Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Unanimidade, um bom negócio


20/04/2017 às 15:43
A partir de 2003, quando assumiu o governo do Estado, o governador Paulo Hartung (PMDB) promoveu a união da classe política sob o seu comando: a unanimidade. Com a justificativa de que era necessário combater um mal invisível que estava criando desmandos no Estado, Hartung foi o principal agente na composição de dois arranjos, o político e o institucional.
 
Com isso conseguiu deixar todos os Poderes do Estado sob o comando do Executivo, ao mesmo tempo em que colocou os partidos e as principais lideranças políticas, sob sua bota. A partir daí, nem uma folha caia da árvore sem o consentimento do governador. Todo o jogo político do Estado passou a girar em torno de Hartung.
 
Para a Odebrecht ou outras empresas interessadas em entrar no jogo político do Estado, driblando algumas regras. Hartung comandava o jogo e como afirmou o delator Benedicto Júnior, “cabia a Paulo Hartung a coordenação das arrecadações das campanhas eleitorais”. Esse era o melhor cenário, apenas uma liderança para conversar, para articular, e para investir.
 
Centralizando as articulações políticas do Estado, o governador tinha em suas mãos o destino dos aliados. Quem disputaria o cargo que disputaria e com que apoios, tudo passava pelo governador. Da mesma forma que a negociação ficaria mais fácil durante da eleição e depois dela.
 
Em 2010, a Odebrecht foi pega de surpresa com a mudança no palanque ao governo do Estado e ao Senado. Até então, o que havia sido combinado era que Hartung disputaria o Senado e que Ricardo Ferraço seria o candidato ao governo. Naquele momento, Renato Casagrande construía um palanque bem longe de tudo isso.
 
Acontece que, embora se coloque essa mudança na conta de Hartung, a movimentação foi nacional. Um acordo para tirar a candidatura de Ciro Gomes à presidência da República, então no PSB, em troca do apoio do PMDB e PT a seis candidatos ao governo do PSB, entre eles Casagrande, no Espírito Santo. Hartung cumpriu o acordo e deixou a Odebrecht “vendida” na história.
 
Mas até aí a mudança era só de peças, estavam lidando com um só tabuleiro, um só jogador. O problema é quando essa unanimidade se quebra e a empresa tem de se dividir.

Fragmentos

1 – A crise das lideranças políticas do Estado, disparada pelas delações da Lava Jato está se concentrando na Grande Vitória, o que pode abrir o caminho para os atores políticos do interior do Estado em 2018. Eu disse, pode...

2 – Corre nas redes sociais algumas fotos da filha do ex-prefeito de Vitória, em uma fazenda em Jaguaré, que vem sendo colocada na conta de João Coser (PT). Será?

3 – O jornalista Fernando Carreiro assumiu a chefia de gabinete da presidência da Assembleia. Ele comandou a campanha de Sérgio Vidigal (PDT) à prefeitura da Serra, em 2016, e vai cuidar da imagem do presidente Erick Musso e do Legislativo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Ensaiado

Mudança de planos de Ricardo Ferraço na condução da Reforma Trabalhista atende à estratégia de Temer e da classe empresarial. Falou de empresário, é com ele mesmo!

OPINIÃO
Editorial
Defesa burocrática
Secretário Júlio Pompeu fez um discurso burocrático para defender o governo Hartung na Corte Interamericana de Direitos Humanos
Renata Oliveira
O universo conspira
A onda de falta de sorte do governador, iniciada em fevereiro, insiste em não passar
Caetano Roque
Venceu o pragmatismo
Ao reeleger o grupo que se perpetua na direção, PT perde um pouco mais de sua ideologia
Geraldo Hasse
Seremos todos boias-frias?
A palavra reforma, sempre associada a avanços, está sendo aplicada a um retrocesso
JR Mignone
Sérgio Bermudes, sempre atual
''Existe uma crise no Judiciário, que vai da falta de juízes, da infraestrutura adequada, até a postulação e prestação precárias''
Caetano Roque
A hora do Judiciário
O Supremo tem que mostrar a que veio e a serviço de quem está
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna – parte II: early years na ilha
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A sombra
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

CNMP pode acabar com pagamento de ‘horas-extras’ a promotores no Espírito Santo

Disputa pelo poder em Itapemirim reacende tensão entre prefeito e vice

Defesa burocrática

Ensaiado

Esgoto na Praia de Santa Helena não se resolve com teste de balneabilidade