Seculo

 

Delações da Odebrecht mudam expectativas de composições eleitorais para 2018


28/04/2017 às 09:21
As delações premiadas dos ex-executivos da Odebrecht, envolvendo lideranças políticas capixabas, abalaram o cenário político que começava a se desenhar no Estado, podendo afetar os dois principais palanques esperados para o próximo ano, desarmando estratégias que estavam sendo engendradas para o processo eleitoral de 2018, sobretudo ao governo e Senado.
 
O efeito mais imediato parece ter acontecido no grupo que começava a articular um núcleo em torno do ex-governador Renato Casagrande (PSB), citado na delação do ex-executivo da Odebrecht Sérgio Neves como um dos atores políticos do Estado que recebeu recursos de “caixa 2” da empreiteira para irrigar campanhas de aliados nas eleições de 2010 e 2012. 
 
Até então, comentava-se nos meios políticos que havia uma articulação para que os dois atuais senadores que buscam a reeleição, Magno Malta (PR) e Ricardo Ferraço (PSDB), pudessem compor uma trinca com Casagrande, que disputaria o governo em 2018. Mas depois das delações há dúvidas de que essa parceria sobreviva até o processo eleitoral.
 
Malta não confirma publicamente o fim da parceria entre seus aliados. O comentário é de que Ricardo Ferraço tem evitado exposição para não se desgastar mais. Mas desde o início da que o esquema da Odebrecht veio à tona, o senador Magno Malta vem reforçando a imagem de um ator político que passou ao largo da crise, sobretudo com um vídeo postado nas redes sociais no dia seguinte às delações, quando a sessão no Senado foi cancelada e Malta posou sozinho no Plenário da Casa. Até então, Magno e Ricardo vinham  caminhando juntos Estado afora e posando ao lado de fotos e vídeos nas redes sociais.
 
Ainda no grupo de Casagrande, a inclusão do nome do prefeito Luciano Rezende (PPS) também prejudica a articulação. Casagrande estaria preparando Luciano para sua sucessão, caso eleito em 2018. Mas o prefeito ensaiava furar a fila, se colocando como uma liderança de terceira via, já para a disputa do próximo ano. Como a denúncia também o atingiu, o prefeito mergulhou.
 
No grupo de Hartung, a situação também é complicada. Como o governador evita criar condições para que seus aliados cresçam a ponto de ameaçar seus planos, a situação é complicada. Hartung ensaiou uma articulação com o PSDB no início do ano, propondo a candidatura ao governo ao senador Ricardo Ferraço, o que abriria uma vaga no Senado em que ele e o deputado estadual Amaro Neto (SD) poderiam construir uma parceria para a disputa no próximo ano.
 
Hoje não se sabe quem seriam as lideranças ligadas ao governador em condições de disputar a eleição, sem precisar da presença de Hartung no palanque para os cargos majoritários. Hoje o governador tenta evitar os holofotes em agendas internas, o que tem permitido a circulação do vice, César Colnago (PSDB), pelo Estado. Mas isso não garante a musculatura necessária para uma disputa ao governo.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete

Contratação do Instituto da Mata Atlântica gera PAD contra gerente do Iema