Seculo

 

Após novas denúncias, não faltam motivos para abertura da CPI da Cesan


24/04/2017 às 11:38
A pressão do governo do Estado deu certo e na última quarta-feira (19) e três dos deputados estaduais que haviam assinado o requerimento para a criação da CPI da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan), pressionados pelo Palácio Anchieta, voltaram atrás e retiraram suas assinaturas, inviabilizando a abertura da comissão.
 
 
 
Entre as justificativas para esvaziar o CPI estavam a assinatura do requerimento, sem ler e o direcionamento para a situação de Vitória, onde o prefeito Luciano Rezende (PPS) apontava problemas no diálogo com a empresa que poderiam levar o município a suspender a concessão para a empresa.
 
Mas os fatos subsequentes mostram que a CPI seria, sim, oportuna. Além dos problemas encontrados em Vitória, muita coisa mal explicada vem acontecendo na empresa, que é menina dos olhos para o governo do Estado, e grande aposta para privatização – que já está em curso em Vila Velha e Serra –, mas que tem trazido nos últimos dias muitos desgastes ao Palácio Anchieta.
 
Um dos pontos que justificariam a abertura da CPI foi apontada pelo deputado Sérgio Majeski (PSDB), na sessão da última quarta-feira (19). “Essa CPI se faria necessária, sim. Os contratos da Cesan com a Odebrecht giram em torno de R$ 210 milhões. Diretores da Cesan se tornaram diretores da Odebretch e vice-versa. Há muita coisa nebulosa. Essas coisas precisam vir à tona", afirmou.
 
O deputado se referia a Paulo Ruy Carnelli, que no dia seguinte apareceu no rol de denunciados pelo Ministério Público na investigação das relações entre a Cesan e a Delta, empreiteira investigada na Lava Jato. O grupo é acusado de causar um prejuízo aos cofres públicos na ordem de R$ 8,27 milhões, em valores atualizados, por meio de supostas irregularidades em licitações e contratos.
 
Em 2008, há outra denúncia a ser apurada. O contrato de cerca de R$ 240 milhões entre a Cesan e a Odebrecht para obras de saneamento na Grande Vitória. Isso sem falar nas passagens de Paulo Ruy e do novo diretor, Pablo Ferraço Andreão, pela Odebrecht, o primeiro como conselheiro e o segundo como diretor de Meio Ambiente, como critica o Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos) . Evidentemente, que esses fatos não provam nada, mas geram suspeição, que justificariam a instalação da CPI.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Disputa indefinida

Hoje, a raia que tem a linha de chegada no Palácio Anchieta tem apenas dois competidores: PH e Rose. O campo de oposição às lideranças de perfil tradicional ainda está aberto

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
A escolha de Sofia
Os prefeitos do Estado têm de escolher entre Rose de Freitas ou Paulo Hartung
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Sopa de Letrinhas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Disputa indefinida

Mexer no PDU pode custar caro aos vereadores

À medida que a eleição se aproxima, perfil da equipe de Hartung se torna mais político

Justiça recebe ação penal contra ex-prefeito e vereadores de Barra de São Francisco

'Agricultura e cultura no nosso quilombo é a mesma coisa'