas cidades, Givaldo teve maioria dos votos.

Givaldo que havia saido do processo eleitoral com 51% dos votos passou a ter 48% de todos os votos do Estado.  Nunes passou de 28%  para 30,7%. Já a chapa de Coser passou de 19,87% para 20,83%. Isso daria uma soma de 51% entre as chapas de Nunes e Coser.
 
Com isso, a expectativa de que o partido homologasse a vitória da chapa "Pra voltar a Sonhar", encabeçada pelo deputado federal Givaldo Vieira, não aconteceu e a anulação dos votos diminui o número de delegados eleitos pela chapa, que superava o número de representantes das outras três chapas inscritas no processo eleitoral.
 
Durante todo o dia, foi aumentando nos bastidores a desconfiança de que uma manobra estaria sendo armada. Afinal, foram quase dez dias até que o processo fosse oficialmente encerrado no partido. Também não é segredo na classe política que a grande quantidade de votos na chapa de Givaldo surpreendeu as lideranças petistas, sobretudo às ligadas a João Coser, que controlam o partido há mais de 10 anos no Estado.
 
Além disso, a ideia de romper com o governo Paulo Hartung (PMDB), uma das principais bandeiras do grupo de Givaldo, não agradava a cúpula petista, que até aqui, tem a maioria no diretório estadual.
 
Na primeira fase da disputa que elegeu as presidenciais e diretórios municipais e a chapa de delegados, o grupo de Givaldo recebeu 2.648 votos contra 1.477 da chapa do deputado estadual José Carlos Nunes (“Construindo um Novo Brasil”, CNB), e 1.039 votos da chapa do atual presidente regional do partido João Coser (“Alternativa para o Espírito Santo”). A Chapa Militantes pela “Reconstrução” alcançou apenas 54 votos.
 
Neste cenário, anterior à manobra desta terça-feira, mesmo que Nunes e Coser se unissem para a segunda etapa, não teriam votos para superar a chapa “Pra voltar a sonhar". O grupo de Givaldo deve se reunir nesta quarta-feira (19) para decidir quais providências serão tomadas para tentar reverter a decisão da Comissão Eleitoral. Para alguns apoiadores, a vontade da militância não foi respeitada pela cúpula do partido.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Sindicato protocola denúncias contra Sesa por contratação de Organizações Sociais

Corrida ao Senado sinaliza mudança na bancada capixaba

Quem governa?

Vampirismo neoliberal

Greve dos professores de Vitória continua por tempo indeterminado