Seculo

 

Por que engordamos?


21/04/2017 às 13:12
A nova pesquisa Vigitel, do Ministério da Saúde, só vem comprovar o que nós, profissionais da saúde, especialistas em nutrição, temos falado: apesar de se movimentarem mais; apesar de tomarem menos refrigerantes e sucos em caixa; apesar de não estarem bebendo mais álcool do que antes; na média, as pessoas, no Brasil, continuam aumentando de peso.
 
Se existem algumas mudanças positivas, então, por que engordamos? A resposta é direta: porque continuamos comendo errado. Estamos ingerindo muito carboidrato de má qualidade. Fomos viciados pela indústria de alimentos em gordura saturada, açúcar e sal. 
 
Há três fatores principais: porque ingerimos mais calorias do que o nosso organismo necessita (a vida moderna diminui nosso gasto calórico médio diário); balanço equivocado de macronutrientes nas refeições, com excesso de carboidratos, principalmente simples, e pouca proteína (magra); deficiência de micronutrientes, gerando a chamada fome oculta, que leva a pessoa a beliscar nos intervalos.
 
A base da pirâmide alimentar praticada na maioria dos casos ainda considera os carboidratos como principal grupo alimentar, mas Harvard já comprovou que isso precisa mudar. A tradição coloca mais de 50% das refeições com carboidratos, 30% de gorduras e 15% de proteínas. 
 
A consequência dessa orientação é que o excesso de carboidrato provoca secreção excessiva do hormônio insulina, que, além de aumentar a produção de reserva de energia em forma de gordura corporal, ainda leva as pessoas a sentirem fome mais rápido.
 
Mas será que apenas reduzindo a ingestão calórica terei sucesso na redução de peso? As prateleiras dos supermercados estão repletas de alimentos “sem gordura” ou “fat free”, mas a população continua engordando. Por que?
 
Porque apenas uma dieta hipocalórica não é suficiente para reduzir peso. Altos níveis de insulina “trancam” a gordura, tornando-a indisponível como fonte de energia. Assim, mesmo com a balança calórica negativa (menos caloria do que consome no dia) o corpo não consegue mobilizar a reserva de gordura para perda de peso.
 
Na década de 90, o esforço governamental era nos advertir sobre os perigos do excesso de gordura e incentivar o consumo de carboidratos. Hoje se sabe que a nova indústria dos alimentos não saudáveis, que começou a nascer nos Estados Unidos há 50 anos, como fruto da migração do capital investido na indústria de tabaco para o novo meio de sua reprodução, “comprou” cientistas para atacarem a gordura e a incentivar o consumo de novos alimentos “viciantes”.
 
Isso aconteceu na formulação da pirâmide alimentar americana do final dos anos 70 e meados de 80, induzindo ao consumo de carboidratos, com repercussão em todo o mundo sob influência dos Estados Unidos. 
 
A nova abordagem valoriza os grãos integrais, as boas gorduras, o consumo de frutas e verduras e das proteínas magras, deixando no topo da pirâmide, portanto, em menores quantidades, as carnes vermelhas e farinhas refinadas. Além de apontarem para a validade da suplementação de micronutrientes e do consumo moderado de vinho tinto. Isso, certamente, vai revolucionar os costumes a médio e longo prazo.
 
Se quiser ser saudável, portanto, diminua a ingestão de carboidratos, amidos e açúcares refinados e valorize os integrais, as frutas, as verduras e as proteínas magras. Qualquer programa de controle de peso deve, sobretudo, salientar quatro pontos: o aumento na oferta de nutrientes essenciais, diminuir o excesso de líquidos  retidos, reduzir a taxa de gordura corporal, sem afetar a integridade do tecido muscular, hepático, colágeno e massa óssea. Isso se faz com alimentação equilibrada, em menores quantidades e menores intervalos, e mais água ao longo do dia.
 
A pesquisa Vigitel traz um dado que parece perverso, mas que deve provocar reflexão: os mais pobres e com menos anos de estudos escolares (parece que as duas coisas estão, diretamente, associadas) estão engordando mais do que os de maior poder aquisitivo e com mais anos de escolaridade (fatores também que parecem associados).
Ou seja, pessoas que estudam mais têm chances de ganhar mais e podem fazer melhores escolhas alimentares. Quem estuda menos, ganha menos e acaba recorrendo a carboidratos mais baratos (e de pior qualidade) e a fontes protéicas menos saudáveis (carnes mais baratas são fontes de proteína mais gorda), além de não diversificarem suas refeições.
 
Está na hora de o poder público pensar numa equação: investir na educação faz bem para a saúde. Da população e do sistema público de atendimento.
 

Lídia Caldas é nutricionista pela Faculdade Católica de Vitória, especialista em Nutrição Esportiva pela Universidade Gama Filho (RJ) e gestora de Unidade de Alimentação e Nutrição. Fale com a nutri: lidiarncaldas@gmail.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Fazendo escola

Temer em Brasília, Hartung e Luciano Rezende no Espírito Santo: retaliações a quem anda “fora da linha” nunca estiveram tão na moda como agora

OPINIÃO
Editorial
Em causa própria
Promotor Marcelo Zenkner usa cargo público para promover projeto pessoal
Piero Ruschi
Festa de fachada
Comemoração da Sambio evidencia que o Museu Mello Leitão segue precisando de verdadeiros amigos
Renata Oliveira
Pela emoção
Magno Malta sempre tem uma carta na manga para a disputa eleitoral. Mas desta vez o cenário é diferente
JR Mignone
O repórter e a polícia
A vítima não foi repórter, foi a professora
Caetano Roque
Inversão de papéis
O movimento sindical foi dar uma de direita e agora perdeu o caminho da rua
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

O cinismo explícito e a esperança de fora Temer renovada
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

O tempo entre as vírgulas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Promotor com trabalho atrasado está prestes a ser premiado para passar um ano nos Estados Unidos

Grupo de Luciano tenta sufocar oposição com corte de cargos

Fazendo escola

PP classifica como 'desproporcional' críticas de vereador contra Hartung

Hartung e Casagrande seguem disputando espaço no interior