Seculo

 

Violência rompeu o muro


04/05/2017 às 16:27
Um crime na Praia do Canto, um dos metros quadrados mais caros de Vitória, deixou os moradores do bairro nobre chocados nessa quarta-feira (3). Queixar-se do aumento da violência quando ela é mantida a uma distância, digamos, segura, é uma coisa. Mas deparar-se com um corpo esburacado de balas, em decúbito dorsal, no meio do passeio público, “atrapalhando o tráfego”, é uma situação completamente inusitada, quase inédita, para esses privilegiados moradores. Nesse momento o cidadão, assustado, sente que a violência entrou sem bater. 
 
Durante a paralisação da Polícia Militar, em fevereiro passado, os moradores dos municípios da Grande Vitória, sobretudo os dos bairros mais abastados, entraram em pânico quando perceberam que não tinham a quem recorrer para se defender da bandidagem. O jeito foi se trancar dentro de casa até que as forças de segurança nacional retomassem o controle e restabelecessem a ordem pública.
 
Na ocasião, o Padre Kelder, familiarizado com a violência nos bairros pobres da Capital, fez uma reflexão interessante. "Há quase oito anos estou em São Pedro e tem sido assim, com constantes tiroteios de dia e de noite, e tropeçando em corpos estirados nas ruas, becos e escadarias. Com greve ou sem greve da PM, a segurança pública nunca fez parte do cotidiano das periferias e não vai fazer depois que a greve da PM acabar. A greve da PM só democratizou a violência e está mostrando para todo mundo que o governo e a Polícia Militar estão pouco se lixando com a carnificina e tenho certeza que boa parte da sociedade também estaria se não tivesse correndo riscos. Enquanto os jovens, pretos, pobres e favelados estavam sendo exterminados, estava tudo certo e o ES era modelo de gestão e segurança para o país. Agora que a violência afetou todo mundo...".
 
O comentário do Padre, postado nas redes sociais no auge da paralisação da PM, chama a atenção sobre a “democratização” da violência, que sempre esteve restrita às periferias. Sem polícia nas ruas, a violência havia rompido o muro para tirar o sono das faixas mais abastadas da sociedade. 
 
Em entrevista a este jornal, à ocasião, Padre Kelder destacou que as mortes estavam restritas às zonas de exclusão e por isso não repercutiam tanto. O pároco chegou a fazer uma provocação ao questionar qual seria a repercussão se um único crime tivesse ocorrido num bairro nobre de Vitória. 
 
A resposta ao Padre veio nessa quarta-feira (3). O crime brutal registrado na Praia do Canto não era de nenhum morador local. As investigações preliminares esclareceram que o homem morto é João Batista de Amorim, de 47 anos, comerciante da Serra. 
 
Mesmo não sendo um local, o fato de o crime ter acontecido numa área nobre, transformou a morte do comerciante em destaque de capa nos dois principais jornais do Estado e tomou conta dos noticiários televisivos. 
 
Em Vista da Serra, bairro onde o comerciante morava e trabalhava há mais de duas décadas, os assassinatos são corriqueiros. Com toda a certeza, se João tivesse sido morto em Vista da Serra, o crime ganharia, no máximo, uma discreta nota de rodapé de página. Por um simples fato, homicídios em bairros de periferia são tão triviais que não merecem mais destaque no noticiário. 
 
O episódio ganhou toda essa dimensão porque o crime rompeu a fronteira que divide esses dois mundos. Como disse o Padre Kelder, a violência foi “democratizada”. E isso assusta. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mais um 'lote'

Depois de conseguir o controle do PSDB e retomar o do DEM, Hartung se volta para um antigo aliado: o PDT

OPINIÃO
Editorial
'Caos' das artes
Previsão de gastos com Cais das Artes até 2018 daria para comprar 60 clubes iguais ao Saldanha da Gama
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Cidadãos ilustres
Assembleia deve tomar cuidado com suas medalhas, pois os homenageados de hoje podem ser os apedrejados de amanhã
Gustavo Bastos
Bancas de jornal
A banca de jornal, hoje, é um mundo que tem tudo
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
Caetano Roque
Agora é tarde
Não adianta a bancada fazer discurso a favor do trabalhador se ela votou quase à unanimidade a favor do impeachment
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Mais um 'lote'

Operação da Polícia Federal pune empresa que lançava esgoto in natura no Rio Doce

PDT realiza convenção estadual em dezembro de olho em 2018

Impopularidade de proposta teria pressionado recuo em homenagem a Lula

MPES quer reinclusão do fundador da Imetame em ação de improbidade