Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Unanimidade, um bom negócio


20/04/2017 às 15:43
A partir de 2003, quando assumiu o governo do Estado, o governador Paulo Hartung (PMDB) promoveu a união da classe política sob o seu comando: a unanimidade. Com a justificativa de que era necessário combater um mal invisível que estava criando desmandos no Estado, Hartung foi o principal agente na composição de dois arranjos, o político e o institucional.
 
Com isso conseguiu deixar todos os Poderes do Estado sob o comando do Executivo, ao mesmo tempo em que colocou os partidos e as principais lideranças políticas, sob sua bota. A partir daí, nem uma folha caia da árvore sem o consentimento do governador. Todo o jogo político do Estado passou a girar em torno de Hartung.
 
Para a Odebrecht ou outras empresas interessadas em entrar no jogo político do Estado, driblando algumas regras. Hartung comandava o jogo e como afirmou o delator Benedicto Júnior, “cabia a Paulo Hartung a coordenação das arrecadações das campanhas eleitorais”. Esse era o melhor cenário, apenas uma liderança para conversar, para articular, e para investir.
 
Centralizando as articulações políticas do Estado, o governador tinha em suas mãos o destino dos aliados. Quem disputaria o cargo que disputaria e com que apoios, tudo passava pelo governador. Da mesma forma que a negociação ficaria mais fácil durante da eleição e depois dela.
 
Em 2010, a Odebrecht foi pega de surpresa com a mudança no palanque ao governo do Estado e ao Senado. Até então, o que havia sido combinado era que Hartung disputaria o Senado e que Ricardo Ferraço seria o candidato ao governo. Naquele momento, Renato Casagrande construía um palanque bem longe de tudo isso.
 
Acontece que, embora se coloque essa mudança na conta de Hartung, a movimentação foi nacional. Um acordo para tirar a candidatura de Ciro Gomes à presidência da República, então no PSB, em troca do apoio do PMDB e PT a seis candidatos ao governo do PSB, entre eles Casagrande, no Espírito Santo. Hartung cumpriu o acordo e deixou a Odebrecht “vendida” na história.
 
Mas até aí a mudança era só de peças, estavam lidando com um só tabuleiro, um só jogador. O problema é quando essa unanimidade se quebra e a empresa tem de se dividir.

Fragmentos

1 – A crise das lideranças políticas do Estado, disparada pelas delações da Lava Jato está se concentrando na Grande Vitória, o que pode abrir o caminho para os atores políticos do interior do Estado em 2018. Eu disse, pode...

2 – Corre nas redes sociais algumas fotos da filha do ex-prefeito de Vitória, em uma fazenda em Jaguaré, que vem sendo colocada na conta de João Coser (PT). Será?

3 – O jornalista Fernando Carreiro assumiu a chefia de gabinete da presidência da Assembleia. Ele comandou a campanha de Sérgio Vidigal (PDT) à prefeitura da Serra, em 2016, e vai cuidar da imagem do presidente Erick Musso e do Legislativo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Os fantasmas de PH

Delações e medo das ruas assombram Hartung, cada vez mais distante das eleições de 2018

OPINIÃO
Renata Oliveira
Reformas inócuas
A Lava Jato revelou como a classe política articulou sua sobrevivência no ''mundo cão'' enquanto vendia honestidade
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Imperdivel! Já em cartaz!
Flânerie

Manuela Neves

Nenna, em transição
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Nossa Terra, nossa gente
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Quem quer ser vizinho de uma siderúrgica?

Envolvimento de Ricardo Ferraço no esquema da Odebrecht inibe oposição de Theodorico na Assembleia

Delações jogam luz sobre passagens obscuras da política capixaba

Com baixa de 119 servidores em três anos, governo adia nomeação de escrivães de Polícia

Polícia Militar antecipa reintegração de posse de área em Vitória