Seculo

 

Violência rompeu o muro


04/05/2017 às 16:27
Um crime na Praia do Canto, um dos metros quadrados mais caros de Vitória, deixou os moradores do bairro nobre chocados nessa quarta-feira (3). Queixar-se do aumento da violência quando ela é mantida a uma distância, digamos, segura, é uma coisa. Mas deparar-se com um corpo esburacado de balas, em decúbito dorsal, no meio do passeio público, “atrapalhando o tráfego”, é uma situação completamente inusitada, quase inédita, para esses privilegiados moradores. Nesse momento o cidadão, assustado, sente que a violência entrou sem bater. 
 
Durante a paralisação da Polícia Militar, em fevereiro passado, os moradores dos municípios da Grande Vitória, sobretudo os dos bairros mais abastados, entraram em pânico quando perceberam que não tinham a quem recorrer para se defender da bandidagem. O jeito foi se trancar dentro de casa até que as forças de segurança nacional retomassem o controle e restabelecessem a ordem pública.
 
Na ocasião, o Padre Kelder, familiarizado com a violência nos bairros pobres da Capital, fez uma reflexão interessante. "Há quase oito anos estou em São Pedro e tem sido assim, com constantes tiroteios de dia e de noite, e tropeçando em corpos estirados nas ruas, becos e escadarias. Com greve ou sem greve da PM, a segurança pública nunca fez parte do cotidiano das periferias e não vai fazer depois que a greve da PM acabar. A greve da PM só democratizou a violência e está mostrando para todo mundo que o governo e a Polícia Militar estão pouco se lixando com a carnificina e tenho certeza que boa parte da sociedade também estaria se não tivesse correndo riscos. Enquanto os jovens, pretos, pobres e favelados estavam sendo exterminados, estava tudo certo e o ES era modelo de gestão e segurança para o país. Agora que a violência afetou todo mundo...".
 
O comentário do Padre, postado nas redes sociais no auge da paralisação da PM, chama a atenção sobre a “democratização” da violência, que sempre esteve restrita às periferias. Sem polícia nas ruas, a violência havia rompido o muro para tirar o sono das faixas mais abastadas da sociedade. 
 
Em entrevista a este jornal, à ocasião, Padre Kelder destacou que as mortes estavam restritas às zonas de exclusão e por isso não repercutiam tanto. O pároco chegou a fazer uma provocação ao questionar qual seria a repercussão se um único crime tivesse ocorrido num bairro nobre de Vitória. 
 
A resposta ao Padre veio nessa quarta-feira (3). O crime brutal registrado na Praia do Canto não era de nenhum morador local. As investigações preliminares esclareceram que o homem morto é João Batista de Amorim, de 47 anos, comerciante da Serra. 
 
Mesmo não sendo um local, o fato de o crime ter acontecido numa área nobre, transformou a morte do comerciante em destaque de capa nos dois principais jornais do Estado e tomou conta dos noticiários televisivos. 
 
Em Vista da Serra, bairro onde o comerciante morava e trabalhava há mais de duas décadas, os assassinatos são corriqueiros. Com toda a certeza, se João tivesse sido morto em Vista da Serra, o crime ganharia, no máximo, uma discreta nota de rodapé de página. Por um simples fato, homicídios em bairros de periferia são tão triviais que não merecem mais destaque no noticiário. 
 
O episódio ganhou toda essa dimensão porque o crime rompeu a fronteira que divide esses dois mundos. Como disse o Padre Kelder, a violência foi “democratizada”. E isso assusta. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Leonardo Duarte/Secom
Uma coisa só

Enquanto no campo nacional PRB e MDB ainda estão em fase de namoro, no Estado o partido já é um “puxadinho” de Hartung. E tudo começou com Roberto Carneiro...

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Para que Filosofia?
''é melhor existir do que o nada''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uh, Houston, temos um problem
MAIS LIDAS

Uma coisa só

MPES omisso

Processo de Valci Ferreira e Gratz por crime de peculato será remetido ao STF

Cedrolândia ainda aguarda resposta do prefeito sobre escola condenada

Diretoria do Heimaba não comparece em reunião do Conselho para explicar óbitos