Seculo

 

Mau negócio


21/04/2017 às 19:47

Até 2012, a política capixaba foi um excelente negócio para a Odebrecht. Com um único agente político, Paulo Hartung (PMDB), comandando o cenário, era fácil decidir os rumos eleitorais, quais as apostas da empresa e, de quebra, as oportunidades que se abririam para a empresa no Estado. Mas a unanimidade deu sinais de racha na disputa municipal.

Renato Casagrande (PSB) era parte da unanimidade, mas uma vez com a caneta na mão e sentado na cadeira de governador, parece ter entendido que ele é quem deveria dar as cartas. Isso fica subentendido na delação de Sérgio Neves, executivo da Odebrecht, quando afirma que Casagrande o procurou querendo receber os mesmos recursos que Hartung para a campanha eleitoral.

Ali já se desenhava a polarização que se efetivou na disputa de 2014. Agora a Odebrecht tinha um problema. Teria que negociar com duas lideranças que digladiavam pelo poder no Estado. A política capixaba deixa, então, de ser um bom negócio para a empresa. Duas lideranças, cada uma com seus aliados, disputando eleições em pé de igualdade.

Não daria para arriscar uma aposta, era preciso apostar igualmente nas duas lideranças, para que o compromisso de reciprocidade fosse mantido, independentemente de quem vencesse. Mas pelo teor das delações, a empresa parecia ter mais carisma por Hartung do que por Casagrande. Não se sabe se porque ele melou um negócio da Odebrecht na Serra, em 2013, ou porque Hartung tinha mais informações e disposição para atender o grupo.

O fato é que Hartung venceu e deveria reunir novamente aquele cenário de facilidade que a Odebrecht encontrava no Estado, e, finalmente, efetivar os negócios já conversados no passado. O problema é que Hartung não conseguiu reunir novamente a unanimidade, a empresa entrou no Lava Jato, e os executivos para salvar suas peles, entregaram o jogo que era esquematizado no Espírito Santo.

A reflexão que fica para o feriado é: será que a coisa para na Odebrecht?

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Por trás das cortinas

Hartung não ataca mais Casagrande como antes. E vice-versa

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Luiz Paulo disputará cadeira na Câmara dos Deputados pelo PPS

Sesc Glória abre inscrições para propostas de apresentações

Manobras perigosas

Hospital Bezerra de Farias suspende atendimento por falta de médicos

Banalização