Seculo

 

Fundação Palmares se nega a reconhecer comunidade quilombola em Conceição da Barra


08/05/2017 às 17:09
Ou ser reconhecida como um assentamento rural ou ser “adotada” por uma comunidade quilombola já reconhecida. Essas foram as duas opções apresentadas pela Fundação Palmares em visita à comunidade do Córrego da Angélica, em Conceição da Barra, norte do Estado.

A reunião aconteceu na tarde da última sexta-feira (5) e deixou desoladas as lideranças locais. “Nos sentimos excluídos”, desabafa a presidenta da Associação Quilombola de Pequenos Produtores Rurais do Córrego da Angélica (AQPCA), Jurema da Conceição Gonçalves.

Órgão federal responsável pela certificação das comunidades quilombolas no País, a Fundação Palmares, no entanto, se negou a reconhecer o Córrego da Angélica, sugerindo que ela seja incorporada à comunidade do Córrego do Alexandre, já certificada, e composta basicamente por membros de uma mesma família.

Processo semelhante aconteceu com a comunidade do Córrego do Felipe, que foi anexda ao Angelim 2. Os três representantes da localidade, porém, presentes na reunião, disseram que ainda não poderiam emitir qualquer posicionamento e solicitaram que a AQPCA faça a solicitação formalmente, para avaliação.

“Foi como se nós tivéssemos voltado no tempo, no tempo da escravidão. Nós nos sentimos excluídos de uma tal maneira...foi muito triste”, lamenta Jurema.

Segunda a presidente, a justificativa para a negativa da certificação, pela Fundação Palmares, foi o argumento de que os requerentes são oriundos de vários quilombos – Linharinho, Morro da Onça, do Quadrado – e que não têm uma referência de 100 anos. “Nós temos, até mais! Só que não temos aqui, porque viemos pro Córrego da Angélica e fizemos nossa retomada, depois de muito tempo morando fora de nossos quilombos. Nós conhecemos esse córrego, de tomar banho, de passagem, temos uma história aqui”, explica a líder quilombola.

Jurema também criticou a posição dos representantes das Comissões Quilombolas Estadual e Nacional, que apoiaram a posição da Fundação Palmares. “Essa opção de assentamento rural, todos os quilombolas acham humilhante. Nós somos quilombolas. Nós queremos continuar a levar a nossa história, porque não é de agora”, reclama.

A AQPCA vai enviar uma carta à Presidência da Fundação Palmares e a outros órgãos responsáveis, dando ciência do que está acontecendo no Córrego da Angélica e pedindo providências. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
JR Mignone
Uma análise
Algumas emissoras, aquelas que detêm alguma ou boa audiência, dedicam-se pouco à situação do país
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Candidatura de Lula à Presidência será lançada neste domingo em Vitória e Serra

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

Projeto da nova sede do IPAJM é 'reavaliado' por Instituto de Obras do Estado

A montagem da cena