Seculo

 

Moradores do Centro apresentam 'pacto de boa convivência' no próximo dia 8


20/04/2017 às 13:33
A Associação de Moradores do Centro de Vitória (Amacentro) apresenta em assembleia extraordinária no próximo dia 8 de maio o documento com normas de boa convivência na região. Elaborado por uma comissão de moradores, donos de bar e produtores culturais, o “pacto de boa convivência” é uma proposta alternativa ao polêmico Termo de Compromisso Ambiental (TCA) firmado apenas entre o Ministério Público Estadual (MPES) e a Prefeitura de Vitória que, desde fevereiro, impõe um “toque de recolher” no bairro. O documento foi finalizado na segunda-feira (17).
Segundo o presidente da Amacentro, Everton Martins, a assembleia vai discutir e aprovar o pacto de convivência. “Vamos discutir o pacto para, então, encaminhá-lo à Prefeitura de Vitória. Vamos pedir também infraestrutura e fiscalização no bairro para diminuir a insatisfação dos moradores que foram ao MPES reclamar dos problemas. Vai depender da prefeitura se ela vai querer ou não levar em consideração esse pacto de convivência”.
 
O termo de compromisso, que determina o recolhimento de mesas e cadeiras às 23h pelos bares da Rua Sete de Setembro, completa dois meses nesse fim de semana. Os estabelecimentos foram notificados no dia 23 de fevereiro, a quinta-feira pré-Carnaval. De lá para cá, a medida enfrentou mais críticas que acolhimento entre os moradores e freqüentadores do Centro de Vitória - embora a reclamação contra o barulho seja procedente.
 
O motivo é simples: o medo da insegurança. Recolher mesas àquele horário é o mesmo que esvaziar o Centro e expor moradores à violência, que cresceu após a crise de segurança pública de fevereiro. Um argumento forte. Talvez por isso hoje seja possível testemunhar certo afrouxamento do termo: por exemplo, à meia-noite do último sábado (15) mesas e cadeiras ainda ocupavam a Rua Sete.
 
“Depois que a poeira abaixou, a prefeitura cedeu, sentiu a pressão. Mas o termo ainda está valendo”, diz Everton.
 
A ideia do “pacto de convivência” surgiu em assembleia de moradores realizada em 20 de março. A comissão é formada por seis membros, que representam os segmentos de moradores, bares, turismo e produção cultural. Foram quatro reuniões, que debateram outros problemas da região além da poluição sonora, como a insegurança e mobilidade. 
 
Membro da comissão, Saulo Santos, proprietário da Casa de Bamba, avalia positivamente as discussões. “Foi bem equilibrado, estavam representados todos os segmentos. Listamos os principais problemas do Centro e discutimos cada um pontualmente e chegamos a um acordo legal. Acho que a palavra que resume bem esse processo é equilíbrio”, diz.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Revoada tucana

Que a saída de Majeski do PSDB é iminente, não há dúvida. Mas circula que os tucanos contrários ao projeto de Colnago pensam em bater asas com ele

OPINIÃO
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Ministério Público vai destinar mais R$ 700 mil a gastos com terceirizados

Prefeitura de Vitória perde mais uma contra ocupantes do Santa Cecília

Movimento nacional para ser vice abre nova janela de oportunidade para Hartung

Seminário debate formas de erradicar o trabalho infantil

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba