Seculo

 

Sindicato critica presença de ex-diretor da Odebrecht na Cesan


20/04/2017 às 13:50
Em outubro de 2015, Pablo Ferraço Andreão assumiu a presidência da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan) no lugar de Denise Cadete, que foi para Administração e Finanças do Bandes. Naquele momento, o currículo do novo presidente da companhia era anunciado com pompa pelo governo.
 
O então prefeito de Cachoeiro, Theodorico Ferraço, foi quem rompeu com o Saee (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) e estabeleceu um contrato com Citágua, que mais tarde seria adquirida pela Odebrecht Ambiental. Engenheiro Civil formado pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Andreão começou no setor de abastecimento e saneamento em 2001, na Citágua, em julho de 1998, e depois seria absorvido pela Odebrecht Ambiental. É importante lembrar que Andreão é da família Ferraço.
 
Depois disso, ele passou por diversas unidades da Odebrecht antes de ocupar a presidência da divisão ambiental da empresa, cargo que deixou para assumir o comando da Cesan.
 
Diante do escândalo envolvendo doações ilegais para o governador Paulo Hartung (PMDB), o ex-governador Renato Casagrande (PSB), o senador Ricardo Ferraço (PSDB), primo de Andreão, entre outras lideranças políticas capixabas, o currículo deixa de ser favorável.
 
O Sindicato dos Servidores Públicos (Sindipúblicos) critica a relação do governador Paulo Hartung (PMDB) com os membros da empresa, que se coloca há muito tempo nas parcerias do governo do Estado. Em seu site, a entidade destaca a situação que causa, no mínimo, estranheza.
 
“As obscuras intenções de Hartung na nomeação se afloram ainda mais ao ser público o objetivo do governador em privatizar a Cesan e convidar justamente um profissional ligado a seus aliados políticos e oriundo de uma empresa privada, que já possui concessão de saneamento, para assumir a maior empresa pública ligada ao setor no Espírito Santo”, diz o sindicato.
 
Andreão não é o único membro do grupo de Hartung a ter ligação com a Cesan e a Odebrecht. Paulo Ruy Carnelli, que foi presidente da empresa no governo de Renato Casagrande, na cota dos aliados de Hartung, foi consultor da Odebrecht.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Caravana do Amaro

Com a consolidação do movimento em torno de Amaro Neto, deputados partem agora para suas bases eleitorais, exibindo o porta-estandarte de 2018

OPINIÃO
Editorial
A ‘súmula Zenkner’
O desfecho do caso do promotor que queria passar um ano nos Estados Unidos mostrou a importância do papel da imprensa de fiscalizar os agentes públicos
Piero Ruschi
Instituto Nacional Imoral da Mata Atlântica
O longo caminho até esse crime contra o patrimônio cultural foi repleto de ações tão indecorosas quanto seu indigno desfecho
Renata Oliveira
Ansiedade eleitoral
A disputa de 2018 já começou com mais de um ano de antecedência, mas será que tem fôlego até outubro do ano que vem?
JR Mignone
Rádio saúde
Nova rádio na web mostra que esse segmento deve crescer na internet
Caetano Roque
A nova do imposto sindical
Como o Movimento Sindical não foi protagonista no processo, agora o recurso virou moeda de troca na mão do capital
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Sopa de Letrinhas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Justiça condena Gildevan Fernandes à perda do mandato por fraude em licitação

Ministério Público pede rejeição das contas de oito prefeituras em 2015

Caravana do Amaro

Conselho Superior proíbe membros do MPES de atuarem em entidades internacionais

Defensoria Pública Estadual orienta moradores após operação em Jesus de Nazareth