Seculo

 

O desmanche do Museu Mello Leitão


19/04/2017 às 14:11
A alternância de vínculo é um procedimento que visa melhorar o funcionamento institucional. Assim foi quando o Museu Mello Leitão, em Santa Teresa, região serrana do Espírito Santo, passou da Fundação Nacional Pró-Memória para o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e, depois, para o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Simples assim também deveria ter sido a transferência do Museu Mello Leitão ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Todavia, o caminho seguido foi outro, muito mais pedregoso, irresponsável e desrespeitoso ao patrimônio de utilidade pública capixaba deixado à sociedade pelo Patrono da Ecologia no Brasil, Augusto Ruschi.
 
O CAMINHO CORRETO – E NÃO SEGUIDO
 
Descrição: a verdadeira transferência do Museu Mello Leitão ao MCTIC teria sido muito simples e segura: a própria legislação brasileira de Museus (vide Instituto Brasileiro de Museus) aponta o dever de se proteger os bens de utilidade pública, como o Mello Leitão, que estava vinculado ao próprio Ibram. A mesma legislação prevê também a vocação dos museus em abrigar instituições com objetivos complementares, ou seja, cabe ao Museu Mello Leitão abrigar em sua estrutura o Instituto Nacional da Mata Atlântica (INMA), que foi criado em 2016 pelo MCTIC. O processo de transferência deveria ter contemplado o interesse da população teresense e capixaba, pela participação dos cidadãos e das promotorias de justiça do município e do Estado, já que o Museu Mello Leitão é um patrimônio público do Espírito Santo, decretado de utilidade pública municipal e estadual desde a década de 1950. 
 
Coerência lógica: dentre todas as instituições de pesquisa da região ocupada pelo bioma Mata Atlântica (regiões Sul, Sudeste e Nordeste do País), justamente o Museu Mello Leitão teria sido escolhido para abrigar o Instituto Nacional da Mata Atlântica. Todo esse mérito é creditado à sua íntima história com a conservação do bioma, fruto dos estudos científicos e esforços conservacionistas de seu fundador, o Patrono da Ecologia no Brasil.
 
Era de se esperar que a vinculação ao MCTIC contribuísse para que o Museu Mello Leitão ampliasse a eficiência em alcançar seus objetivos institucionais, o que, por sua vez, permitiria ao Museu Mello Leitão contribuir eficientemente com o MCTIC e seus institutos - neste caso específico, com o Instituto Nacional da Mata Atlântica. Um formato correto tanto pelo ponto de vista legal quanto moral, pois respeitaria a memória do cientista Augusto Ruschi, com a manutenção existencial da instituição por ele criada.
 
O CAMINHO ERRADO – EM CURSO
 
Descrição: a verdadeira transferência não se concretizou, tendo, ao invés disso, sido usada como camuflagem para a alienação do patrimônio do Museu Mello Leitão (Lei 8.877 de 2016). Sob o pretexto de que a instituição apenas “mudaria seu nome” para Instituto Nacional da Mata Atlântica, o referido museu teve seu CNPJ completamente esvaziado - patrimônio público capixaba -, sendo transferido para o recém-criado Instituto Nacional da Mata Atlântica, de propriedade do Ministério, que deveria apenas abrigá-lo. 
 
Incoerência lógica: a justificativa de que a íntima relação institucional do Museu Mello Leitão e seu fundador com a própria história da conservação e das pesquisas na Mata Atlântica teria sido suficiente para convencer o MCTIC de que, dentre tantas instituições de pesquisa na região da Mata Atlântica, esse museu, no interior do Estado, é o local adequado para “trazer” seu instituto. Mas, essas mesmas qualidades, de nada, absolutamente nada, serviram para impedir que o Museu fosse mantido em seus termos originais, tão pouco para a existência de um caminho constitucional limpo e respeitoso ao patrimônio público capixaba.
 
O DISFARCE DO CAMINHO ERRADO
 
A leitura da Lei 12.954/2014 traz confusão sobre a verdade dos fatos ocorridos, pois menciona sim a mudança de nome do Museu Mello Leitão, porém, logo em seguida, cria uma nova instituição com o nome recém-adotado. A confirmação da má intenção vem com a leitura da Lei 8.877/2016, em que fica clara a alienação do patrimônio físico, obrigações e direitos do museu para o novo instituto. Mas um disfarce, para ser bom, tem que convencer, correto? 
 
Eis então que quatro atores se uniram na missão de convencer a sociedade dessa mentira e, ainda por cima, obter apoio da mesma: a Associação de Amigos do Museu Mello Leitão (Sambio), a direção do Museu Mello Leitão, até mesmo o Boletim Científico do Museu Mello Leitão, e um pequeno grupo de acadêmicos da Universidade Federal do Espírito Santo. Dali vinha (e ainda vem) o apoio a maior e mais nefasta mentira que corroeu a estrutura institucional do Museu Mello Leitão, levando à alienação do patrimônio público capixaba. 
 
Para se ter uma ideia, muitos conhecidos meus, incluindo professores da própria Ufes, tem me procurado para obter esclarecimentos sobre essas informações e afirmam não concordar com o movimento MoveINMA, manifestando, inclusive, arrependimento em ter apoiado o abaixo-assinado do referido movimento. Ou seja, pessoas cujos valores ético e moral foram usurpados pela má fé de terceiros. Como essas pessoas mesmo me disseram: “pensava estar tudo bem com o museu, porque estou acompanhando no Facebook que o próprio ‘museu’ e sua associação de amigos (Sambio) apoiam o que está acontecendo”. 
 
TRABALHANDO O PROBLEMA
 
Na tentativa de entender o que me parecia “errado” com o rumo da transferência do Museu Mello Leitão, iniciei em 2014 meu diálogo com o diretor, Hélio de Queiroz Boudet Fernandes, quem se mostrou irredutível em sequer discutir a questão, defendendo que o museu estava apenas trocando de nome. 
 
No mesmo ano fui convidado para uma das reuniões de tomada de decisões sobre o caso junto a representantes do Museu Mello Leitão, proponentes da falsa transferência (representados por Sérgio Lucena Mendes - MoveINMA), e representantes do MCTIC. Na reunião fora discutida a suposta necessidade de se remover todas as coleções científicas do museu, o que felizmente foi evitado, graças ao bom senso demonstrado pelo representante do MCTIC. Depois disso, deixei de ser convidado para novas reuniões, e também fui “punido” com a recusa da renovação do meu vínculo de pesquisador colaborador do Museu Mello Leitão em 2015 – resposta que espero oficialmente até os dias de hoje. 
 
Foi então que pude acompanhar a propagação da mentira, que a essa altura alcançava a esfera política, onde representantes da bancada capixaba apoiavam/divulgavam a vinda do Instituto Nacional da Mata Atlântica sem ao menos conhecer as verdadeiras facetas desse trâmite que aliena o patrimônio de utilidade publica capixaba. Tratei de alertar os representantes políticos, tanto na Câmara de Santa Teresa como na tribuna da Assembleia Legislativa, em Vitória. Da revelação veio o apoio da bancada capixaba, sobretudo da deputada Luzia Toledo (PMDB), e em meados de 2016, o caso estava em Brasília, amparado pelos senadores Rose de Freitas (PMDB) e Ricardo Ferraço (PSDB), os quais levaram a discussão ao ministro Gilberto Kassab (MCTIC). 
 
Junto ao gabinete da senadora Rose, chegamos até mesmo a escrever uma emenda de lei que contornaria toda a situação, fazendo justiça ao Museu e ao Instituto, como moldado no item “caminho correto”. Lamentavelmente, tudo parou ali mesmo, e a emenda que devolveria ao povo capixaba seu único museu de história natural não seguiu adiante. Ao constatar que os caminhos de construção legal que ajustiçaram o Museu Mello Leitão não puderam ser também utilizados para resgatá-lo, comuniquei formalmente o  Judiciário. Então, no momento, o futuro do Museu Mello Leitão depende do respeito aos direitos da sociedade. 
 
LEMBRETE DE OCASIÃO
 
A todos que se sentiram usados pelo MoveINMA por terem sido solicitados a manifestar apoio sem saber se tratar do desmanche do Museu criado por Augusto Ruschi, peço que não percam a esperança. Não sigam o exemplo da direção do Museu e sua sociedade de amigos. Não percam a esperança no Museu Mello Leitão, nem no meio ambiente, pois o Espírito Santo e a Mata Atlântica merecem muito mais!

Piero Ruschi é Biólogo, doutor em zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, atuante nas áreas de Biodiversidade Genética, Evolução, Conservação da Natureza e Responsabilidade Socioambiental

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Revoada tucana

Que a saída de Majeski do PSDB é iminente, não há dúvida. Mas circula que os tucanos contrários ao projeto de Colnago pensam em bater asas com ele

OPINIÃO
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Ministério Público vai destinar mais R$ 700 mil a gastos com terceirizados

Prefeitura de Vitória perde mais uma contra ocupantes do Santa Cecília

Movimento nacional para ser vice abre nova janela de oportunidade para Hartung

Seminário debate formas de erradicar o trabalho infantil

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba