Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Bancada capixaba se divide em nova votação sobre urgência na tramitação da Reforma Trabalhista


20/04/2017 às 15:30
Dos oito deputados federais da bancada capixaba presentes no Plenário da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (19) – durante a sessão que votou novamente o pedido de urgência na tramitação do Projeto de Lei 6.787/16, a Reforma Trabalhista – metade votou a favor do pedido de urgência, que foi aprovado depois de ter sido rejeitado na sessão da terça-feira (18).
 
Na primeira sessão, encerrada na noite de terça-feira, o Plenário da Casa, os deputados haviam decidido, por 230 votos favoráveis a 167 contrários, rejeitar o pedido de urgência na tramitação do PL, que altera mais de cem pontos da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e suprime direitos de trabalhadores. No entanto, na sessão dessa quinta-feira (20), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), colocou em votação outro pedido de urgência, que foi aprovado por 260 votos a favor a 144 contra. Eram necessários 257 votos para que a urgência passasse.
 
Da bancada capixaba votaram a favor da tramitação em regime de urgência os deputados Paulo Foletto (PSB), Lelo Coimbra (PMDB), Marcus Vicente (PP) e Norma Ayub (DEM). Contra a urgência votaram os deputados Jorge Silva (PHS), Evair de Melo (PV), Carlos Manato (SD) e Sérgio Vidigal (PDT).
 
A votação do novo regime de urgência pegou os deputados Givaldo Vieira e Hélder Salomão, ambos do PT, de surpresa. Os parlamentares estavam fora de Brasília no momento da votação, envolvidos em questões partidárias. No entanto, os dois se manifestaram contra a votação.
 
Na página do Facebook, Givaldo disse que o presidente da Câmara declarou que Maia conseguiu colocar em votação novamente a urgência para que o fim da CLT possa ir a Plenário logo. “Depois de perder ontem a votação do requerimento de urgência sobre a Reforma Trabalhista, Rodrigo Maia mostrou que aprendeu tudo com Eduardo Cunha [PMDB] e manobrou em favor de [Michel] Temer e contra o povo brasileiro”, publicou o parlamentar, completando que “foi aprovado o início de mais este duro golpe que vai precarizar as relações de trabalho, assim como a já aprovada terceirização irrestrita”.
 
Já Hélder Salomão declarou que o presidente da Câmara rasgou o Regimento da Casa, acrescentando que o governo tem o único objetivo de acabar com os direitos do povo brasileiro.
 
Já o deputado Sérgio Vidigal declarou que o projeto de Reforma Trabalhista altera mais de 100 artigos da CLT promovendo uma grave retirada dos direitos do trabalhador, garantindo que vai lutar contra a aprovação da matéria.
 
Com a aprovação da tramitação em regime de urgência não será possível pedir vista ou emendar a matéria na comissão especial que analisa o substitutivo do deputado Rogério Marinho (PSDB-RN).
 
O relatório apresentado na comissão mantém a prevalência dos acordos coletivos em relação à lei, conforme previsto no texto original, e acrescenta outras modificações, como regras para o teletrabalho e o trabalho intermitente.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Os fantasmas de PH

Delações e medo das ruas assombram Hartung, cada vez mais distante das eleições de 2018

OPINIÃO
Renata Oliveira
Reformas inócuas
A Lava Jato revelou como a classe política articulou sua sobrevivência no ''mundo cão'' enquanto vendia honestidade
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Imperdivel! Já em cartaz!
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Quem quer ser vizinho de uma siderúrgica?

Envolvimento de Ricardo Ferraço no esquema da Odebrecht inibe oposição de Theodorico na Assembleia

Delações jogam luz sobre passagens obscuras da política capixaba

Com baixa de 119 servidores em três anos, governo adia nomeação de escrivães de Polícia

Polícia Militar antecipa reintegração de posse de área em Vitória