Seculo

 

Após novas denúncias, não faltam motivos para abertura da CPI da Cesan


24/04/2017 às 11:38
A pressão do governo do Estado deu certo e na última quarta-feira (19) e três dos deputados estaduais que haviam assinado o requerimento para a criação da CPI da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan), pressionados pelo Palácio Anchieta, voltaram atrás e retiraram suas assinaturas, inviabilizando a abertura da comissão.
 
 
 
Entre as justificativas para esvaziar o CPI estavam a assinatura do requerimento, sem ler e o direcionamento para a situação de Vitória, onde o prefeito Luciano Rezende (PPS) apontava problemas no diálogo com a empresa que poderiam levar o município a suspender a concessão para a empresa.
 
Mas os fatos subsequentes mostram que a CPI seria, sim, oportuna. Além dos problemas encontrados em Vitória, muita coisa mal explicada vem acontecendo na empresa, que é menina dos olhos para o governo do Estado, e grande aposta para privatização – que já está em curso em Vila Velha e Serra –, mas que tem trazido nos últimos dias muitos desgastes ao Palácio Anchieta.
 
Um dos pontos que justificariam a abertura da CPI foi apontada pelo deputado Sérgio Majeski (PSDB), na sessão da última quarta-feira (19). “Essa CPI se faria necessária, sim. Os contratos da Cesan com a Odebrecht giram em torno de R$ 210 milhões. Diretores da Cesan se tornaram diretores da Odebretch e vice-versa. Há muita coisa nebulosa. Essas coisas precisam vir à tona", afirmou.
 
O deputado se referia a Paulo Ruy Carnelli, que no dia seguinte apareceu no rol de denunciados pelo Ministério Público na investigação das relações entre a Cesan e a Delta, empreiteira investigada na Lava Jato. O grupo é acusado de causar um prejuízo aos cofres públicos na ordem de R$ 8,27 milhões, em valores atualizados, por meio de supostas irregularidades em licitações e contratos.
 
Em 2008, há outra denúncia a ser apurada. O contrato de cerca de R$ 240 milhões entre a Cesan e a Odebrecht para obras de saneamento na Grande Vitória. Isso sem falar nas passagens de Paulo Ruy e do novo diretor, Pablo Ferraço Andreão, pela Odebrecht, o primeiro como conselheiro e o segundo como diretor de Meio Ambiente, como critica o Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos) . Evidentemente, que esses fatos não provam nada, mas geram suspeição, que justificariam a instalação da CPI.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete

Contratação do Instituto da Mata Atlântica gera PAD contra gerente do Iema