Seculo

 

'Pedalada' na Educação


02/05/2017 às 22:02
Na ocasião da votação do Orçamento 2016, na Assembleia Legislativa, o deputado Sérgio Majeski (PSDB) alertou os colegas sobre irregularidades na aplicação dos recursos destinados à Educação. Segundo o parlamentar, o governo do Estado, ao incluir os gastos com aposentadorias e pensões nas despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE), estaria drenando recursos da Educação e desrespeitando o percentual mínimo constitucional de 25%.
 
Os deputados, porém, ignoraram a denúncia e aprovaram a peça do governo da maneira como chegou ao Legislativo, como é de costume. Como não houve ressonância na Assembleia, o deputado buscou outro caminho. No dia 9 de março último, Majeski protocolou a denúncia na Procuradoria-Geral da República (PGR).
 
Na sessão desta terça-feira (2) da Assembleia, o deputado, ainda impressionado com a velocidade com que a denúncia avançou na PGR, comunicou que o caso já estava no Supremo Tribunal Federal (STF), nas mãos da ministra Rosa Weber, que no último dia 20 notificou o Tribunal de Contas do Estado (TCE), que terá que se manifestar sobre a resolução que permitiu a “pedalada”.
 
A propósito, a manobra que drenou recursos do mínimo constitucional de gastos com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE) foi operada em 2012, portanto, no governo de Renato Casagrande. Fiel ao pacto da continuidade, o socialista contou com a ajuda do Tribunal de Contas para dar a “pedalada”, que seria mantida por Hartung. Segundo o deputado, entre 2009 e 2017, estima-se que o governo deixará de investir R$ 4 bilhões em Educação. Coincidentemente, mesmo valor que o governo Hartung prevê conceder em incentivos fiscais aos empresários ao final dos quatro anos de governo.
 
A “pedalada” de Hartung-Casagrande foi de caso pensado. Ambos sabiam que estavam embutindo gastos com aposentadorias e pensões na Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE). A estratégia do atual e do ex-governador para dar uma camada de legalidade à manobra foi garantida graças à condescendência do TCE. 
 
"É assustador você imaginar que um órgão que tem como função primeira garantir o bom uso do recurso público faça uma resolução permitindo que o governo descumpra a Constituição. O que diz a Legislação sobre isso", questionou o deputado Sérgio Majeski.
 
É realmente “assustador” pensar que o órgão que deveria fiscalizar as contas do Executivo assume o papel de protagonista para tornar legal uma manobra que tira recursos da Educação, já tão combalida. 
 
Se a interpretação jurídica prevalecer sobre a política, o Supremo deverá compartilhar do entendimento da PGR, que considerou a resolução do TCE inconstitucional. 
 
Mesmo que o Supremo decida pela inconstitucionalidade da resolução, causa espécie imaginar que se o deputado Sérgio Majeski não tivesse a sensatez de denunciar a manobra à PGE, o governo continuaria “pedalando” impunemente, como se sangrar R$ 4 bilhões da Educação fosse algo normal e legal. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada

Diretoria do Heimaba não comparece em reunião do Conselho para explicar óbitos