Seculo

 

Sindicato critica presença de ex-diretor da Odebrecht na Cesan


20/04/2017 às 13:50
Em outubro de 2015, Pablo Ferraço Andreão assumiu a presidência da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan) no lugar de Denise Cadete, que foi para Administração e Finanças do Bandes. Naquele momento, o currículo do novo presidente da companhia era anunciado com pompa pelo governo.
 
O então prefeito de Cachoeiro, Theodorico Ferraço, foi quem rompeu com o Saee (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) e estabeleceu um contrato com Citágua, que mais tarde seria adquirida pela Odebrecht Ambiental. Engenheiro Civil formado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Andreão começou no setor de abastecimento e saneamento em 2001, na Citágua, em julho de 1998, e depois seria absorvido pela Odebrecht Ambiental. É importante lembrar que Andreão é da família Ferraço.
 
Depois disso, ele passou por diversas unidades da Odebrecht antes de ocupar a presidência da divisão ambiental da empresa, cargo que deixou para assumir o comando da Cesan.
 
Diante do escândalo envolvendo doações ilegais para o governador Paulo Hartung (PMDB), o ex-governador Renato Casagrande (PSB), o senador Ricardo Ferraço (PSDB), primo de Andreão, entre outras lideranças políticas capixabas, o currículo deixa de ser favorável.
 
O Sindicato dos Servidores Públicos (Sindipúblicos) critica a relação do governador Paulo Hartung (PMDB) com os membros da empresa, que se coloca há muito tempo nas parcerias do governo do Estado. Em seu site, a entidade destaca a situação que causa, no mínimo, estranheza.
 
“As obscuras intenções de Hartung na nomeação se afloram ainda mais ao ser público o objetivo do governador em privatizar a Cesan e convidar justamente um profissional ligado a seus aliados políticos e oriundo de uma empresa privada, que já possui concessão de saneamento, para assumir a maior empresa pública ligada ao setor no Espírito Santo”, diz o sindicato.
 
Andreão não é o único membro do grupo de Hartung a ter ligação com a Cesan e a Odebrecht. Paulo Ruy Carnelli, que foi presidente da empresa no governo de Renato Casagrande, na cota dos aliados de Hartung, foi consultor da Odebrecht.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado

Quem paga a conta senta na cabeceira?

A montagem da cena