Seculo

 

Esgoto veio à tona


24/04/2017 às 22:57
Antes da “delação do fim do mundo” vir à tona, uma frente de sete deputados, puxada pelos pedetistas Euclério Sampaio e Josias da Vitória, iniciava uma articulação na Assembleia Legislativa para instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a Cesan. 
 
Para conquistar as assinaturas de mais três colegas e atingir o número necessário de deputados para protocolar a CPI, a frente alegava que a empresa acumulava reclamações dos consumidores porque falhava na entrega de dois serviços essenciais: fornecimento de água tratamento de esgoto.
 
A constituição da CPI ganhou força na Assembleia com a iniciativa da Prefeitura de Vitória de encomendar um estudo de uma empresa do Paraná com a intenção de tirar a concessão da gestão do saneamento das mãos da Cesan e entregá-la a outra empresa. 
 
Os argumentos, no primeiro momento, convenceram os deputados José Esmeraldo (PMDB), Gilsinho Lopes (PR) e Padre Honório (PT), que decidiram assinar o requerimento. O líder do governo na Assembleia, Gildevan Fernandes (PMDB) cochilou, quando acordou, a CPI já havia sido protocolada. 
 
Horas depois do requerimento ter sido protocolo, o governo urdia nos bastidores da Assembleia uma manobra rasteira para esvaziar a CPI. O jeito foi enxertar uma “anomalia” num Projeto de Resolução do deputado Sérgio Majeski, que permitiria que os deputados pudessem retirar as assinaturas mesmo após o protocolo do requerimento. 
 
A emenda palaciana permitiu que Gilsinho, Padre Honório e Esmeraldo desertassem a CPI, inviabilizando sua instalação. Para dar um verniz de legalidade à manobra, o Tribunal de Contas do Estado entrou em campo. A corte de contas acatou representação da Cesan para barrar os estudos e consequentemente os planos da Prefeitura de Vitória de tirar a concessão da companhia estatal. 
 
A manobra do governo na Assembleia e a decisão do TCE tornaram a CPI natimorta. Mas os fatos novos mudam tudo. As delações do ex-executivo da Odebrecht Benedicto Júnior, envolvendo o governador Paulo Hartung (PMDB) no esquema de “caixa 2” da empreiteira explicitam a relação próxima entre o peemedebista e a Odebrecht. 
 
Essa relação teria ficado ainda mais estreita em 2008, quando o então governador deu aval para a Cesan firmar um contrato com a empreiteira de mais de R$ 240 milhões a partir do Programa Águas Limpas.
 
Não bastasse, na semana passada foi a vez do Ministério Público Estadual apresentar denúncias que apontam indícios de improbidade administrativa na gestão do então presidente da companhia de águas, Paulo Ruy Carnelli, homem de confiança de Hartung. Carnelli e executivos da Cesan são acusados de irregularidades em licitações e contratos, o que teria causado um prejuízo de R$ 8,27 milhões à companhia. 
 
Se antes o governo alegava que a tentativa de abrir uma CPI para investigar a Cesan não passava de uma conspiração de adversários para desestabilizá-lo politicamente, as novas denúncias tornam a instalação da comissão obrigatória. 
 
Os três “coveiros” que ajudaram a sepultar a CPI na Assembleia ainda podem se redimir e ficar do lado dos interesses da sociedade. Os deputados têm a obrigação moral de ressuscitar a CPI e permitir que ela, a exemplo do processo de tratamento de esgoto, faça uma verdadeira desaneração na companhia. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada

Diretoria do Heimaba não comparece em reunião do Conselho para explicar óbitos